O Meu Diário

O dia em que decidi tentar ser feliz todos os dias.

Fiz ontem 38 anos. Há 14 anos, no dia em que fiz 24, eram 10h quando a minha tia me ligou. Adorava o dia do meu aniversário, acho [achava e continuo a achar] que comemorar o nascimento de alguém faz todo o sentido e é um dia especial. Adorava receber telefonemas e mensagens naquele dia.

Achei que a minha tia queria dar-me os parabéns mas percebi pela sua voz que não era isso. Corri até ao motorista da camioneta onde viajava e pedi, quase sem voz, que me deixasse sair. Apanhei um táxi e fui até ao hospital sussurrando que fosse mentira aquilo que já sabia ser verdade.

Quando vi a minha mãe não precisei de palavras. Sei, porque me contaram, que gritei durante uns segundos, terei perdido a consciência, mas lembro-me de me levantar do chão, limpar a cara e amparar a minha mãe. A prioridade era tomar conta dela.

O meu pai morreu. Essa é a parte triste. No meu dia de anos. Essa é a parte confusa de gerir nos anos que se seguiram.

Nesse mesmo dia fui buscar a carteira e os óculos do meu pai que ainda estavam no quarto onde vivera as últimas semanas. Remexi-lhe a agenda para lhe rever a letra e percebi que tinha marcado férias de verão, como sempre. Percebi que não tinha consciência que ia morrer.

Percebi principalmente que a vida acaba sem que tenhamos tempo para despedidas e últimos desejos.

Nesse momento prometi que tentaria ser feliz todos os dias. Gastamos muito do nosso tempo, do nosso investimento pessoal e mesmo monetário, a tentar fazer as coisas certas, a testar teorias para sermos felizes e fazermos o mesmo pelos nossos.

Ser feliz todos os dias não existe, teremos sempre preocupações, frustrações e contrariedades várias. Dirão que não valem nada comparadas com as verdadeiras desgraças do mundo mas, nisto de gerir o nosso pequeno mundo, são os nossos problemas que interessam.

Ser feliz é uma opção. É procurar o melhor de cada dia mesmo que tenha sido péssimo. É agradecer a saúde que temos. Às vezes é apenas aceitar que não estamos bem.

A morte do meu pai foi um acontecimento triste. Mas devo-lhe, para além de tudo o que me ensinou em vida, esta poupança tremenda em livros de auto ajuda e aplicações variadas na busca da felicidade.

 

Crónica Dinheiro Vivo

Comentários (24)

  • Sem palavras .
    Obrigada.
    Partilha “boa”.
    Beijo enorme,
    Carolina Melo

    Responder
  • Adorei Catarina
    Obrigada
    beijos!!!!

    Responder
  • O meu nome pouco interessa, é um como muitos, li a sua pequena história e em troca gostava de lhe uma outra, de uma pessoa que acompanho a sua vida desde meus 12 anos, quase já passou meio século que leio e tento assistir esse ser, que tem mudado a vida de tanta pessoas sem haver a mínima discriminação, seu nome é JULIA ELIZABETH WELLS.
    Esta SENHORA atualmente tem 80 anos, nasceu no meio muito pobre, aos 11 anos passou a ser ela o sustento da casa de seus pais e irmão com a sua voz única. Pelos seus olhos passou miséria, prostituição, alcoolismo, etc., etc.. Tornou-se num ser respeitado pela sociedade e muito admirado, conseguindo dizer algo sem medo nem falsidade, mas contagiante “SOU FELIZ” sempre com um sorriso enorme na sua cara, como um dia lindo em que nada falta, a qualquer momento da sua vida.
    Aos 64 anos, perante uma fatalidade ficou sem voz, isso não impediu que ela lutasse e conseguiu voltar falar com a mesma clareza como sempre fez, mas a sua voz única não voltou, mas ela continua a dizer da mesma maneira “SOU FELIZ”.

    Responder
  • Parabéns pelo aniversário e obrigada por partilhar o seu bom astral, apesar de!
    Ler o que escreve funciona como auto ajuda para mim …eu que como bué de mais velha já devia ter estas coisas da vida bem resolvidas, mas não tenho…vou tentado ter e assim é bom ver que o tentando já é muito bom. obrigado!

    Responder
  • Não há forma de apaziguar essa dor! O pai é a pessoa mais importante na vida de uma menina. Pelo menos para mim é.
    Por isso um enorme Beijinho cheio de raios de sol ???? Obrigada por este texto!

