Somos monogâmicos?

1

“Nós não somos monogâmicos. A relação conjugal na nossa cultura é assumidamente monogâmica. É muito raro, não me lembro de ter visto um casal, em que os dois, na história da relação aberta, os dois diziam, cada um pode ir divertir-se para seu lado. Pode haver um que ache isso, mas acha isso em relação a si, não acha em relação ao outro.”

Este foi um dos temas que conversei com o Dr. José Gameiro, no primeiro episódio do podcast “A Vida resolve-se sozinha”. Podem ouvir nas várias plataformas, basta clicarem na homepage.

Leiam mais um pouco (e fiquem cheios de vontade de ouvir tudo): Somos monogâmicos? Ou é cultura?

– Não somos monogâmicos por natureza. Nos podemos preferir ser monogâmicos, mas não somos monogâmicos na questão do impulso sexual. Não somos. Temos pouco tempo, quando acontece um episódio desses, para decidir se queremos ficar monogâmicos ou não. Chega a uma altura que a gente já não controla. 

– Isso é um facto?

– É um facto… Não somos irracionais e podemos sempre controlar. Mas é cada vez mais difícil controlar se deixamos que a coisa corra, como é evidente. Há pessoas que têm uma grande dificuldade na monogamia e não tem nada a ver com o gostar mais ou menos da outra. Têm dificuldade na monogamia, gostavam de experimentar ou de ter outras relações físicas, tanto quanto as coisas possam ser só físicas. Eu costumo dizer às pessoas: você tem de perceber qual é o seu ponto de não retorno. Isto é como os aviões. Os aviões têm gasolina para daqui para aqui e há uma altura em que você já não tem gasolina para voltar ao ponto de origem, o chamado ponto de não retorno. É a mesma coisa, você numa relação tem de perceber  há um colega ou uma colega que as coisas estão a começar, ou seja…

– Houve uma atracção…

– Houve uma atracção, habitualmente as atracções não dão logo cama, demora algum tempo, mas cada vez demoram menos tempo, como é evidente. E você tem de perceber aqui qual é o ponto de não retorno, porque você depois de estar lá pode ter uma chatice grande. Não estou a falar sequer da chatice da infidelidade. Chatice interior. Você pode depois não saber o que há de fazer à sua vida.

– Mas é possível de facto eu sentir uma atracção e amar o meu marido?

1 Comment
  1. […] ouvir… A Vida Resolve-se Sozinha . Aproveitem para ler este texto sobre monogamia. E preparem-se para o próximo […]

Comentar

O teu endereço de email não será publicado.