Maternidade

Amamentação. 8 dicas práticas para dar de mamar

dicas para amamentar

Comemora-se hoje o dia da amamentação. É um tema a que volto muitas vezes por acreditar que descomplicar pode ajudar algumas mães nesta missão. É verdade: a amamentação é um estranho equilíbrio entre o amor e a dor. Lembro-me de, quando tive o Gonçalo, ele ter sido posto ao meu colo, com um gorro branco e ainda com sangue. Alapou-se à minha mama e tive consciência daquilo que sou: um mamífero. Também me lembro das dores da subida do leite ou dos mamilos gretados. É mesmo. A amamentação é um estranho equilíbrio entre o amor e a dor. O início pode ser muito duro, mais para umas pessoas do que para outras. Aliás, pode nunca ser fácil. Aqui ficam algumas dicas para amamentar. Para que corra tudo o melhor possível.

 

1. O local, pelo menos nas primeiras vezes, deve ser calmo e não deve haver interrupções para que possamos estar relaxadas, a criar laços com o bebé e a afastar o stress que influencia este momento.

 

2. Esqueça o relógio. Dê de mamar as vezes que o seu bebé pedir. Sem pressa. Sem contar minutos. Sem tentar perceber se são muitas ou poucas. O objectivo é um bebé tranquilo e uma mãe calma.

 

3. Saber pegar no bebé é fundamental e uma das dicas para amamentar mais importantes. O corpo deve estar voltado para o da mãe e a barriga de um deve tocar na barriga do outro. A cabeça deve estar mais elevada do que o nível do rabo e das pernas, junto à mama. O ato de amamentar, em si, não deve doer. Se estiver a doer, é porque o bebé está mal posicionado.

 

4. Não é normal ouvir barulho – tipo semelhante ao de um beijo ou um estalo na língua – quando amamentamos, excepto o de sucção. Se acontecer, retire a mama e volte a colocar. Se continuar, mude a posição.

 

5. Ter sempre água por perto e comer bem. É natural que o corpo fique com mais sede, uma vez que tem de repor o líquido que perdeu durante a amamentação. É importante reforçar a hidratação nesta fase e beber, pelo menos, dois litros por dia. Quando estiver a comer (quando conseguir) pense que está a fazer um leite nutritivo e bom para o seu bebé. Nos intervalos, o descanso também é importante. Manter hábitos saudáveis neste período em que tudo é novo e semi-caótico é mesmo importante, porque é meio caminho para que tudo corra bem.

 

6. Há objectos que ajudam no processo. A almofada de amamentação. Principalmente no início, sugiro as conchas de amamentação.  Um bom sutien, sem costuras que possam magoar. A Organização Mundial de Saúde desencoraja a utilização de bicos artificiais, que muitas vezes as mulheres acham que podem ajudar neste processo. O mamilo pode ficar lesionado e a produção de leite pode diminuir.

 

7. Descansem e tenham calma. Mantenham o equilíbrio físico e mental e não sejam demasiado severas convosco. Não tenham vergonha de falar e de pedir ajuda (já lá volto), seja porque não conseguem ou precisam de apoio para a gestão da vida nova.

 

8. Se há mulheres para quem tudo é simples, seja o processo, seja dar mama em público, seja a calma perante o bebé que chora e temos medo que seja fome. Há casas em que tudo isto é muito difícil, cansativo e angustiante. Peça ajuda a quem sabe (fica o link). O leite materno é o melhor alimento do mundo mas dar de mamar não define uma mãe.

 

Ainda sobre a naturalidade da mama: leiam este post. E fiquem come estas imagens.

 

 

Depois das dicas para amamentar, falamos de outro tema importante e relembramos o vídeo do sexo no pós-parto.

Comentários (1)

  • […] Comemora-se hoje o dia da amamentação. É um tema a que volto muitas vezes por acreditar que descomplicar pode ajudar algumas mães nesta missão. É verdade: a amamentação é um estranho equilíbrio entre o amor e a dor. Lembro-me de, quando tive o Gonçalo, ele ter sido posto ao meu colo, com um gorro branco e ainda com sangue. Alapou-se à minha mama e ai tive consciência daquilo que sou: um mamífero. Também me lembro das dores da subida do leite ou dos mamilos gretados. É mesmo. A amamentação é um estranho equilíbrio entre o amor e a dor. … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder

Escrever um comentário