    Responder
  • Parabéns pelo aniversário e pela história de vida. É preciso coragem para ser feliz todos os dias, é preciso enfrantar um mundo que não entende que estamos aqui de passagem e não podemos perder tempo sem sermos felizes 🙂

    http://everydayanewsomething.blogspot.pt/

    Responder
  • Ola Querida:)
    Tudo Bem?
    Adorei:)
    Obrigada
    Tenho Novo Post:
    http://www.openklosetfashion.blogspot.pt
    Instagram:@openklosetfashion

    Responder
  • muito, muito, muito bonito.
    quase um abraço ora um murro no estômago de despertar para dar valor a detalhes que nem ligamos nos nossos mundos envoltos, na correria dos dias.
    e uma imensa coragem, ser no dia 28 em específico que há 14 anos atrás que ser feliz todos os dias se tornou uma escolha e decisão.
    obrigada por partilhares parte de ti, que preenchem as nossas de mais valor e sentido na forma como fazemos por ser e viver.
    um beijo. bem grande!
    Joana

    Responder
  • Um beijo ❤️

    Responder
  • Comecei a ler, fiquei lavada em lágrimas e, no final, limpei as lágrimas. Porque tem toda a razão no que diz.
    Parabéns pelo aniversário e pela força.
    Beijo,
    Ana

    Responder
  • Ninguém escolhe um dia. Nem sequer há dias perfeitos para que isso aconteça. Porque o perfeito seria sempre vivermos do colinho dos nossos pais, fosse em que idade fosse.
    Mas nada se perde e tudo se pode transformar em lindas recordações e acredito tenhas muitas. Quero também te dizer que 1978 foi um grande ano, que nasceram grandes pessoas…pelo menos eu e tu ????
    Muitos parabéns

    Responder
  • Tão bom ler-te.

    Responder
  • Lindo texto! .. e mesmo isso …”a vida acaba sem que tenhamos tempo para despedidas e últimos desejos.” é aproveitar e ser feliz aos bocadinhos ..

    beijinho grande.

    inês

    Responder
  • Muitos parabéns por teres conseguido superar desta forma… Esse dia é um marco para sempre. Eu também tenho o meu marcado, mas tive a sorte de não ter nada a ver com festejo algum que não a Páscoa, a que nem ligo muito.

    Muitos parabéns pelo aniversário e continua sempre assim!
    _Ela.

    Responder
  • Olá! Nunca comentei, mas hoje faço-o, não mais porque a admiro francamente, e vivesse eu em Portugal já teria com certeza frequentado um dos seus workshops.
    Poderá haver algumas pessoas que a critiquem pela vida que tem, pela vida que arduamente construiu! Mas para mim você é um exemplo a seguir! Um exemplo de coragem que infelizmente me falta!
    Admiro-lhe o facto de ter esperado pelo homem da sua vida, por não se ter acomodado, por ser a mãe que é, pelos homens que escolheu para serem pais dos seus filhos! Pela mulher de fibra que é!
    Fibra essa que me faltou! Para outras mulheres que leiam este comentario…poucas coisas há que sejam piores do que viver ao lado de uma pessoa que não amam, que não vos ama e que não vos apoia, a solidão por mais má que seja é preferivel a viver uma meia vida, coroada de medos e incertezas! Nunca se acomodem!
    Um beijinho grande de uma sua fiel leitora!

    Responder
  • Não tenho palavras, mesmo!
    Infelizmente é depois de perder algo ou alguém que damos o verdadeiro valor à vida. Que esta continua!
    Ser feliz não é impossível e não é fácil, mas não é tão difícil como querem que acreditemos.

    Beijinhus e um grande abraço <3

    ~ Carla'C
    Coisinhas da Carla’C | Facebook | Instagram

    Responder
  • […] propósito da minha última crónica – sobre a opção de ser feliz – uma amiga, da área da psicologia, dizia-me que “ser feliz […]

    Responder
  • Adorei o texto, da que pensar….
    Muitas felicidades para o novo bebê ????

    Responder
  • Exactamente o mesmo q o meu pai me ensinou! Obrigada por este texto!

    Responder
  • Lindo e profundo…não consigo imaginar essa perda …a dor imensa! Realmente aprendemos tanto 🙂

    Responder
  • […] Esta frase – dita pelo Gonçalo quando tinha quatro anos – é a possibilidade infinita que temos para pedir desejos. E é tão mas tão importante na minha vida que faz parte do livro Ser Feliz Todos os Dias. […]

    Responder
  • […] à procura de um título menos lamechas, menos assim a atirar para livro de auto ajuda, mas já escrevi coisas bem mais pseudo poéticas por isso posso dizer assim mesmo: Tempo. Esse bem essencial que nos permite […]

    Responder
  • […] à procura de um título menos lamechas, menos assim a atirar para livro de auto ajuda, mas já escrevi coisas bem mais pseudo poéticas por isso posso dizer assim mesmo: Tempo. Esse bem essencial que nos permite […]

    Responder
  • […] O dia em que decidi tentar ser feliz todos os dias. […]

    Responder

Escrever um comentário