O Meu Diário

best of 2017: estes foram os 10 posts mais lidos [obrigada a todos!]

best of 2017: estes foram os 10 posts mais lidos [obrigada a todos!]

Ano novo pede balanços. Joje deixo os posts que foram mais lidos nos últimos 365 dias (363, vá). Uma espécie de best of 2017, ou apanhado, sobre os temas que foram mais lidos. Falámos de várias coisas: de famílias ramificadas, da amizade depois da separação, de bebés que choram, de pais que aceitam recebem os filhos dos outros. Discutimos polémicas, incluindo aquela que se refere à exposição das crianças na internet. Foi um bom ano. Sou infinitamente agradecida por tudo. E que venha o próximo.

 

1. “Já tem dois filhos de pais diferentes, não devia ter mais nenhum

Casei com um homem que ama os meus filhos, mas não é pai deles. São uns sortudos porque têm uma família cada vez maior, cheia de ramificações que formam um ninho gigante, ou uma rede para o trapézio da vida quando precisarem dela. Se um dia tiver um terceiro filho, de um terceiro pai, serei apenas a mulher mais feliz do mundo, e eles apenas irmãos.

2. “Carta para a Carolina

ser mulher é duro. aliás ser mulher pode ser mesmo muito duro. e ontem quando vi este post da Carolina quis dar-lhe um abraço e pedir-lhe desculpa. porque eu também saí da maternidade a desejar que a barriga já não fosse barriga, porque eu também fico zangada comigo quando estou exausta, como demais, e depois se fico gorda? porque eu também cedo tantas vezes à pressão daquilo que os outros vão dizer, daquilo que parece bem. quis pedir desculpa pelas vezes em que apago as minhas fotografias porque “estou feia”, “estou velha”, “estou cansada”.

3. “Dá trabalho mas compensa: a amizade depois da separação

Na escola, um dos meninos da turma chorava porque tinha visto os pais discutir. A professora, numa tentativa de o acalmar, garante que é normal e que de certeza já tinha acontecido a todos os colegas da sala. A todos menos a um. Gonçalo levanta o dedo e responde. “Mas eu nunca vi os meus pais zangados.” Nem mesmo quando viviam na mesma casa sem nunca partilharem cama ou quando, já separados, cada um assumiu novas relações.

4. “A minha filha não dorme a noite toda [e eu não me importo] *

Quando leio a dúvidas se muitas mães penso no quanto temos às expectativas irrealistas e como isso nos pressiona nesta aventura de ter filhos. falo apenas pelos três filhos que tenho. e escrevo sobre isto para dizer que não acredito em fórmulas mágicas nem sequer dicas que funcionem para todos os bebés. por isso não há nada de errado em ti – mãe ou pai – que depois de tentares tudo e fazeres tudo certo continuas a ter o resultado que consideras errado.

5. “Homenagem às pessoas sem filhos que se apaixonaram por pessoas com filhos

Porque, sejamos realistas, amar um filho que não é nosso, como se fosse, não é como nos filmes. Este post não tem carácter auto biográfico [surgiu numa conversa que tive ontem a propósito de uma história de amor]. É apenas isso, uma homenagem.

6. “Incomoda-me expor os meus filhos na internet?

Eu acho que em tudo aquilo que envolve os filhos, considerando pais sensatos e responsáveis, cada um sabe de si. os argumentos que possa ter para que não me incomode mostrar a Maria Luiza são tão válidos como as razões que levam outros pais a não querer que os seus filhos apareçam nas redes sociais.

7. “Sobre acreditar, ou deixar de acreditar

há dois anos eu estava terrivelmente cansada. tinha deixado de acreditar na minha história, tentando não achar que a culpa das coisas não resultarem era minha e deste jeito meio mandão, meio bruto, meio controlador. estar sozinha é uma forma feliz de existir. pode aliás ser a forma mais feliz de existir. mas sem culpa, sem remorsos, sem vazio. há dois anos, depois de muitas raivas, muitas lágrimas, muitas angústias, estava sozinha e serena. e eu acho que estar serena é a base para ser feliz.

8. “É mais fácil ser mãe solteira [não é uma pergunta, é uma afirmação]

fui mãe solteira durante 12 anos. ser mãe solteira tem um lado muito difícil. talvez o momento que o melhor o retrata foi quando a meio da noite, com um miúdo de oito anos e um recém nascido, percebi que ardia em febre. com quase 41 graus, a tremer sem parar, desorientada por ser a única adulta, pus oito supositórios 125. à distância parece ter piada. no momento foi apenas a metáfora daquilo que acontece quando somos a única adulta em casa.

9. “Deborah Secco: fazer sexo sem vontade? história dos breves segundos em que concordei

primeiro que tudo: acabemos com esta história que os homens têm mais desejo que as mulheres. isso é castrador para os homens que acham que não têm “desejo de homem” e para as mulheres que acham que têm mais desejo que uma “mulher normal”. cada pessoa tem o seu nível de apetite sexual e isso muda todos os dias pelas mais diversas circunstâncias. somos todos PESSOAS diferentes.

10. “Queridas mães de bebés – e crianças pequenas – que acordam várias vezes à noite…

o sono é uma merda. não é por acaso que manter alguém acordado é uma das técnicas de tortura mais eficazes. uma pessoa com sono fica desesperada e passa a acreditar seja no que for que lhe dê a menor esperança de poder dormir. e nós, mães de bebés que não dormem a noite toda – nem perto disso -, passamos a sentir que somos as únicas neste mundo. e nós, mães de bebés que não dormem a noite toda, começamos a acreditar que estamos a fazer qualquer coisa errada.

 

nota sobre a fotografia: a miúda tem o sling a cair, o adolescente escondeu-se e o enquadramento podia ter menos carros mas – juntando o homem giro que está a tirar a foto – tenho aqui as minhas prendas de Natal. e do ano todo.

só para terminar: é que tinha mesmo que me pagar muito para me imaginar mãe de três filhos.

 

já viram as tendências da alimentação para 2018?

 

 

Comentários (5)

  • […] Casei com um … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Também tinham que me pagar mesmo muito para me ver mais de 3…
    E cá estamos nós!
    Beijinhos e um bom 2018!

    Responder
  • Catarina como explica a autorização dos nomes da Luciana Abreu? A minha menina é Maria Luísa, tal como a Catarina, queria Luíza, aliás fui eu que alertei que não a deixariam regista lá como queria, e não consegui. Agora aparecem estes dois nomes de pais portugueses….
    2 pesos e 2 medidas. Luíza sempre existiu!!

    Responder
  • Não podia deixar de desejar um Bom Ano 2018 a si Catarina que juntamente com a sua familia bonita tantos sorrisos me fazem fazer .
    Felicidades ,Saúde e encontramo’nos aqui.🎉

    Responder
  • […] E releiam ainda os 10 posts do blogue mais vistos do blogue. […]

    Responder

Escrever um comentário