Maternidade O Meu Diário

Quanto tempo dura esta bolha?

Sinto-me numa bolha. Provavelmente a culpa é do sono, normal de quem amamenta de três em três horas, mais coisa menos coisa, todas as noites. Sinto-me num mundo paralelo em que tudo acontece ao ritmo e de acordo com a disposição da minha bebé. A capacidade de raciocínio está muito abaixo dos 50% (pronto, poderão fazer justas piadas em relação à qualidade desta crónica) e a memória nem sequer atinge os 15%. Se a recuperação acontecer ao ritmo dos filhos anteriores demorarei cerca de 9 meses a sentir (mais ou menos) normal. A minha licença durou 42 dias, o período obrigatório atribuído à mãe. Eu acho que devia durar nove vezes mais.

Tenho o privilégio de trabalhar em casa, poder gerir o meu horário, e manter-me presente. Muitas vezes aproveito quando os meus filhos dormem para trabalhar. Na verdade o tempo verbal deveria ser passado – ” aproveitava” – porque actualmente quando a minha bebe de dois meses e meio adormece e depois dos meus filhos crescidos estarem deitados estou pronta para dormir também. Trabalhar em casa permite igualmente amamentar em exclusivo. Dizem que a amamentação em exclusivo deveria, de forma ideal, durar seis meses. Se uma mãe gozar o período máximo de licença paga a 100% são 120 dias. Com ou sem mama a minha bolha dura mais do dobro.

Nesta bolha em que a paixão, as hormonas e o cansaço nos colavam existem também o risco elevado de uma enorme solidão. Se a mãe gozar os 120 dias apenas os primeiros 25 dias são partilhamos com pai. São muitos dias numa bolha tendencialmente solitária.

É verdade que Portugal tem uma lei que – pelo menos em teoria porque a prática das empresas já é outro assunto mais complicado – protege a parentalidade em comparação com a maioria dos países do mundo (os Estados Unidos por exemplo). Também é verdade que os países do Norte da Europa estão muito passos à nossa frente.

Eu gostava, e desculpem a minha bolha, que juntassem um grupos de especialistas (e não as entidades patronais) e me dissessem quanto tempo deveria durar a licença de parentalidade. Eu gostava, mesmo a sério, que dissessem porque quanto tempo deveríamos poder ficar sossegada, sozinhas ou acompanhadas, nesta bolha.

 

Crónica Dinheiro Vivo

Comentários (14)

  • […] post Quanto tempo dura esta bolha? appeared first on dias de uma […]

    Responder
    • Olá Catarina, gostei muito deste teu post.
      Neste momento estou grávida, quase quase com o meu filhinho nos braços. E adoro ficar a ler tudo o que diz respeito a gravidez e maternidade, já para me preparar para dias mais cansativos ou que me sinta meia numa bolha, como tu dizes e bem.
      Também tenho um blog, com varias dicas e conselhos de gravidez e maternidade, fitness e nutrição. Vais gostar também.
      Um Beijinho!
      Espero por ti em:
      http://www.rafaelapeixoto.com
      https://www.facebook.com/BlogRafaelapeixoto/

      Responder
  • Como este texto faz sentido. A minha bolha durou 1 ano, nas minhas 2 filhas. Comecei a trabalhar passada a licença, 120 dias. Dói. É duro. O pai ficou os restantes 30 dias com elas., até ingressarem na creche com 5 meses. Com a minha filha mais velha correu tudo pacifico, com a mais nova foi horrível, não aceitava nada a não ser a mama. Passava dias sem comer à minha espera, nem o leite que tirava ela aceitava, o pai desesperava.
    A minha bolha durou 1 ano e o meu coração ficava apertado de as deixar.
    Fala-se em incentivar a natalidade, mas não se dá os devidos incentivos e ainda há o argumento: “Mas não querem ser iguais aos homens?”
    São tópicos complicados que necessitavam de muito bom senso, que não me parece haver.
    Beijinhos e aproveite a bolha apesar do cansaço ****

    Responder
  • Uma bolha…..a definiçao perfeita……a minha licença termina dentro de 1 mês e meio e nem quero pensar nisso….Há dias de solidão, é certo. Há dias em que fico com uma neura difícil de aturar pelo marido e filhos, admito. Principalmente desde a maldita mudança de hora….bolas, isto de ser noite às 5 da tarde é demais….
    MAS……estes dias em que estamos só as duas, eu e a minha bebé, mesmo com choros, falta de sono, dar de mamar de duas em duas horas ou menos ( até perco a noçao),pilhas de roupa para passar e tudo o resto que é normal numa casa de 5 pessoas e das quais nao consigo dar sempre conta porque nao tenho uma bebe que ‘come e dorme’…..mesmo com tudo isso, e mais as malditas das hormonas que ainda não resolveram estabilizar, nao quero que isto acabe…….é isso….não quero que isto acabe…..vai custar….
    Quanto tempo devia ser a licença? Não sei, mas o que temos agora ainda é pouco, na minha opiniao, claro:)

    Responder
  • As minhas bolhas anteriores foram de 150 dias… de uma delas ainda consegui juntar as férias e foi maior um bocadinho…
    A próxima bolha será do memso tempo… mas eu acho pouco… sinto ser pouco… E se da primeira achava que até seria suficiente (valha-nos a ingenuidade e inexperiencia), do segundo já sabia ao que ia… Agora às 21 semanas sei perfeitamente o que me espera (a nivel legal… porque a nivel de criança tudo será novidade… os primeiros são tão diferentes um do outro…)
    Às vezes dou por mim a sofrer antecipadamente…
    Mas um dia de cada vez!

