Maternidade

Porque é que arrumo o que os meus filhos desarrumam?

arrumo o que os meus filhos desarrumam

Venho por este meio partilhar convosco uma teoria que desenvolvi para explicar porque arrumo o que os meus filhos desarrumam (em qualquer idade, entenda-se). Poderão chegar ao final deste texto e concluir que tudo isto não passa de uma desculpa para andar a criar meninos (e menina) da mamã. Ainda que possam ter uma parte de razão e juro que acredito verdadeiramente naquilo que passo a partilhar.  Arrumo o que os meus filhos desarrumam e explico porquê.
Eu sou a maluca das arrumações. Também era das limpezas mas isso está muito melhor e é conversa para outro post. Continuo a limpar o chão todos os dias mas já não vejo germes (obrigada Cristiana).
Eu sou a maluca das arrumações mas nem sempre fui. Na verdade fui uma adolescente com direito a tudo incluindo uma cama com toda a roupa espalhada porque não sabia o que vestir pela manhã. O meu pai até costumava escrever os preços em folhas de papel que espalhava em cima do mundo para me sugerir que parecia uma feira. Uma parte eu arrumava, outra ajudavam-me a arrumar.
Cresci com uma certeza: é muito bom viver numa casa organizada.
Ora a partir desta afirmação eu acredito que não estou a arrumar pelos meus filhos mas estou a ensiná-los que viver numa ambiente limpo e ordenado.
É por isso que eu arrumo o que os meus filhos desarrumam. Ainda que tente que estes momentos sejam feitos em colaboração e dê indicações para que aprendam a fazer de forma autónoma. Mas custa-me zero apanhar a toalha que ficou caída. Da mesma forma que espero que apanhem a minha se me esquecer dela depois do banho.
Antes de escrever este post tentei explicar esta teoria ao Pedro que me respondeu: “Mas se estiverem habituados que que façam por eles nunca fazem.”
Permitam-me discordar: o meu pai sempre me descascou as maçãs enquanto pode. Também me ensinou a descascar sozinha por isso posso fazê-lo.

Digam-me que entendem o meu ponto de vista e não estou sozinha.

Comentários (21)

  • Olá Catarina,

    Só para lhe dizer que faço igual. Tenho 4 filhos rapazes, entre os 2 e os 11 anos, e sou tb maníaca das arrumações. Acredito que, se estiverem habituados a viver numa casa arrumada, ganham, não só a noção de organização espacial, como tb organização mental. Habitam-se à ordem e passam a não tolerar a desorganização. Lá está, mais um exemplo de que o mais importante é aprender com o que fazemos, mais do que com o que dizemos. Obrigada pelo seu texto: penso que é a primeira vez que encontro alguém, neste aspecto, como eu!

    E parabéns pelo seu blog.

    Responder
    • Entendo perfeitamente. Eu sou assim 🙂

      Responder
  • Igual. Completamente acordo ❤️❤️❤️

    Responder
  • Concordo quando era criança cresci com uma ama que fazia tudo limpar cozinhar etc.Ate me vesti a farda enquanto dormia colocava brilho nos sapatos e creme nas pernas 😂.Hoje em dia não consigo ver as coisas desarrumadas e arrumo o que a minha filha deixa espalhado pela a casa sim tento que seja feito em conjunto,isto tudo para dizer que foi tratada como uma menina mimada mas hoje em dia faço de tudo e sem ama!

    Responder
  • Essa das maçãs… os meus pais sempre me descascaram as maçãs e ensinaram me a fazê-lo! Ainda hoje, eu com 30 anos, me oferecem a maçã que estão a descascar… ❣️ Espero um dia poder fazer isso aos meus filhos.
    Concordo com o que diz, sempre fui menina dos papás e privilegiada, mas também me ensinaram a me desenrascar e não passo mal em lado nenhum por isso…
    bom artigo!

    Responder
  • Catarina, não estás sozinha. O teu ponto de vista está certo com o meu. Mas, claro, nem todos podem concordar, o caso do teu Pedro. Continua a ser a mulher linda e carinhosa que és!

    Beijinhos

    Isabel

    Responder
  • Olá!
    Concordo plenamente!
    Também eu fui a adolescente clichê, a ter um quarto-feira e a dizer “eu entendo me no meio da minha desorganização”.
    Hoje arrumo pelos meus filhos, tal como refere, mas também porque acredito que se deve educar pelo exemplo.
    Portanto, quando eu arrumo e lhes digo como arrumar, estou a dar o exemplo e acredito mesmo que a estrutura que um ambiente lhes dá será muito mais positiva do que qualquer discussão sobre “terem eles de arrumar”.

    Responder
  • Catarina, querida, num ponto concordo contigo. É muito bom crescer em uma casa limpa e organizada por milhares de razões, e nós, como educadores, temos que dar o exemplo. Entretanto, posso te dizer com toda a certeza que isso também é do feitio de cada um e que nem sempre essa pessoa criada como tu foste vai se tornar a pessoa que tu és. Eu, por exemplo, sempre tive tudo feito e quando me casei (foi quando saí de casa) me vi muito enrascada. A ponto de ficar em baixa, me achando super incapaz e quase me separei a conta disso. Aliás, já melhorei muito (a duras penas) mas depois que minha filha nasceu entrei em um novo nível de dificuldade e ainda hoje há dificuldades de organização nesta casa. Meu marido também faz a parte dele, mas ainda assim é um problema comum para nós. Quem dera eu tivesse sido antes obrigada a dividir as obrigações da casa mesmo que fosse dentro das proporções que a minha idade permitia.

