Maternidade

Pais à maneira Dinamarquesa? Se nós formos felizes, os nossos filhos também vão ser

pais à maneira dinamarquesa

A Francisca do Fox & June tem razão. Dizem que os dinamarqueses são o povo mais feliz do mundo. No livro “Pais à Maneira Dinamarquesa”, ficamos a saber como é que os dinamarqueses educam os filhos. Não sei se os dinamarqueses são o mais felizes mas sei que temos muito a aprender com eles em termos de educação. São práticos e acreditam muito nos valores da autonomia.

Não há fórmulas miraculosos. Mas há boas sugestões. Aqui fica a que a Francisca leu no  “Pais à Maneira Dinamarquesa” que me parece uma excelente sugestão.

A palavra PARENT não significa só isso. A cada letra está associado um principio que reflete alguns dos valores com que os pais mais felizes do mundo educam os filhos, no país mais feliz do mundo. Ora leiam.


Li este livro no verão passado porque queria descobrir, como as autoras dizem, ‘o que sabem as pessoas mais felizes do mundo sobre como educar crianças confiantes e capazes’.

Nisto da maternidade (e da educação) ainda sou uma principiante, mas tenho consciência da importância que temos na educação dos nossos filhos. Isto não quer dizer querer ser perfeita. Mas gosto de ler coisas que de certa forma confirmam convicções que já tinha ou que contribuem para ter um pensamento e uma base mais estruturados para agir.

Acredito que nisto, como em muito na vida, não há livros de instruções, nem maneiras certas ou erradas de educar os nossos filhos. Tudo depende do contexto em que vivemos, do tipo de família, dos filhos que temos, do background que temos, da nossa própria educação.

Mas alguma coisa os dinamarqueses estarão a fazer bem, porque são eleitos quase todos os anos pela OCDE como o povo mais feliz e também estão no topo da lista do World Happiness Report, criado pelas Nações Unidas.

Escrito por uma psicoterapeuta dinamarquesa e por uma americana casada com um dinamarquês, ambas mães, o livro está estruturado através de um acrónimo simples – PARENT.

 

P de Play ou Brincar

As autoras defendem que não se deve impor demasiadas atividades ou obrigações às crianças, deixando o máximo de tempo para brincadeira livre. Está provado que isto pode diminuir a ansiedade e aumentar a resiliência das crianças.

Dar-lhes espaço e deixá-las resolver as coisas por si próprias cria auto-estima e autoconfiança genuínas.

  • Desligar (televisão, iphones, etc.)
  • Criar ambiente com materiais que estimulem os sentidos
  • Usar arte e deixá-los criar espontaneamente
  • Explorar lá fora – parque, jardim, praia (ar livre)
  • Misturar idades diferentes – favorece e facilita aprendizagem de todos
  • Brincar a sério, ao nível deles
  • Deixá-los brincar sozinhos – desenvolve fantasia e imaginação
  • E, acima de tudo, relaxar!

A de Autenticidade

Achei curiosa a referência aos finais dos filmes dinamarqueses, que são tipicamente sombrios, tristes ou mesmo trágicos. Vários estudos demonstram que isto tende a fazer-nos refletir na nossa própria vida com outra perspectiva, mais positiva.

  • Honestidade emocional – ouvir e exprimir os nossos verdadeiros pensamentos e sentimentos e ensinar isso aos nossos filhos
  • Responder com honestidade às perguntas dos nossos filhos
  • Ensinar a honestidade como um valor na base de qualquer comportamento e relacionamento
  • Ler histórias que abranjam todo o tipo de emoções (não só histórias com final feliz)
  • Elogiar o processo (e não apenas o resultado) – focar o elogio no esforço envolvido e não na capacidade inata aumenta a auto-estima e a perseverança a longo prazo
  • Concentrar-se no esforço envolvido na aprendizagem cria uma mentalidade de crescimento
  • Ensiná-los a não se compararem com as outras crianças

Fica a faltar o R, o E, o N e o T. Leiam o resto do texto “Pais à Maneira Dinamarquesa” no Fox & June.

 

Leiam também a entrevista a Meik Wiking, o autor de “O Livro do Hygge – O Segredo Dinamarquês para Ser Feliz” e do mais recente “O Livro do Lykke – Os Segredos das Pessoas Mais Felizes do Mundo“.

Comentários (1)

Escrever um comentário