Maternidade

Medo de estarmos só as duas?

tenho medo

Ter sido o Pedro a tirar a licença de parentalidade foi um privilégio imenso com um único ponto negativo. A mulher tira os primeiros 42 dias, obrigatoriamente, durante os quais pode estar até 25 dias úteis acompanhada pelo pai. Depois o pai tirou os restantes 98 dias. Existe um “mas” e eu explico: tenho medo.

Ter o Pedro presente 24 horas libertou-me totalmente. Se tinha trabalho para fazer era fácil, se precisava de ir arrumar a roupa, a louça, ajudar o G. a estudar, o brincar com o A., era fácil. A Maria Luiza sempre foi chata para dormir durante o dia mas tendo mais dois braços sempre em casa a chatice é reduzida em 50%. Até agora tudo perfeito, então qual é o problema?

A ideia do Pedro voltar a trabalhar estava a deixar-me absolutamente angustiada. A palavra verdadeira deveria ser assustada, ou apenas “tenho medo”. Estar angustiada estava a deixar-me enervada. Então cuidei de dois sozinha e a trabalhar e nunca me deu para medos de não dar conta do recado. Agora é que tinha ficado maricas?

Pois bem, Maria Luiza é mulher e é esperta e sabia que o pai estava presente. Maria Luiza sabia que chorando podia aconchegar-se nas barbas do pai (e eu não a censuro).

Eu, ou estando sozinha ponho os meus instintos de mãe todos alerta. Antecipei-lhe as birras de sono e pu-la dormir (sem mama imagine-se, com um som de meditação tibetana, uma coisa com chuva, taças e passarinhos – que encontrei no Spotify depois da Constança me ter explicado como os “ruídos brancos” fazem mal aos bebés. Os sonos foram curtos mas permitiram-me ser produtiva e a miúda acordou calma e bem disposta. Já organizei a agenda dos próximos dias com a naturalidade com que sempre fiz, sabendo que existe um pequeno ser sempre alapado a mim.

Existirão dias maus em que desejarei mais dois braços, sei que sim. Terei infinitas saudades de ter sempre o Pedro por perto, sei que sim. Mas nada de angústia, nada de medo. Seremos só as duas durante muitas horas nos próximos anos e vai ser muito bom. E ainda mais delicioso quando formo três e quando formos muitos.

 

Tenho medo de estarmos só as duas?

Eu explico.

Comentários (16)

  • Quando comecei a ler o post a primeira coisa que me ocorreu foi, já passou este tempo todo? Meu Deus!? Pssa a correr. Parece que foi ontem.
    Confesso que gostava de conseguir por os meus medos na linha da mesma forma. Mas ainda ando a trabalhar nisso. 🙂

    Responder
  • Bom dia! Podia explicar melhor o que a Constança lhe falou sobre os “ruídos brancos” fazerem mal aos bebés. Fiquei curiosa… Obrigada

    Responder
  • Como eu a compreendo,estive na mesma situação e ainda estou e não é nada fácil. Preciso dessa música :).

    Beijinho e continuação

    Responder
  • […] post medo de estarmos só as duas? appeared first on dias de uma […]

    Responder
  • Pois, provavelmente não passaste por isto das outras vezes, mas aquele primeiro dia em que o pai vai trabalhar (no meu caso foram 2 semanas depois do parto) é sempre um dia tão triste… a licença deveria poder ser sempre partilhada! Lembro-me de ficar super sensível dois dias antes só de antecipar que o pai não ia lá estar todo o dia connosco. Depois, como tudo… passa! Boa sorte!

    Responder
  • É mesmo “assustador” quando o pai regressa ao trabalho, principalmente quando somos pais de pela primeira vez…e de repente o mundo encantado que existe dentro da nossa bolha “rebenta” e percebemos que temos de aliar as maravilhas da parentalidade ao mundo real, duro, trabalhoso e muitas vezes imprevisivel…. saudades de estar sempre os três juntos….

    Responder
  • Realmente aqueles 25 a três foram maravilhosos.. Quando o Pedro foi trabalhar, lembro me de ter medo de sair de casa sozinha com o Santiago. Tinha medo de colocar mal o Ovo no carro e de acontecer qualquer coisa. Claro que com o tempo todos estes medos vão passando e vamos deixando de ser tão maridodependentes……

    Responder
  • Oá Catarina, não percebi isso dos ruídos brancos. Outra contradição???
    Os miúdos costumam adorar aspiradores, termoventiladores e outros barulhos assim.

    Fiquei confusa.

    Beijinhos para vocês e parabéns pela família. Para mim, faltam 5/6 semanas

    Responder
    • os miúdos adoram sim, mas não devemos abusar porque diminuiu o alerta dos bebés. mas eu não sou especialista nestas coisas 🙂 vou aprendendo com quem sabe.

      Responder
  • Gostaria de ter passado por essa experiência; mas acabei por estar sempre sozinha, por situações muito complicadas. Ao entrar em casa pela primeira vez após o parto sozinha com ela, senti exactamente o mesmo…um medo, que jamais esquecerei.

    Mas tal como nas vossas experiências, também cedo passou 🙂

    Vai tudo correr maravilhosamente.

    Bjs

    Responder
  • […] Eu defendo que devia existir a possibilidade de um casal usufruir mais tempo de licença de parental… Falo da possibilidade em termos legais mas também da abertura das empresas para que esse tempo pudesse ser gozado sem qualquer constrangimento causado pela entidade patronal do pai ou da mãe. […]

    Responder
  • No meu caso, quando estávamos os dois em casa de licença, logo nos primeiros dias, o meu filho mais velho apanhou varicela. Como o vírus é perigoso para recém-nascidos , o pai e o mais velho foram para casa dos avós. Eu fiquei sozinha com o meu bebé durante 10 dias, ainda a recuperar da cesariana e com todos aqueles tormentos do primeiro mês. O que mais me custou foi estar longe do meu filho mais velho numa fase tão delicada para ele…

    Responder
  • […] jantar. com a Maria Luiza comprei logo um pano elástico [o mais apropriado para recém nascidos]. como o Pedro esteve em casa durante quatro meses a necessidade de libertar as mãos não foi tão urgente como há cinco anos. para além disso a […]

    Responder
  • 🙂 será que podia partilhar o nome dessa música que mencionou, para pesquisa no spotify?

    Responder

Escrever um comentário