Maternidade

Um elogio às mulheres que não querem ser mães.

mulheres que não querem ser mães

No domingo, dia da mãe, escrevi aquilo que sinto às mulheres que não conseguem ser mães. Nisto de ser mulher e mãe há outros pontos que são fundamentais (e escreverei sobre todos). Hoje quero deixar um elogio às mulheres que não querem ser mães.
Há condições sobre as quais podemos dizer o que pensamos mas não aquilo que sentimos. Eu sou mãe. É essa a minha condição.

PubliPost

Venha o bom tempo! Venham os piqueniques!

piqueniques

Vamos lá a saber quem mais é fã de piqueniques? Para mim é um conceito perfeito. Reparem: não gosto de comer à mesa, estou ao ar livre, permite que cada pessoa leve uma coisa que adora e partilhamos, a comida de piquenique é sempre deliciosa porque permite petiscar, há sempre lugar para mais um amigo.
Já escrevi várias vezes que adoro atum em (também já expliquei as mil e uma coisas boas que há numa lata de atum).

PubliPost

O que é que nunca falta cá em casa?

Amor, carinho e boa disposição, óbvio. Mas não só. Neste vídeo mostro-vos a espécie de cabaz de comida, aquele que juntamos no supermercado — Lidl, claro — e que alimenta esta família de cinco pessoas, tendo em conta os seus gostos, especificidades e, claro, necessidades. Vai ser tipo irem às compras comigo!
Por exemplo: Gonçalo não come carne há dois anos, ao contrário do Pedro e do Afonso que são verdadeiros carnívoros.

PubliPost

Aceitar o corpo que tenho significa dar-lhe mimo

aceitar o corpo

Leram o que escrevi ontem no instagram? Aceitação não é comermos todas as porcarias do mundo. Aceitação não é resignação, desmazelamento ou negligência. Aceitação é termos consciência e respeito por aquilo que somos, o que implica cuidados e carinhos com o corpo. Aceitar o corpo que tenho significa dar-lhe mimo.
Já escrevi sobre isto várias vezes e já estive dos dois lados.

Maternidade

Eu dou beijos na boca aos meus filhos!

Eu dou beijos na boca aos meus filhos

Eu dou beijos na boca aos meus filhos! Calma. Não concluam nada antes de lerem este post até ao fim.
Sempre fui radicalmente beijos na boca aos filhos. E, para todos os efeitos continuo a ser. Isso porque “beijo na boca”, dito assim, desta forma, é coisa do “bate pé” e de namorados. Mas pensemos nos países em que um beijo nos lábios é a forma de cumprimento.

Vida Saudável

Sustentabilidade. 6 formas simples de reduzir o plástico na nossa vida, que o Planeta agradece

Reduzir o plástico. 6 formas simples de reduzir o plástico na nossa vida

Há uma espécie de ilha de plástico do tamanho de França a flutuar nos oceanos. Ninguém esquece a imagem daquela baleia morta que foi encontrada com quilos deste material dentro dela. Há pouco tempo saiu uma notícia de que, só em 50 anos, o Planeta perdeu 40% dos seus animais. Tudo isto é absolutamente assustador.

O Meu Diário

Um auto plágio que acontecerá tantas vezes quantas precisar de ler este texto. 25 de Abril sempre

auto plágio

O post é repetido. Um auto plágio que acontecerá tantas vezes quantas precisar de ler este texto. Há 11 anos escrevi isto. No último ano aceitei que as memórias podem ser guardadas em lugares muito bonitos que não exigem a manutenção dos espaços. Serão para sempre os momentos que vivi naquela casa. As manhãs dos 25 de Abril que acordei com vista para o Tejo a ouvir isto. Essa casa serve agora para construir outros sonhos.

PubliPost

Momento filho único. Muita diversão com o Afonso no Alegro de Setúbal

Tenho três filhos, mas gosto da ideia do dia do filho único, de estabelecer um tempo em que a atenção esteja absolutamente disponível para esse filho: conversar, dar mimo, passar um momento verdadeiramente bom, seja o dia todo, durante umas horas, ao almoço ou ao lanche. Foi o momento filho único com o Afonso.

Voltámos a ter um dia só os nós os dois, mas deste vez no Alegro Setúbal.

Maternidade

4 jogos que podemos fazer com os miúdos enquanto estamos deitadas

jogos ideais

Choquem-se. Eu não gosto de brincar com os meus filhos. Demorei muito tempo a ser capaz de admiti-lo, mas é verdade e não há nada mais libertador do que sermos sinceros connosco mesmos. Adoro dar mimo, adoro ler para eles e sou excelente para arrumar — até porque não consigo lidar com a desarrumação. E adoro jogos (daqueles que são jogos ideais porque eu dou as indicações e eles fazem).