Maternidade

O que faz os vossos miúdos sorrirem?

miúdos sorrirem

O que faz os meus miúdos sorrirem? Maria Luiza sorri muito com o Afonso a dançar, com o banho com o pai, com aquele instante em que percebe que vai mamar para adormecer, com o pato do Pocoyo e a andar solta na rua. Afonso sorri muito com os disparates do Pedro, com os abraços do Gonçalo, com os vídeos preferidos, com qualquer unboxing, seja o que for, com preferência para tecnologias mesmo que seja apenas um cabo. Faltou aqui: ver o pai chegar. Aquilo que faz o Gonçalo sorrir muito: o nosso humor cáustico, os amigos, o futebol. Os irmãos.

Hoje é Dia da Criança. Não sou a favor de prendas mas sou a favor de sorrisos, todos os dias. Não há nada como ver os nossos miúdos sorrirem. O riso de uma criança é sincero e é puro. Ouvir e ver os nossos filhos de sorriso rasgado dá sentido à vida e é o que nos faz agradecer estarmos vivos, até quando à nossa volta só há caos.

Os pais fazem sorrir, o banho faz sorrir, os irmãos fazem sorrir, os bonecos fazem sorrir – e até a Ana Malhoa faz sorrir. Lancei a pergunta no Instagram: o que faz os vossos miúdos sorrirem? Estas foram as respostas. Obrigada.

 

O que faz os vossos filhos sorrirem?

“Ver a mãe a dançar toda desajeitada.”

“Os meus já são bem crescidos, mas continuam a ser os meus “pequenos”: ela sorri quando vê o irmão vencer mais uma etapa da vida; ele sorri quando simplesmente vê a irmã e eu e o pai sorrimos quando os vemos/sentimos felizes!”

“Andar às cavalitas do papá. Dançar ao meu colo. A maminha antes de ir para a cama. Brincar ao cucu.”

“Ver a mama e o papá a chegarem de algum lado depois de estarem longe, nem que seja 5 minutos. Ah e os disparates do mano/das manas.”

“Quando a acordo com ‘acorda amor, está na hora’. Partilhar batata fritas, ver TV na cama da mãe, contar canetas e cadernos. A minha amora tem 13 anos.”

“O que faz a Aurora sorrir são os instantes depois que abre os olhinhos de sono e nos vê, a mamadeira antes de dormir, banana, vídeos do mundo bita, o pai a abraçá-la de toalha, depois do banho. Fiquei com lágrimas nos olhos, obrigada.”

“A hora do banho!!”

“Quando a vou buscar à creche, quando começo a cantar “a barata diz que tem” e quando a sento na cadeira da papinha. Bem, na verdade, tenho uma miúda que está sempre a sorrir! É um sol.”

“Canjinha, os primos, dançar com o pai e a mãe, acordar na nossa cama.”

“João: a irmã Carolina . Carolina: o irmão João. E isto é o que mais me faz sorrir a mim.”

“Com 3 anos, o que o faz rir muito é ver o videoclip da turbinada, da Ana Malhoa.”

“O que faz a Julia sorrir… Quase tudo,chega a ser mais fácil dizer o que não a faz sorrir.”

“Ver a mãe a dançar, as piruetas que faz com o pai, uma certa música dos Caricas.”

“A chegada do pai também, sem dúvida. A papa, as nossas brincadeiras.”

“A minha Helena (14 meses) ri com qualquer coisa.. Até com um simples “buh”. Já a Iris, a irmã do meio (7 anos), não ri para qualquer pessoa, nem acha graça a muita coisa… Mas basta alguém cair ou quase cair que ela ri até fazer uma pinguinha de chichi nas cuecas. A Mariana (10 anos), a mana mais velha, ri muito com as manas. Sem dúvida que as irmãs são o que lhe faz soltar aquele riso sincero… Quando a Iris está com os seus nervos à flor da pele a Mariana ri muito… Quando a Helena faz as suas gracinhas igualmente.. São os meus trevos de 4 folhas.. O melhor do meu mundo.”

 

E o que faz os vossos miúdos sorrirem?

Comentários (2)

  • […] O que faz os meus miúdos sorrirem? Maria Luiza sorri muito com o Afonso a dançar, com o banho com o pai, com aquele instante em que percebe que vai mamar para adormecer, com o pato do Pocoyo e a andar solta na rua. Afonso sorri muito com os disparates do Pedro, com os abraços do Gonçalo, com os vídeos preferidos, com qualquer unboxing, seja o que for, com preferência para tecnologias mesmo que seja apenas um cabo. Faltou aqui: ver o pai chegar. Aquilo que faz o Gonçalo sorrir muito: o nosso humor cáustico, os amigos, o futebol. Os … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Texto delicioso. Tão delicioso que se leu às colheradas :). Sobretudo porque sou uma não mãe como eu. Gosto porque trata das pequenas (grandes) coisas. O que nos faz sorrir? Transportei-me, não para filhos, mas para todos os “filhos” que trazemos connosco: todos os nossos amores. Tudo o que nos faz sorrir ou escancarar o coração de alegria.
    Este texto ligo-o ao que escreveu sobre o mindfulness: percebe-se aqui há muito mundo interior desbravado, muita ânsia por conhecer e ler o Outro e, sobretudo, ler bem os nossos geradores de sorrisos preferidos, as nossas pessoas 🙂

    Responder

Escrever um comentário