Maternidade O Meu Diário

parto natural: porquê? a história e as fotos

escolhi começar com a imagem serena de quando me entregaram a Maria Luiza já depois de todos os procedimentos pós parto. é assim como respirar fundo antes de reviver todas as emoções.

na quarta-feira [31.8], curiosamente – fiz as contas depois – 36 semanas depois da Maria Luiza ter sido feita, exactamente como os irmãos, levantei-me tarde e percebi que estava a perder líquido aminiótico. no parto do G. a bolsa teve que ser rebentada, no caso do A. rebentou mesmo, como um balão. neste caso seria uma rotura da bolsa. falei com a Marta [ou voltei a falar com a Marta porque foi o meu apoio à distância durante toda a gravidez] e ela disse-me que, se o líquido fosse pouco, deixasse passar mais algum tempo porque não tinha nenhuma contração. estava a sair de casa para ir almoçar fora e perdi tanto líquido que resolvi ir para as urgências da MAC.

deviam ser cerca de 14 horas quando me confirmaram a rotura da bolsa e que já não sairia da maternidade. senti um misto de felicidade – finalmente ia ter a minha miúda cá fora – e medo – não tendo qualquer contração quanto tempo demoraria a entrar em trabalho de parto?

quando expliquei aos médicos que só queria epidural se a pedisse explicitamente disseram-me que evitariam induzir porque isso me levaria a muito mais tempo em dor. aceitei.

às 15h eu e o Pedro já estávamos no quarto 6. fotos, conversa, parvoíces. passou um grupo de médicos que confirmou a avaliação feita à entrada: colo do útero favorável [normal para quem já teve dois filhos], dois dedos de dilatação, contrações fracas e irregulares. disse ao Pedro: não digas a ninguém porque isto pode demorar muito…. e pensei quanto tempo ficaria sem os meus rapazes.

o Pedro continuava a filmar. às 16h32 [sei porque está filmado] começaram as contrações dolorosas. vai começar… disse ao Pedro.

PS8A0131

 

tive total liberdade de movimentos. fui à casa de banho, estive sentada e optei por estar agachada [como se vê nas fotos]. muita dor que vinha e ia. esta sensação eu já conhecia. entra um enfermeiro que reconheço de imediato. desculpe, chama-se Jorge?

o enfermeiro Jorge confirmou e o Pedro disse: não imagina a importância que tem na vida da minha mulher… 

contei ao enfermeiro Jorge como tinha sido importante no parto do A..

PS8A0120

seriam 17h10 quando senti um dor insuportável. gritei como um animal e implorei que me dessem epidural ou fosse o que fosse mas que me ajudassem. foi um coisa repentina, dilacerante, animal mesmo. o Pedro segurou-me para que não caísse. entrou uma auxiliar que – perante aquilo que imaginou ser o histerismo de uma grávida – me pedia que respirasse, eu repetia que não aguentava [aos gritos mesmo].

o enfermeiro Jorge entra e perante a cena “animalesca” tenta avaliar-me. já aqui está a cabeça!

eu perante aquelas palavras, juntei forças, ajeitei-me, fiz força. e senti o corpo da Maria Luiza a sair de mim, naquela que é a sensação física mais maravilhosa do universo, uma vida cá fora e o teu corpo de volta. às 17h40 o enfermeiro Jorge entregava-me a Maria Luiza. o Pedro recuperava a máquina que largou para me segurar e registou o momento.

não chorei com lágrimas mas chorei com palavras. comovi-me brutalmente. comovemo-nos.

PS8A0139

aqui agradeço ao Pedro. porque conseguiu o impossível. registar o parto, parar de registar para me segurar e voltar a pegar na máquina. vantagens da profissão. eu agradeço apenas o imenso privilégio por poder guardar as imagens. agradeço também pela forma como me segurou [física e emocionalmente]. e pela forma como vivemos isto juntos [escreverei mais sobre isso…].

ao enfermeiro Jorge por, sem saber, ser qualquer coisa como um anjo na minha vida. eu, que não acredito nessas coisas, direi apenas que um anjo é alguém muito bom que nos proteje. obrigada pelo profissionalismo.

o resto dos agradecimentos deixo para depois [já é demasiada emoção num post apenas].

Comentários (32)

  • Maravilhosa partilha, obrigada Catarina pela forma generosa como nos deixas entrar nas tuas emoções.

    Responder
  • Adorei Catarina ❤ emocionei me.
    Estou com 36 semanas, a espera da minha primeira bencao..Maria Ines.Moro no estrangeiro e estou longe da familia…este misto de ansiedade felicidade e medo..tento controlar como posso pensando que em breve a terei nos meus bracos.um beijinho cheio de luz ?

    Responder
  • Adorei Catarina ❤ emocionei me.
    Estou com 36 semanas , a espera da minha primeira bencao. Maria Ines..moro no estrangeiro, estou longe da minha familia, este misto de ansiedade felicidade e medo, tento controlar como posso pensando que em breve a terei nos meus bracos.um beijinho cheio de luz ?

