Maternidade

em teoria devo estar a fazer tudo errado, na prática não me importo nada [ou dias de uma princesa]

teoria

estava a ler a Mariana e comovi-me. também agradeço “aos meus filhos por me fazerem desacreditar das teorias. Sei que sou muito mais feliz assim, mais justa comigo e também com eles“.

tenho a Maria Luiza a dormir nas pernas e tento escrever toda torta com o computador ao lado.  existe um som insuportável de chuva nas Caraíbas intercalado com motores de avião e aspiradores, encontrei no Spotify e resulta sempre. às vezes ponho um vídeo do youtube com uma coisa que garantem ser o som do útero materno mas a mim só parece um secador. o meu filho Afonso está aqui mesmo ao lado a ver um vídeo da Patrulha que é pata mas aqui é canina porque ele vê versões brasileiras de tudo e até fala com um ligeiro sotaque. já demos mimos, já rimos, já conversámos porque a manhã começou demasiado cedo.

tenho sono, esta noite a Maria Luiza mamou vezes infinitas – são infinitas quando não as consigo contar. sei que foram muitas mas já não acordo, consegui habituar a Maria Luiza a mamar deitada. dói-me o ombro esquerdo por causa da posição mas gostamos [os três] do cheiro desta cama cheia.

a hora de deitar tem rotina. depois do banho ficamos fechadas no quarto, num ritual demorado e calmo. os rapazes já sabem que podem entrar, sem fazer barulho. eu aproveito o escuro e a paragem forçada para uma espécie de meditação. às vezes jogo joguinhos no telemóvel com a luminosidade reduzida ao máximo para também reduzirem os problemas de consciência por poder perturbar o sono da menina. deito-a na cama dela, e depois deito o Afonso, e depois digo ao Gonçalo que são horas e depois sento-me no sofá. e às vezes é neste instante que a Maria Luiza acorda e eu digo mal da vida trinta vezes, às vezes até umas asneiras, regresso ao quarto de onde, muitas vezes, já não saio. às 6h estou a dar mama, às 7h estou levantada.

Maria Luiza não usa chucha e mama quando quer e eu estou presente. quando preciso de sair tenho um limite mental de 3 horas durante as quais sei que – na verdade – não precisa de mim. Maria Luiza gosta de colo e às vezes nas quer colo.

eu vou fazendo o melhor que posso. na consciência que é ainda tão pequenina. no respeito pelo tempo e espaço de todos os meus filhos. em harmonia com o pai dela. e na tentativa que a única teoria seja a vontade que estejamos todos serenos. uns dias resulta na perfeição, noutros cansa tanto.

e escrevo-vos quase agoniada com o som de um aspirador, sem posição e felizmente fiz xixi antes da Maria Luiza adormecer nas minhas pernas. escrevo-vos cheia de sono e a sensação de que me estou a esquecer de quase tudo o que tenho para fazer. em teoria devo estar a fazer tudo errado, na prática não me importo nada.

 

[bom dia]

Comentários (14)

  • És super Catarina!

    Beijinho grande.

    Responder
  • Catarina eu penso que numa 3a viagem nesta experiência de ser mãe, há muitas coisas que se ganham e outras de perdem. Falo por mim, que agora quero dar muito colinho ao meu bebé. Mas lembro-me bem, que ao meu primeiro filho queria fazer tudo Certo!!??[ Hora de mamar, hora de acordar, tempo de colo, etc, etc..]..
    Com o segundo filho, já abri mao de algumas teorias.
    E agora como terceiro, só quero ve-lo feliz, e com muitos vícios bons ?
    Obrigada; uma vez mais uma partilha, que é comum a tantas de nós maes, e que nos ajuda a sentir humanas e “normais”

    Responder
  • E eu acho que estás a fazer tudo certo.

    http://ourpicturingdays.blogspot.com

    Responder
  • Tão bom! Aqui em casa sempre foi assim… E como é bom tê-los a dormir no nosso colinho! Beijinho

    Responder
  • […] post em teoria devo estar a fazer tudo errado, na prática não me importo nada [ou dias de uma princesa] appeared first on dias de uma […]

    Responder
  • Sempre tão bom de ler. Já disse e repito..quando for grande quero ser assim 🙂
    Parabens!

