Tendências

Afinal, para onde vou mudar?

Confessem lá que quando leram o titúlo “A notícia que todos esperavam” acharam que vinha bebé! É por isso que o vídeo teve tantos views? Não é! E eu já falei sobre isso de vir mais. A novidade é a casa nova, construída do zero. Uma aventura que tenho consciência que vai dar muito trabalho mas que estou a viver com muita ansiedade (da boa). E afinal, para onde vou mudar?

Já pedi ao Afonso para fazermos um vídeo sobre o top + e o top – de viver em Lisboa mas ainda não conseguimos conciliar agendas em horário com luz solar!

Nisto dos vídeos há sempre um facto revelado. Desta vez fala-vos sobre a minha feliz (ainda que custa) carreira como vendedora imobiliária. Na verdade é a profissão com que imagino acabar os meus dias antes de me enfiar com o Pedro em cruzeiros para a terceira idade. Nessa altura os miúdos ficam com a casa.

Talvez sejam essas memórias e a consciência do trabalhão que tinha que me levam a optar por ter o apoio de uma imobiliária quando compro casa ou terreno. Acho sempre que a comissão é o valor mais bem gasto porque me garante que tratam das coisas que eu nem me lembro. Como em tudo convém que sejam os profissionais certos. Ainda para mais numa compra que (esperamos) seja para a vida.

Sendo que tenho passado grande parte dos meus dias (e dos meus sonhos) a pensar nisto, espero que gostem.

 

Obrigada à ERA Portugal por me ter ajudado a escolher para onde vou mudar.

Comentários (3)

  • Olá Catarina,
    O que vai acontecer à sua casa antiga? Há alguma hipótese de arrendar/vender/dar o contacto do proprietário?
    Muito obrigada desde já.

    Responder
  • […] que, antes de ser vendedora imobiliária (saberão se estiverem a acompanhar esta novela), tinha como passatempo ver casas. Depois acabei por ser descoberta, ou seja perceberam que não ia […]

    Responder
  • […] que, antes de ser vendedora imobiliária (saberão se estiverem a acompanhar esta novela), tinha como passatempo ver casas. Depois acabei por ser descoberta, ou seja perceberam que não ia […]

    Responder

Escrever um comentário