    Responder
  • Obrigado Catarina.
    Partilhar emoções desta forma é lindo !
    Também passei pela MAC,e vivi um turbilhão avassalador de dor e felicidade….que fica para sempre guardado no coração.
    Beijinhos

    . margarida.

    Responder
  • Engraçado que acompanhei o blogue durante toda a minha gravidez…segunda filha e de baixa desde as 9 semanas por ameaça de aborto…. e a minha Alice nasce no mesmo dia que a sua Maria 🙂 às 15h05 de 38 semanas… Um beijinho…que corra tudo plo melhor! Não costumo comentar mas desta vez não resisti!

    Responder
  • Muitos parabéns querida Catarina. Desculpe o termo carinhoso sem a conhecer, mas é impossível evitar.
    Desejo-vos as maiores felicidades. A todos.
    Obrigada pela partilha que faz. Sincera e real. Pelo menos eu sinto-a como tal e acredito que não sou a única.
    É o unico blog que consegue passar as emoções através de palavras e imagens a quem está do lado de cá.
    Um dia, quando passar novamente por mim, dou-lhe um abraço. (digo sempre isto quando a vejo e depois a vergonha intromete-se :)).
    beijinhos

    Responder
  • Olá Catarina! Parabéns agora uma menina e tudo um universo diferente. Partilha fantástica. Como não aguentei as dores e quase com 4 dedos de dilatação levei epidural, depois foram 12 horas de espera.
    Beijinhos para todos

    Responder
  • Uau! Brutal! Fiquei arrepiada com a descrição de todas as emoções vividas!
    És tão verdadeira Catarina! Uma guerreira! E ler-te é mesmo “ler-te”!
    Muitos parabéns querida princesa! Que esse estado de “felicidade plena” se mantenha por muito tempo! Beijos

    Responder
  • Muito lindo Catarina..eu também tive uma “anja” nos meus dois partos..a Enf. Deolinda..que subiu para um banquinho e me empurrou a barriga com todas as suas forças..sem ela não tinha sido tudo muito mais complicado..agora com o terceiro a caminho vamos ver como vai ser..? beijinho

    Responder
  • Primeiro que tudo muito parabéns pela princesa Maria Luiza! 😀 Ela é maravilhosa!
    Depois, parabéns pela coragem durante o parto. Eu não teria tanta. Também pensei em não pedir epidural mas mudei de ideias no primeiro momento.

    “A sensação física mais maravilhosa do universo” é a expressão que define, também para mim, o momento do nascimento de um filho. É uma coisa muito animal, muito física e, ao mesmo tempo, extremamente espiritual.
    Os meus dois partos foram induzidos e a minha experiência foi completamente diferente nos dois: http://bit.ly/2c5zRgb.
    O primeiro foi tudo menos humanizado e, no segundo que foi maravilhoso comparado com o primeiro, nem foi necessário médico (eu nem sabia que podia ser apenas uma enfermeira a fazer o parto). Se soubesse o que sei hoje, acho que pediria para que o parto não fosse induzido mas na hora… não me ocorre contrariar o pessoal médico…
    Admiro muito quem tem um parto sem epidural. Para mim a epidural fez toda a diferença, com as dores eu não consigo fazer a força correta para o bebé nascer. Nem sei o que estou a fazer, fico mesmo sem ação e muito nervosa. Se calhar foi por isso que precisei (terei precisado mesmo?) de tanta ajuda para a minha primeira filha nascer.

    Responder
  • Catarina muitos parabéns!
    (só um aparte… falaste com a Marta ou com a Sofia Serrano? O link vai para o blog da Sofia…)

    Responder
  • Muitos parabéns Catarina… Tudo a correr bem com a princesa. A minha Leonor também nasceu nesse mesmo quarto 6…espero que a Luisa não seja tão chorona como a Leonor …com muita pena minha o meu marido não fotografou quase nada do parto… E sim um enfermeiro ou médico como o “teu Jorge” faz toda a diferença … Beijinhos

    Responder
  • maravilhoso. tudo de bom! Beijinho

    Responder
  • Muitos parabéns e aproveite ao máximo estes momentos.
    Curiosamente também foi nesse mesmo quarto 6 que ia quase nasceu a minha filha…pois à última da hora tive que ir para o bloco cirúrgico, pois foi um parto com fórceps. Mas foi nesse quarto que passei muitas horas de trabalho de parto, que jamais esquecerei.

    Bjs

    Responder
  • Absolutamente maravilhoso. As fotos estão lindas.
    Que sejam muito, mesmo muito felizes.
    E vão ser. Vão mesmo.

    Responder
  • Que bom!! Ainda não sou mãe…mas quero viver estes momentos únicos!
    Felicidades!!

    Responder
  • Muitos parabéns Catarina pela partilha do momento e pela Maria Luísa. Com esse nome só pode vir a ser uma mulher extraordinária! Um grande beijinho

    Responder
  • Muitos parabéns pela tua menina, Catarina! As fotos estão absurdamente bonitas e a emoção é quase palpável apartir das palavras que escreves. Um post muito bonito, sem dúvida.

    Um beijinho,
    Beatriz do Bookaholic.

