Relações

Quem me dera que a vida se resolvesse mesmo sozinha…

Quem me dera que a vida se resolvesse mesmo sozinha

Recebo muitas (mas assim mesmo muitas) mensagens de pessoas que dizem “quem me dera que a vida se resolvesse mesmo sozinha”. Assim tipo: quem me dera fechar os olhos e só acordar quando tu estivesse resolvido. Eu respondo (eu tento responder sempre a quem me manda mensagens e e-mails, mesmo que em certas alturas demore um pouco mais). E enquanto uma única pessoa achar que a frase”A vida resolve-se sozinha” significa que existe alguma probabilidade que as coisas acontecem sem que façamos nada (e pior ainda, que eu acredito nisso) terei que explicar.

Sabem aqueles momentos em que não sabemos o que fazer? Quando temos uma decisão importante para tomar e parece que quanto mais pensamos menos respostas temos? Sabem quando tentamos fazer tudo e parece que fazemos tudo ao lado?

É aí que devemos parar. É nessas alturas que, se deixarmos o pó assentar à nossa volta, conseguimos ver com mais clareza. E é nesses momentos, em que estamos parados, serenos, atentos, que reparamos que a vida nos dá a resposta. Às vezes são pequenos sinais. É preciso estar mesmo com atenção.

Nesses momentos de turbulência é preciso parar, respirar e ganhar força. Porque a parte mais difícil está ainda para vir.

Sim, a vida resolve-se sozinha. Mas depois das respostas somos nós que as temos que por em prática.

Eu acredito que com alguma certeza sobre as nossas decisões é mais fácil avançar para parte mais trabalhosa: a concretização. Também acredito que se dermos esse espaço, essa calma, algumas coisas acontecem mesmo antes de começarmos a fazer por elas.

“Quem me dera que a vida se resolvesse mesmo sozinha…” Resolve sim. Mas nesta frase há tudo menos milagres e outros esoterismos (que respeito mas nos quais não acredito).

 

 

 

Adoro esta foto (e nada de quem me dera que a vida se resolvesse mesmo sozinha). Tirada para a revista Estante da FNAC.

 

 

Comentários (3)

  • […] Sabem aqueles momentos em que não sabemos … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • É verdade!
    Acuso tal mensagem :)É o meu sentimento atual! Infelizmente! querer, MESMO, que a vida se resolva sozinha!
    Também não sou de esoterismos, embora ache que quem acredita tem muita sorte.
    deve acalmar bastante o nervo em determinadas situações
    A Catarina referiu algo muito importante quando se refere à calma e serenidade para tomar decisões…e lá está a vida a resolver se sozinha!
    Acredito que não pratique “a vida resolve se sozinha” sentada na poltrona mais próxima da janela a ver a vida bater lhe à porta. E, imagino, pelo que sigo na sua estória, que trabalhou bastante para fazer parte daquilo que foi a sua vida a resolver se sozinha!
    tenho passado os últimos seis meses a pedir desculpas variadas por ter tomado uma má decisão, e sei, agora, que o fiz por não ter serenado o suficiente. Por não ter acalmado quando devia! Porque queria reagir a frustrações que não estava a saber ultrapassar
    Ainda agora tenho a urgência para reverter a decisão inicial, e isso já fez com que voltasse a tomar, novamente, uma má decisão.

    Mas estar na vida sem projetos é tramado. Especialmente se nos enterramos no mea culpa, mesmo sendo verdade.
    Obrigada por estar desse lado

    Responder
  • Eu sei que a vida se vai resolvendo sozinha. Aos poucos. Sou a prova disso. Com esforço, com calma, com algum sacrifício, com alguma resiliência, mas resolve-se. Claro que não adianta ficarmos sentados à espera que as coisas caiam do céu. Mas um dia de cada vez, se não for possível viver de outra maneira. E aos poucos, os filhos crescem, as feridas curam, as dores passam, nascem novos amores, novos projectos, novos objectivos, e a esperança renova-se. E a vida é isto mesmo, não é?

    Responder

Escrever um comentário