Sonhos

Os meus diários

Quando me faziam aquelas perguntas estúpidas, como: “O que salvavas em caso de incêndio?” sempre respondi: “Os meus diários.”
Os meus diários são uma verdadeira preciosidade. São parte da minha vida.
Escrevi o meu primeiro diário com 8/9 anos. Desisti de escrever diário a partir do momento em que passei a ter medo que o lessem. Devia ter 17/18 anos.
Tenho muita pena de ter deixado de escrever.

Sonhos

Adolescência

Todos conhecemos a teoria de que existe sempre uma criança dentro de nós. A história de sermos eternas crianças.
Concordo sem qualquer objecção. Mas não me identifico com a ideia.
Tive uma infância feliz. Muito feliz.
Tive muito mimo. Muito amor. Muitos amigos. Brinquei. Arranhei-me. Desembrulhei presentes. Comi panquecas.
Mas a criança que fui ficou na minha infância. Adormeceu contente no meio dos brilhantes anos 80.

Sonhos

Responsável

– Foi o tempo que tu perdeste com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante.
– Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa… – repetiu o princepezinho para nunca mais se esquecer.
– Os homens já não se lembram desta verdade – disse a raposa. – Mas tu não te deves esquecer dela. Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que cativaste.

O Meu Diário

Saudades do meu rei

Saudades do meu rei…
Serás sempre meu rei. O rei do meu mundo.
Serás sempre o meu homem.
Há alturas em que as saudades doem muito.
Sinto falta do teu cheiro e da tua pele.
Sinto falta daquele pedacinho sem barba. Só meu.
Tenho saudades dos teus “castelinhos”.
Tenho saudades de andar contigo de mão dada na rua.
Sempre os mesmos caminhos. Exactamente os mesmos.
Foste. És o homem da minha vida.
O meu rei.

Sonhos

Prostituta

Prostituta. É um facto. Sou uma inútil.
Não faço rigorosamente nada.
Ser dondoca da classe média
tem um curto prazo de validade.
É preciso dinheiro para poder
não fazer nada.
“Não fazer nada” não dá dinheiro.
Conclusão: tenho que fazer alguma coisa.
Vender a minha capacidade produtiva.
Prostituir-me.