Maternidade

10 dicas para ajudar filhos ansiosos. Aproveitemos as férias

Filhos ansiosos

Ansiedade. O bicho que aparece quando quer, da maneira que quer e que não é bom a camuflar-se. Quando temos filhos ansiosos, conseguimos percebe-lo sem avaliação médica. É um problema que mói e até os pais mais bem intencionados podem encontrar sérios problemas na resolução ou apaziguamento do problema. Aproveitemos as férias para pensar um pouco mais nisto. E mesmo em tempo de trabalho, tentemos viver mais devagar. Na imagem fica uma filha calma só para inspirar no tema.

Tentar ajudar os filhos ansiosos facilmente traz o medo, que traz a insegurança, que traz o desespero e angústia. Uma estrada para ser feita de mãos dadas, com dedicação e uma porção de mimos considerável. Estamos cá para ajudar e não para por mais ansiedade.

O bicho “ansiedade” é teimoso, fala uma língua esquisita e não se percebe bem de onde vem. Porém, já se descobriram umas técnicas para mandá-lo embora. Ficam algumas sugestões para lidar com filhos ansiosos.

 

1 – O objetivo não pode ser eliminar a ansiedade, mas sim dominá-la

Prestar atenção aos detalhes. O que lhe causa ansiedade? Que momentos? Que acontecimentos? Quando detetados, fazer com que se evitem e apresentar-lhes alternativas. Tolerar e saber lidar com a ansiedade vai fazê-la desaparcer.

 

2 – Não evitar fazer coisas que eles têm medo

Ajudar as crianças a evitar o que lhes mete medo, conforta-as temporariamente mas aumenta a ansiedade a longo prazo. Se uma criança numa situação desconfortável começa a chorar, se os pais a tiram daquele cenário ou eliminam o causador do medo, ela não vai saber lidar com ele numa próxima vez.

 

3 – Expressar expectativas positivas e realistas

Não podemos prometer a uma criança que aquilo de que ela tem medo não é real – que ela não vai chumbar no teste, que ela se vai divertir na festa ou que os amigos não se vão rir dela durante o espetaculo, por exemplo. A ideia é transmitir-lhe confiança de que tudo vai correr bem, que ela vai ter a capacidade de lidar com tudo, de enfrentar os medos. A confiança derruba a ansiedade em três tempos.

 

4 – Respeitar os sentimentos mas não lhes dar demasiada importância

É importante perceber que validar não implica concordar. Se uma criança tem medo de ir ao médico, não podemos menosprezar esse sentimento mas é igualmente errado compactuar com ele. Terá que se perceber do que é que ela sente ansiedade e encoraja-la a enfrentar esse medo. A mensagem deve ser: “Sei que estás com medo mas está tudo bem e vai tudo correr bem. Eu estou aqui e vamos juntos passar por isto”.

 

5 – Evitar as perguntas diretas

É importante fazê-los falar do que sentem. Porém, ir demasiado ao pormenor pode não ajudar. Evitar perguntas como: “Estás ansioso com o exame?”. Recorrer a perguntas abertas: “Como te sentes?”

 

6 – Não reforçar os supostos medos

Dizer: “Talvez devesses ter medo disto”, não vai, de todo, ajudar. Imaginando que a criança apanhou um susto com um animal. Da próxima vez que ela tiver que estar perto desse mesmo animal, só vai piorar se os pais ficarem ansiosos e lhe passarem a mensagem inconsciente de que ela devia sair dali. Enfrentar em conjunto. Sempre.

 

7 – Transmitir orgulho

Fazer com que os filhos ansiosos percebam que, enquanto pais e amigos, apreciamos o trabalho que ela tem feito para combater a ansiedade. Elogiar, mimar, passar uma mensagem positiva e optimista.

 

8 – Tentar minimizar o momento antes da ansiedade atacar

Quando temos medo de algo, o pior são os momentos antes de termos de lidar com isso. Se ela tem medo de ir ao médico, não se fala nisso quatro horas antes da consulta. Fala-se na altura. Poupar o sofrimento!

 

9 – Pensar com a visão delas

Ajuda falar. Ajuda pensar: “Se ela tem medo disto, como será que vai reagir quando isto acontecer?” E falar sobre isso mesmo. Se uma criança sente ansiedade ao estar longe dos pais, como será que vai reagir se os pais não a puderem ir buscar à escola na hora certa? É importante falar disto com ela, antecipar, expor-lhe o panorama possível e arranjar uma solução para esses momentos. Se a criança já tiver um plano delineado para as eventualidades, sentirá menos ansiedade.

 

10 – Adaptar os métodos a cada criança

Há múltiplas maneiras de ajudarmos as crianças a lidar com a ansiedade, dando-lhes a nossa visão das coisas. Como iríamos nós lidar com isto? É essencial que eles nunca sintam que estamos também em ansiedade com tudo. Eles têm que ver em nós pessoas que conseguem lidar com a situação. Isso vai acalmá-los.

 

Já nos seguem no instagram?

Comentários (1)

  • […] E calma: ver o lado bom, ser forte e não entrar em pânico. Passar-lhes a mensagem positiva e nunca transmitir-lhes medo e ansiedade (já leram este post?). Alertar, claro – passadeiras, não falar com ninguém, não aceitar nada de estranhos, […]

    Responder

Escrever um comentário