PubliPost

Quanto gastámos nas compras de Natal este ano?

Eu e a Rita repetimos o desafio 100 euros para o Natal no Lidl. Desta vez levamos as máquinas calculadoras mas eu acho que a Rita fez batota porque eu perdi desta vez. E afinal quanto gastámos nas compras de Natal este ano?

Bem, na verdade a culpa foi do gnomo natalícia que eu comprei para lhe oferecer. Estou muito mais amorosa que no ano passado. Também descobri que quero voltar a deixar crescer o cabelo.

Relações

Mulheres que também são mães. 6 dicas para não nos perdermos entre os papéis

mulheres

No outro dia escrevia se era possível as mulheres voltarem a ser quem eram, antes de serem mães. Hoje temos a sexóloga Marta Xavier Cutim a falar sobre o mesmo tema, sobre as dificuldades e exigências impostas e sobre como é fundamental respeitar os nossos ritmos e identidades. 
Mulheres que também são mães. Ser mãe é o trabalho mais exigente que existe.

O Meu Diário

Sonhe. Planeie. Alcance as estrelas.

Sonhe. Planeie. Alcance as estrelas.

Amanhã é o lançamento do meu novo projecto: um planner lindo, lindo, lindo. É assim uma espécie de ” a minha agenda” versão adulta. Com espaço para planear cada dia, cada semana, cada mês, muitas dicas, muito exercícios para alinhar as ideias, aliar sentimentos e estabelecer objectivos. Sonhe. Planeie. Alcance as estrelas.
Não é apenas um livro, não é apenas uma agenda, é muito mais do que isso. E, repito, é lindo.

Maternidade

Voltamos a ser quem éramos antes de termos filhos?

ser quem éramos antes de termos filhos

Li este post da Jessica Atayde (de quem gosto muito e acho que tem contribuído imenso para acabarmos com certos tabus) e reflecti sobre esta urgência de voltarmos a ser quem éramos antes de termos filhos.
Acredito que, num ponto de vista mais básico, queremos voltar ao corpo de tínhamos. Independente das modas ou “fitezas” desta vida queremos a sensação de pertença.

Maternidade

O que muda do primeiro para o terceiro filho (e dos 24 para os 40)

Filho. O que muda do primeiro para o terceiro filho (e dos 24 para os 40)

Tinha 24 anos quando fui mãe pela primeira vez. Provavelmente tive uma depressão pós parto que me pôs a ver bactérias pelo ar mas era uma miúda, tinha perdido o meu pai há menos de um ano, e sabia lá o que era isso.  Com 24 anos, um primeiro filho no colo, e uma empresa em falência, sofri com cada opinião que me deram.
Dormia mal por culpa minha, comia mal por culpa minha, tinha crises de asma por culpa minha.