Maternidade

Dia da Mãe

Por ser Dia da Mãe e porque sou Mãe. Apesar de não ter aspecto de mãe (como ainda ontem me disseram). É normal que viva este dia de forma diferente. Não que lhe dê importância ou que me comova, mas sinto-me parte integrante deste dia. Porque sou mãe.
Concluo, no entanto, que a vivência deste dia depende muito mais de quem nos rodeia. Acredito que depende mais do homem com quem vivemos, do que do nosso filho.

O Meu Diário

30 de Abril 2010

Praia das Avencas
AA: 28 anos – Ganho 1350€ por mês. Estou casada.
NC: 32 anos – Estou em Portugal! 🙂 Estou casado (casei na igreja da Parede), tenho um filho.
AD: 30 anos – Estou grávida do meu segundo filho. Sou directora de uma empresa.
LC: 30 anos – Não sou casado. Ainda não tenho colação efectiva. Ando por ai. (realismo de professor)
CB: 32 anos – Estou grávida do meu segundo filho.

O Meu Diário

Naval 1º Maio promovido à Superliga

“(…) Naval 1º Maio garantiu hoje a subida para a Superliga, depois de concluída a 31.ª jornada da Liga de Honra.”
Hoje o meu Pai teria ficado imensamente feliz. Era raro ver o meu Pai sorrir. Habitualmente o seu rosto estava fechado e na testa instalavam-se três rugas. Mas quando ficava contente o seu sorriso era genuíno. Lindo.Hoje o meu Pai teria feito esse sorriso.

Sonhos

Silêncio, Morte, Sexo e Ciúme

Breves registos.
Gosto de ouvir o silêncio. Gosto de estar longe de tudo. Longe do mundo. Longe da cidade onde tudo acontece. Ali onde só se vê o azul do mar. Ali onde se ouve o silêncio. O silêncio é como a paixão. Ouve-se, cheira-se, sente-se.
Grandes privilégios da minha estranha qualidade de vida.
Poder ouvir o silêncio.
Do alto dequeles penhascos sente-se medo. Medo da morte. Em contraste com a beleza pode ver-se a morte.

Relações

25 de Abril (parte III ou 4 de Fevereiro de 2006)

Existem momentos mágicos em que a nossa vida passa a ser parte integrante de um filme de amor. E tudo acontece como nos filmes…
Enquanto o fogo coloria a escuridão dos ceús, acreditei numa paixão arrebatadora. Em que o macho pega na mão da sua femêa e lhe pede para ser sua mulher. Ali e agora. Numa carência deseperada para serem marido e mulher. Pertencerem um ao outro.
De repente a luz acendeu-se. O filme acabou.

Maternidade

25 de Abril (parte II)

Faz hoje três anos que rumei a Espanha numa carrinha de 9 lugares.
Faz hoje três anos que comi os piores caracóis da minha vida, numa tasca algures perdida em Cadiz, com uma casa de banho sufucientemente grande para saltar de alegria ao ver aqueles tracinhos vermelhos.
Faz hoje três anos que soube que estava grávida.
Hoje, como há três anos atrás, amo-te por me teres dito que era o dia mais feliz da tua vida. Porque também era na minha.

O Meu Diário

25 de Abril

Ensinaram-me a viver este dia. A respeitar a sua devida importância.Nasci quando a liberdade era já um dado adquirido.Aprendi que outros lutaram e morreram por valores fundamentais.Hoje espero conseguir transmitir ao meu filho que este dia não é apenas um feriado.Quero que ele sinta os cravos e os punhos cerrados. Quero que ele que entenda o Paulo de Carvalho a cantar quis saber quem sou, o que faço aqui….

Relações

Queres casar comigo?

Chegaram a casa já bebâdos. A noite tinha sido boa.
Sairam do carro de mão dada. Ele abraçou-a e sussurou-lhe ao ouvido:
– Queres casar comigo?
Ela sorriu. Não respondeu. Ele ajoelhou-se no meio da estrada e repetiu a pergunta.
– Quando acreditar na pergunta respondo, respondeu envergonha.
Nessa noite amaram-se loucamente.
Acordaram ainda sedentes de prazer. E amaram-se outra vez.
Abraçados, olharam-se demoradamente.

O Meu Diário

SPORTING

Não há melhor sessão de relaxamente do que extravasar emoções no estádio. Ver a nossa equipa ganhar. Gritar histéricamente (é um direito que assiste às mulheres), pular e cantar!!!! Chamar pelo Sá Pinto (com a esperança que um dia ele me dê a camisola a mim!)Comemorar cada golo com uma alegria irracional!O cheiro das bifanas. As imperiais. As buzinas e os cachecois.