Sonhos

Adriana (capítulo I)

Acordou cedo. Tomou um duche rápido. Perfumou-se. Vestiu-se devagar. Precisava de tempo para que a personagem entranhasse em todos os seus poros.
Olhou-se ao espelho. Abandonou a sua verdadeira identidade e saiu.
No elevador fez o primeiro telefonema do dia. O inevitável telefonema.
“O que tenho para hoje?”
“Ás 11h30 no Corinthia Alfa Hotel. Quarto 127. É um casal. Deve ser um momento especial. A rapariga telefonou várias vezes. Fizeram questão que fosses tu.”
Ainda era cedo. Conduziu devagar pela marginal. O carro dos seus sonhos.
Tinha dias em que detestava profundamente o que fazia. Noutros sentia-se verdadeiramente poderosa. Mas estava permanentemente consciente de que aquele trabalho lhe permitia concretizar pequenos (grandes) desejos materiais.
Estacionou no parque das Twin Towers.
Entrou no atrium do hotel e sentiu-se observada.
Compreendia naqueles momentos a conversa chata dos actores depois de cada estreia. Centenas de hoteis. Centenas de camas partilhadas. E naqueles segundos que antecediam a abertura da porta do quarto 127 os nervos revelavam-se na forma como mexia no cabelo. Inquieta.
Uma rapariga de estatura média abriu-lhe a porta. Tinha uns olhos expressivos. Gostou dela.
“- Entre. É de facto tão bonita como imaginei. O meu marido deve estar a chegar. Esta é a minha prenda de anos para ele. Estarmos os três.”

Continua….

Comentários (1)

  • Excellent, love it!
    »

    Responder

Escrever um comentário