Maternidade

O meu filho (1)

Ter um filho. Viver um filho. É um conjunto de sensações inexplicáveis.
É um amor que não cabe no peito.
Seria capaz de observar o meu filho vinte-e-quatro-horas por dia. Contemplá-lo. Sorrir com cada gesto. Cada palavra. Cada sorriso.
O G. está cada dia mais parecido com o pai em pequenas coisas.
Gosta de adormecer completamente tapado pelo edredon.
Esta noite, há uns minutos atrás, acordou, abriu a porta e espreitou com os olhos semicerrados, ofuscado pela luz da televisão. Deitou-se no sofá e pediu com a voz doce do sono: – Mãe, tapa-me.
Tapei-o com a mesma manta com o pai dorme (dormia) no mesmo sofá. Adormeceu sereno.
Vou levá-lo para a cama, deitar-me ao seu lado e deixar-me embalar pelo sorriso tonto de quem se sente feliz.

Comentários (1)

  • Que imagem de ternura… jokas grandes

    Responder

Escrever um comentário