    Responder
  • As minhas nasceram as duas com ajuda da epidural ( uma das melhores invenções de sempre) e também tenho que agradecer mt à equipa fantástica que sempre me acompanhou na maternidade Daniel de Matos. Estive sozinha da 1.a e da 2.a acompanhada já pelo marido. Ter um filho é a melhor sensação do mundo. Tudo de bom para vocês! !!!

    Responder
  • Nem sabe o quão bom é para um profissional de saúde perceber que temos esse impacto tão grande. Seria bom que esta apreciação e intervenção cuidada e personalizada fosse generalizada para que a profissão fosse elevada à condição que assim deveria.

    Um grande beijinho para os novos pais, irmãos e para a Maria Luísa 🙂

    O blog da Polegarzinha

    Responder
  • O enfermeiro Jorge parteiro é meu cunhado. 😉 não sei porque, mas sempre que falou num anjo na Mac imaginava que fosse ele.
    Teve muita sorte, ele entrou de férias na quinta, mais um ou dois dias e ele não teria feito o parto da Maria Luíza.
    Muitos parabéns!! Se já sentia alguma familiaridade consigo por uma data de coisas, ainda para mais com este pormenor do Jorge.

    Responder
  • Parabéns e as maiores felicidades. Bjs

    Responder
  • Tão lindo… o nascimento dos nossos filhos acontece numa dimensão para lá de mágica… passamos do inferno ao paraíso num abrir e fechar de olhos 🙂

    Parabéns a essa família tão linda 🙂

    Lina Soares
    http://trintaporumalinhanoticias.blogspot.pt

    Responder
  • Parabens a familia! Eu tambem tive um anjo, sem o apoio dela estaria perdida. Viajei com o relato <3

    Responder
  • Fui alertado pela minha esposa que haviam escrito sobre mim.
    Pensei imediiatamente que deveria ser a Catarina.
    Fui pesquisar e encontrei o blog.
    Não imagina a importância que têm as suas palavras para a quem muitas vezes não existe o reconhecimento pelo nosso trabalho.
    Muito obrigado pelas palavras e por me ter deixado partilhar consigo um momento tão importante na sua vida.

    Enfermeiro Jorge

    Responder
  • Catarina,

    Mais uma vez parabéns pela Maria Luiza e pela forma genuína como escreves.

    Faço tuas as minhas palavras de agradecimento ao SNS. No meu caso, no hospital de Faro e a enfermeira Célia. Se tiver a coragem de ir ao 3º, espero que as coisas corram igualmente bem!

    um grande beijinho,

    Sofia**

    Responder
  • Muitos parabéns pela princesa Maria Luiza!!!

    Eu também tenho muito a agradecer ao S.N.S.

    Quando à 3 anos, nasceu o meu filho mais novo Diogo, com apenas 28 semanas de gestação e 984 gramas, no meio do pânico e da angústia de não saber como ele iria nascer ou se teria, mais tarde, algum tipo de sequela (graças a Deus está fantástico e recomenda-se, é um reguila com uma alegria de viver que nunca vi em ninguém), só posso agradecer a todos os que tiveram comigo durante a cesariana de urgência e posteriormente os cuidados que lhe prestaram durante os 57 de internamento na unidade de Neonatologia.

    Também no nascimento do meu Tomás (o mais velho – 6 anos), foi crucial os conselhos que me deram no HSFX, afinal era mãe de primeira viagem!!!!!!!

    A todos os profissionais do Hospital de São Francisco Xavier (Obstetrícia e Neonatologia) e do Hospital de Cascais (Neonatologia) o meu muito obrigada.

    Um grande beijinho.

    Responder
  • Subscrevo a 100% a sua opinião em relação ao SNS e à MAC. Tive a melhor experiência na MAC com o nascimento da minha primeira filha. Só tenho pena que há 2 anos o meu filho tenha nascido em Londres. Os cuidados do SNS não se comparam aos do SNS inglês. Tenho tido imensos exemplos pessoais de que o SNS em Portugal é melhor. Parabéns, felicidades e muita SAÚDE!!

    Responder
  • […] sabe fazer duas coisas ao mesmo tempo. sim, houve um momento em que lhe pedi para parar de filmar [os gritos que vos descrevi não ficaram filmados]. sim, ainda bem que ficou […]

    Responder
  • […] 4ª feira, quando fui para a MAC, avisei o G.. tinha combinado ir buscá-lo e existia uma forte possibilidade de já não sair da […]

    Responder
  • Parabéns de coração a toda a família e a quem partilhou tudo convosco! Sou mamã de príncipe e princesa, o primeiro nasceu também na MAC nas mãos de super profissionais.
    Obrigada pela partilhas de palavras tão profundas e experiências intimas, desejo o melhor para vocês e que eu como mãe solteira consiga ter metade da tua força <3
    Parabéns!!!!

    Responder
  • Curioso que tb tenho um enfermeiro Jorge no parto do meu filho 🙂 mas em Cascais. O meu marido tb filmou e fotografou quase tudo. Só quase 1 mês depois consegui ver os registos. Era muita coisa (emocionalmente)!

    Responder

Escrever um comentário