    Responder
  • Por aqui às vezes também fica a sensação de estar a fazer tudo errado… a Mafalda também não usa chucha [por mais que os avós achem que se deve insistir para ela se habituar] e isso exige um pouco mais de mim durante a noite [e dos avós, durante o dia]. durante a noite, acorda de 1h30 em 1h30 só para mamar sem fome. durante o dia, exige colo, histórias e músicas da carochinha que o avô põe a tocar numa mini-mini-aparelhagem que ainda anda lá por casa.
    a Mafalda também não quer biberão, o que me levou a tentar encontrar uma forma de a alimentar para eu poder ir trabalhar.
    fico com a sensação que estou a falhar em alguma coisa pois ela nem sempre é um bebé sossegado e bem disposto… mas depois lembro que ela tem o acordar mais doce deste mundo, super sorridente e bem disposta e relativo tudo o resto… afinal, ela ainda é tão pequenina 🙂
    obrigada pela partilha!
    Parabéns!

    Responder
  • Olá

    Por aqui fiz igualzinho….. ele mamou até aos 4 anos e meio…. nao acho que tenha feito o errado…. foi tao certo!

    Parabens

    Responder
  • Olá Catarina. Acho que não há formas certas ou erradas. Ninguém melhor que nós, para saber o que é bom ou mau para os nossos filhos. Existem muitos manuais, mas todas as crianças são diferentes. Nem tudo o que vem nos livros pode resultar com o nosso filho. Eu estou a ver me à rasca para fazer com que a minha durma de noite… Estou esgotada já. A semana passada, do nada começou a não dormir de Noite… Chora, quer colo, quer atenção… E faço o quê? Deixo chorar como dizem muitos livros? Não… Não deixo. Pego ao colo exausta e quase a dormir, levanto-me e ando pela casa a embala-la e tentar que adormeça. E muitas vezes nada… Ou adormece e acorda quando a vou a por na cama. Às vezes 1 hora depois, que é quando parece estar em sono profundo. Mas profunda é só a minha exaustão… 🙂 adiante, eu tb dava mama deitada a meio da noite, mas adormecia e a minha mãe contou-me uma história de alguém que adormeceu a dar mama e o bebé sufocou com o peito… Não consegui mais… Além de várias pessoas me dizerem que era perigoso. Agora Sento-me bem sentada, distraio-me com pesquisas no tlm sobre “o meu bebé não dorme de noite , estou a dar em. Doida”… Kkkkkkk às vezes custa.. É o tempo de mamar mais meia hora para arrotar… É assim a nossa vida.

    Responder
  • 🙂
    Por aqui faltam umas teóricas 16 semanas para chegar ao 3º… Por enquanto está no forninho, mas faz-se sentir muito bem e ao longo de quase todo o dia…
    Teorias? tenho as minhas… que vão variando, conforme dá, conforme é preciso…
    A primeira não usou chucha… O segundo usou… O terceiro, logo se verá…
    Um dia de cada vez com o que resultar para todos… dentro do possivel…
    Ai tempo… despacha-te a passar… mas vai devagarinho para que se possa aproveitar…

    Responder
  • A minha teoria sobre este assunto, a dois meses (mais coisa menos coisa) de nascer o 3º filho:

    http://quaseadultos.blogspot.pt/2016/12/antes-e-depois-iii.html

    Responder
  • Catarina uma mãe NUNCA faz nada mal!!
    Se o nosso instinto no diz para fazermos, é porque está certo:
    Afinal eles só são pequeninos uma vez!

    Hortelã Pimenta | Facebook | Instagram

    Responder
  • Por aqui, no 3º, estou à mercê do meu bebé. Não há pai para ajudar nas rotinas de final de dia, por isso, tenta-se que seja o menos caótico possível e com o mínimo de choro para que TODOS possam descansar. Dorme comigo, mama quando quer, dou colo sempre que posso. Também não gosta de chucha e também gosta de dormir com ruídos (white noise). Felizmente não estou a trabalhar e as manhãs são só nossas. Se há uma noite pior, dormimos de manhã. Também dou a mama a espreitar o telemóvel. Nenhuma das minhas maternidades foi tão calma e isso repercute-se no resto da família. Todos temos desfrutado muito deste bebé.

    Responder
  • Olá Catarina

    Sempre tão bom de ler cada post,ver as deliciosas fotos, rir com os videos “faz a voz dela”…repito -me sim! mas não posso deixar de comentar . É tao bom ! Obrigada e um Feliz Natal para a sua linda familia.

    Responder

Escrever um comentário