    Beijinhos!

    Responder
  • A minha bolha durou 9 Meses e 15 dias, entre licenca, ferias e prolongamento da licenca.
    Isto implicou um sacrifício e ajuste Familiar já que 90 dias a ganhar 25% é uma miséria. E assumo que nem todas as famílias podem suportar.
    Mas cada centimo que não ganhei na conta bancária , ganhei em tempo de qualidade com a minha princesa e se fosse agora voltava a fazer exactamente a mesma coisa…
    Ainda

    Responder
  • Enquanto profissional liberal estive 3 semanas em casa. Depois com a ajuda dos avós tenho tidoo privilégio de poder ter a minha filhota em casa.

    Responder
  • A minha bolha durou 60 dias, e o pai teve direito a 2 dias de licença.
    Trabalhava 8 horas por dia, e quando chegava ainda tinha um bebe que tinha estado o dia todo sem a mãe, e sem o pai. Se me custou, custou. Mas, a verdade é que nem tive tempo para me lamentar. É assim a minha vida, ele entrou, e está adaptado ao nosso tempo.
    60 dias são o tempo que aqui autorizam uma mãe estar com o seu filho. 2 dias o pai com a mãe. Legalmente nem se pode escolher qual pode ficar com o filho, é sempre a mãe.
    Olhamos muito para os nordicos, e aqui em áfrica ainda temos tanto para aprender.
    olhando para os meus 60 dias (que contam desde que ponho baixa e não desde que o bebe nasce), considero os 120 dias, um luxo. Um luxo, e que na realidade continuam a ser poucos para a necessidade da mãe, e do nosso bebe.

    Bj
    vanessa

    Responder
  • Tenho apenas um filho e tenho muito presente todo este processo. Muito recente. Doeu-me muito e a ansiedade que me causou, a de deixar o meu filho para trás ao fim de 4 meses, e estar mais de 8 horas fora de casa, teve as suas repercussões em mim.
    A parentalidade ainda não é vista em pleno no nosso pais. Creio que não se ententem (ou não se querem entender) as necessidades que algumas de nós (e alguns pais) têm de estar mais tempo com os filhos.
    Todos somos pais e mães diferentes, cada um com a sua forma de estar na vida.
    Eu gostaria muito de poder acompanhar mais de perto o meu filho. De estar mais presente, porque passo mais de 10 horas por dia longe. E acho que seria importante, para mim, para ele e para o pai, que tivessemos mais tempo para sermos pais.
    Os paises nordicos estão muito à frante, mesmo.
    Mas redunda tudo no mesmo, na incapacidade de se compreender que o tempo que estamos a trabalhar não significa necessáriamente mais trabalho, e que há muitas medidas que podem ser implementadas pelas empresas que podem trazer mais satisfação aos colaboradores (o que invariavelmente resulta em mais produtiviadade).

    http://embuscadafelicidade.sapo.blogs.pt

    Responder
  • Bom dia. A minha bolha durará 150 dias..sinto que sabe a pouco..mas o que me custa realmente é saber que quando terminar, termina um período respeitador da parentalidade.
    Voltam os dias sem fim de horas de trabalho… Não é só para quem tem filhos mas para todos nós. .. se se respeitasse os horários de trabalho sem cinismo de quem fica até mais tarde è melhor , de certeza , que tudo custaria muito menos

    Felicidades!

    Responder
  • No meu ver a licença deveria de ser de 6meses (recomendado pra amamentar em exclusivo) e depois desse período devia-mos ter uma redução de horário pra metade.. (4h dia) até totalizar 12meses…a seguir, mais dois anos com redução de 2h/dia. . . Mas isto tudo sem cortes no salário…? E se possível com a companhia do pai. . . Pois acho que a licença é mt solitária. . .

    Na primeira gozei os 5meses e o pai mais 1mes, mas destas por motivos de trabalho, irei regressar após 75 dias…o pai vai gozar a restante licença.. ou seja, quase que não vou conseguir amamentar 4 meses em exclusivo (?) mas a vida é assim. . . Prega-nos partidas

    Bjinhos

    Responder
  • Gozei os 150 dias, e arrependo-me imenso de não ter ficado os 8 meses, mesmo com o impacto financeiro que implicava. Gozei as horas de amamentação até aos 12 meses. E hoje em dia, faço o meu horario e venho a correr para casa ter com os meus 3 filhos.

    A minha bebé tem 13 meses, já sei tudo o que vou perder e ter saudades. Ela ainda mama e eu ainda choro no wc do meu emprego quando sinto o leite a subir e penso nela a meio do dia.

    A licença devia ser de 12 meses, e depois ter a opção de horario reduzido, mas com uma redução salarial justa e não penalizadora.

    Responder
  • […] senti o tal “baby blues”. Aliás quando nascem sinto uma espécie de bolha de felicidade, como se flutuasse. Sinto-me num mundo paralelo em que tudo acontece ao ritmo e de acordo com a disposição dos meus […]

    Responder
  • […] senti o tal “baby blues”. Aliás quando nascem sinto uma espécie de bolha de felicidade, como se flutuasse. Sinto-me num mundo paralelo em que tudo acontece ao ritmo e de acordo com a disposição dos meus […]

    Responder

Escrever um comentário