O Meu Diário

viver a vida mais devagar…

vida mais devagar

eu ainda não sei como se faz isso de viver a vida mais devagar mas estou a tentar todos os dias. às vezes queixo-me de “falta de tempo” para me sentar ao computador e acabar um texto mas não é bem assim. eu tenho tempo mas tento geri-lo da forma que acredito ser a melhor e, respeitando estas prioridades, às vezes faltam-me horas para me sentar a escrever.

um dos meus grandes objectivos de vida é abrandar – não gosto de estrangeirismos mas gosto da palavra “slow”. tenho uma espécie de compromisso comigo de organizar os meus dias para não andar sempre a correr [tendo o enorme privilégio de trabalhar em casa posso ser a fazer essa planificação]. há muitas coisas que não aceito porque sei que significam não ter tempo de qualidade em família. os finais de dia são dos meus filhos: servem para estudar, conversar, brincar, dar jantares e banhos. às 21h depois dos mais novos adormecerem tenho visto uma série com o Gonçalo e não prescindo desse momento. e se depois disso perceber que preciso de adormecer prometi que não me levanto para ir fazer outras coisas e deixo o corpo descansar. no meio dos horários caóticos do Pedro tentamos que o tempo em que está seja de qualidade, a dois, a três ou com todos. gostamos de brincar aos turistas e almoçar no meio da cidade. ou ir à praia, nem que sejam duas horas, em que temos onde deixar a miúda.

no outro dia diziam que contava tudo sobre mim. era bom que fosse, se querem a verdade eu tenho saudades de escrever sem medir aquilo que digo. escrever com o coração nos dedos. eu não conto tudopor várias razões: porque a minha intimidade envolve outras pessoas, porque nem sempre me apetece escrever, porque quando há problemas guardo-os numa espécie de crença tonta que dá sorte e vão resolver-se rápido.

esta manhã, enquanto esperava, entretida no instagram, pensava que nesta estranha forma de vida em que me exponho [mesmo que parecerem-se que mostramos tudo passa significar que não mostramos nada] tem um lado muito doce, cheio de energia boa de pessoas que não conheço. esta manhã, num momento menos bom, num susto que não passará disso [e sim, falo de saúde] enquanto estava no hospital à espera tive a certeza que a ordem das prioridades está certa e que continuarei a praticar isto de viver a vida mais devagar.

 

 

Comentários (5)

Escrever um comentário