Vida Saudável

8 dicas para começar a treinar de uma vez por todas

começar a treinar

Quem me lê sabe aquilo que penso: aceitação não é desleixo. Devemos aceitar-nos e gostar de nós, mas isso não significa que devamos ser descuidados com o nosso corpo e, principalmente, com a nossa saúde. O exercício físico é importante do ponto de vista físico e psicológico. O sedentarismo já foi associado a um sem número de problemas graves e combatê-lo (sobretudo porque temos vidas que nos obrigam a estar horas sentados frente a computadores)  é urgente. Como? Basta começar a treinar.

Já agora, desculpem mas. como não tenho fotos recentes a treinar, achei que a Maria Luiza estava com ar de personal trainer de triatlo ou qualquer coisa que envolva ordens e àgua e por isso escolhi esta foto. Voltemos aos treinos! Setembro está quase aí e é o início de um novo ciclo, com novas resoluções, assim ao estilo de ano novo. Criar rotinas de treino costuma ser uma delas. Mas eu sei: o difícil é enraizá-la e ser capaz de continuar. Já passei por isso, várias vezes. Há alturas em que consigo focar-me e outras em que — por falta de vontade, mas sobretudo por causa da logística familiar — é difícil conseguir. Agora tenho treinado na The Strength Clinic e adoro (prometo que volto ao tema porque é mesmo um lugar onde o treino é absolutamente focado nas questões da saúde).

Treinar é a minha terapia. A corrida, por exemplo, fez-me parar para depois ser capaz de pensar melhor. Este é talvez um dos maiores benefícios do treino. Desligamos, focamo-nos em nós e em mais ninguém.  Aqui ficam oito dicas essenciais para começar a treinar e não desistir. É preciso ter calma, mas também é preciso haver esforço. Os objetivos têm de ser realistas, mas têm que existir.

 

1. Escolher uma atividade que dê prazer

Não gostamos todos do mesmo. Estou sempre a dizer isso: não gostar do ginásio ou da corrida não é justificação para não nos mexermos, porque há mil e uma opções. Há aulas de grupo, desde a zumba, ao body pump. Há boxes de Crossfit espalhadas por toda a cidade. Há desportos de combate, piscinas municipais e grupos de treino outdoor. Percebam o que é que vos motiva mais antes de começar a treinar e vão por aí.

2. Ter companhia

Seja no ginásio, num treino outdoor ou numa corrida. Começar a treinar sozinho não funciona para toda a gente. Arranjar companhia — amigas ou até filhos (vou muitas vezes com o Gonçalo) — é uma forma de nos mantermos motivados e de tentarmos ir mais longe. É bem mais divertido e, muito importante, cria um compromisso com outra pessoa. Quando estamos sozinhos, é muito mais fácil adiar. Resultado: o primeiro treino poderá ser também o último. 

3. Definir um objetivo

Seja para perder peso ou para aumentar a resistência e a força física, o que importa é que a meta traçada seja pessoal e verdadeira. Não criar um objetivo é como começar a treinar sem motivo.  E porque no inicio todas as novas rotinas podem custar a instalar-se, convém que haja um bastante concreto.

4. Começar com calma

Mas também é preciso ser realista. É importante estabelecer pequenos objetivo, de esforço gradual, que não sejam demasiado fáceis ou demasiado exigentes. Não queiram começar a treinar cinco vezes por semana. Se estabelecerem que vão duas já é ótimo. Conforme vão evoluindo, a vontade de treinar mais aparecerá naturalmente.

5. Ter a ajuda de um profissional

Mas ninguém saberá melhor calcular metas e formas de atingi-las do que um especialista da área. Um principiante nunca deverá começar a treinar sozinho porque não conhece o corpo, as posturas e os resultados de determinados movimentos ou exercícios como um personal trainer. Delinear um treino sem ajuda pode estar na origem de lesões (que depois nos fazem estar parados durante muito mais tempo) e de esforço sem resultados porque no fundo não sabemos o que é que andamos a fazer.

6. Nunca esquecer a alimentação

Treino sem dieta equilibrada não funciona. Os dois dependem um do outro para que consigamos chegar onde queremos, seja para perder peso, definir ou ganhar massa muscular. Portanto, é importante consultar uma nutricionista e seguir um plano. Sem fundamentalismos, que também nunca dão bom resultado. 

7. Definir um horário e não falhar

Um truque para não adiar os treinos é encará-los como reuniões de trabalho. É importante que a haja responsabilização, que se seja cumpridora e que não se fuja. Marquem na agenda as aulas de grupo de que mais gostam, os treinos na rua ou em sala de ginásio e organizem-se para não falhar.

8. Não estagnar

Superado o primeiro mês? Ótimo. Isto significa que é hora para aumentar a intensidade do treino. Se o treino for sempre igual, os resultados serão sempre iguais. Instala-se a monotonia e prevê-se um futuro em que se abandonam os treinos.

 

E já que falamos em começar a treinar, aqui fica a história do Zé Maria, que fundou a Move HIIT, um grupo de treino outdoor, excelente para marcar o início dos treinos.

Escrever um comentário