Menstruação e copo menstrual. Vamos falar sem vergonha

2

Vamos falar sobre a menstruação. Até vos explico porquê. Como vos contei tirei o DIU. Poucos dias depois percebi que estava com um fluxo de sangue de menstruação como não tinha há muito. Sem pensos nem tampões lembrei-me do copo menstrual que tinha guardado (oferta e nunca usado). Facílimo de por (mais que um tampão). Resolvido.

Na manhã seguinte tirei e a minha primeira sensação foi “que nojo”. Fiquei zangada comigo. Nojo do quê? Nojo de ser mulher? Nojo do meu sangue? Sem tampão, nem penso, o sangue tem apenas cheiro de sangue. O mesmo que corro a amparar quando o meu filho sangra do nariz ou se magoa num joelho. É sangue.

E percebo que falamos muito pouco da menstruação. Tive a sorte de crescer com uma mulher que falava da menstruação de forma normal. Era uma etapa do crescimento feminino. Tive a sorte de, apesar de ter menstruado pela primeira vez com 11 anos, ter amigos e professores que sempre reagiram de forma normal. Como naquela aula de educação visual em que uma amiga me avisou que tinha as calças sujas de terra e eu expliquei com calma: é sangue.

Li algures uma análise muito interessante. Como fazem as meninas e mulheres com falta de dinheiro para comprarem forma de terem uma vida normal nestes dias especiais do mês? Especiais porque estamos mais frágeis, mais expostas. E vi um documentário. Tantos países em que a menstruação é um tabu. Tão duro para aquelas meninas e mulheres.

Falamos pouco deste sangue que é a comemoração da nossa capacidade reprodutiva. Fazemos quase tudo para fingir que não é nada. Para encontrar soluções para que nem exista.

Falamos pouco da menstruação. Era isso isso.

Partilhei este texto no Instagram e tive várias reacções. Cada corpo é um corpo e, por isso, nem todos nos ajustamos ao mesmo. Mas fico feliz em ter tido tantos comentários, porque isso significa que estamos a debater o tema. Aqui ficam algumas respostas. Obrigado a todas!

“Aqui, minha menarca foi comemorada, ganhei presente e tudo. Lembro até hoje, aos quase 40, a data em que aconteceu. Sempre gostei muito de menstruar e, para além do sangue, q em nada me incomoda, adoro o fato de perceber meu corpo e suas alterações ao longo do ciclo. É como se, por menstruar, eu realmente tivesse a certeza de q sou mulher e tudo está bem. A fluir.”

“Comprei um copo na esperança de resolver a logística de pensos e tampões. Na verdade talvez porque não comprei o mais adequado não resultou por aqui. Magoa-me imenso, para retirar é um filme!!! Tudo o resto não me incomoda (Questões de cheiro e sangue).”

“Finalmente trazer a público esta questão. Uso copo há cerca 5 anos, comecei por questões ambientais. Confesso que é um processo, e nuns ciclos corre bem, outros algumas fugas (complemento com absorventes tecido). já não sou capaz de usar pensos ou tampões . Welcome”

“E quando eu me esqueço que tenho o copo? É que não sinto desconforto algum. Top!”

“Não me adaptei ao copo, tinha sempre fugas e era me difícil de ter uma boa posição para o colocar. Comprei uns pensos reutilizáveis… Vou experimentar na próxima menstruação, vamos ver como corre.”

 

Fotografia de @casadeluzfotografia

2 Comentários
  1. Daniela Silva says

    Nunca utilizei, mas já ouvi falar tão bem que tenho mesmo de experimentar.

    danielasilvaoficial.blogspot.com

  2. Inês says

    Confesso que não tenho curiosidade ou vontade de experimentar o copo, mas gostava de experimentar aquelas cuecas específicas para a menstruação, que dispensam pensos. Pena o preço.

Comentar

O teu endereço de email não será publicado.