    Responder
  • Não estás nada sozinha! Penso exatamente assim 🙂

    Responder
  • Concordo e faço igual e ele com 3,5 anos já começa a querer verificar se está tudo no sítio antes de ir dormir porque sabe que não me deito sem deixar tudo arrumado. Está habituado a viver na limpeza e organização, já estranha quando vai a algum lado com o chão sujo e cheio de cabelos pelo chão, faz-lhe confusão. Só quero que cresça a saber que é melhor viver com tudo limpo e organizado para que um dia na sua casa faça igual. Não tenciono lá ir fazer por ele. 😂

    Responder
  • Entendo e não está só. Cá em casa foi uma guerra durante muito tempo pois nunca consegui impor certas regras. Comecei a pensar como era eu quando adolescente. Nunca gostei que me dessem ordens. A minha mãe queria ensinar-me mas ao ritmo dela e quando lhe dava jeito. Quando casei o ritmo mudou e o que prevaleceu foi o hábito de ver as coisas organizadas. Também tive de aprender a cozinhar e fi-lo com o meu marido. Hoje também faço assim. Já não ando sempre a mandar arrumar. Arrumo quando tenho tempo, outras vezes chamo a atenção que não dá para viver na confusão. Só exijo que sejam eles a arrumar quando não estou em casa.

    Responder
  • Penso que é um mix de incentivar a arrumar e fazê-lo eu própria. Por um lado, não quero andar sempre atrás da minha filha, a pedir que arrume. Chateia-me esse papel. Se vejo desarrumado eu arrumo. Mas, por outro lado, também chateia-me se for eu a arrumar tudo por ela. Por isso, vou incentivando, mas sempre sem stresses.

    Responder
  • Ora segue o comentário de um homem que já teve casa, e continua a ter; que já teve mulher, que Deus roubou; que já teve filhas, que aos maridos passou e consequentemente está bem por dentro do assunto.
    Limpeza e higiene é uma associação que se recomenda, organização é outra coisa.
    Para mim, e devidamente ensinado pela minha indelével mulher, uma casa com filhos serve essencialmente para que todos possam viver felizes.
    Alguma organização sim, mas não uma obsessão.
    Explicitando melhor. A casa é que nos serve e não nós sermos os escravos dela.

    Responder
  • Olá Catarina
    Percebo o que diz, porque também o faço, tambem fizeram por mim e sim o meu pai descascava-me a fruta e tirava-me as espinhas do peixe até eu mudar de casa. E certamente, se for “necessário”, o fará hoje.
    Contudo, acho que devemos ensinar a arrumar, a limpar, a descascar, por aí fora……para além do fazer é importante saber fazer. Não estaremos sempre neste mundo.
    Bem haja!

    Responder
  • Catarina,

    Concordo em absoluto, Acho que é demonstrando que é melhor viver num espaço arrumado e organizado que eles passarão a querer ter o espaço, lá está, arrumado e organizado. Como é obvio, e tendo 2 filhos de 16 e 14 anos, que partilham o mesmo quarto, é um processo trabalhoso (todos os dias tenho que arrumar!), tento sempre que eles participem na arrumação (o que nem sempre acontece, confesso…).
    Mas quando estão não ajudam a arrumar, “obrigo-os” a contemplar o espaço arrumadinho e eles acabam por concordar que assim está muito melhor…. Mas no dia seguinte está igual e o ciclo retoma o seu percurso normal……

    Responder
  • as maças nem por isso.. mas as laranjas e tangerinas… ohh as laranjas e tangerinas ainda hoje com 35 anos os meus pais me descascam em casa deles e na minha, descasca o meu marido 😀 claro que o sei fazer.. e claro que as crianças aprendem também pelo exemplo…:D

    Responder
  • Concordo e pratico isso no meu dia a dia com os meus filhos todos rapazes. É a ver fazer que se aprende. Educar pelo exemplo. Os mais velhos já o fazem ao mais novo porque, dizem, não gostar de uma casa suja, desarrumada e desorganizada.
    Obrigada

    Responder
  • Sozinha com 3, não consigo fazer tudo. Também eu preciso de organização e limpeza e todos têm de contribuir para a casa. Põem a mesa, levantam a mesa, arrumam as próprias coisas e as dos irmãos. Claro que se queixam que são sempre eles, que não foram eles que desarrumaram. Mas percebem quando lhes explico que sou sempre eu que faço as refeições, que também arrumo o que eles desarrumam. Faço-os ver que somos uma equipa, que devemos ajudar-nos mutuamente e fazer a nossa parte. Para que me sobre tempo para brincar com eles, para lhes ler um livro. Luto para que percebam que a mãe não é criada dos filhos. De contrário nunca um copo que foi para a sala regressa à cozinha pela não de quem o levou, as toalhas do banho ficam sempre no chão, o pijama fica onde se tirou. E há sempre tanto para organizar e limpar, mesmo quando eles fazem a parte deles.

    Responder
  • Olá Catarina,
    E como fazer quando vivemos numa casa, com marido, filho (10 anos) e enteada (16 anos) e até fazemos as coisas por eles e arrumamos o que eles desarrumam, mas depois a enteada (16 anos) teima em não arrumar nem limpar nada que não seja dela, a menos que seja pedido directamente?
    Beijinhos

    Responder
    • Então é fácil. Peça-lhe directamente.
      Há que julgar o crime na proporção da idade do delinquente. Neste caso, “da delinquente” 🙂

      Responder
  • A minha avó também ainda me descasca as maçãs xD

    Responder

Escrever um comentário