Amar o Corpo, segunda edição. Está quase!

0

Em Agosto, depois de muitos e muitos meses de estudo e preparação nascia o Amar o Corpo. Contei-vos a história de como nasceu este programa transformador. Agora preparamo-nos para o Amar o Corpo, segunda edição. Mas antes quero falar-vos da primeira edição.

Foram mais de 12 semanas (com as devidas paragens no Natal) em que trabalhámos em conjunto. Foram 12 lives de partilha, vulnerabilidade e evolução. Comovi-me muitas vezes.

Deixo-vos as palavras de duas das nossas queridas participantes.

Eu uso muito o evitamento. Quase nunca me senti sensual e bonita, poderosa e segura algumas das características que escrevi almejar com este programa. Desde que a minha doença progrediu e estou carregada de nódulos que crescem desmesuradamente no corpo em qualquer lado nos nervos e causam dor forte e crónica que tudo em relação ao corpo piorou. Principalmente no evitamento. Alguns deles estão em zonas cujo o toque pode e é doloroso e é muito desconfortável e automaticamente e confesso que inicialmente sem me aperceber ou seja já o fazia mas inconscientemente afastei possíveis relações, já o fazia antes da doença surgir em força mas nunca me apercebi como agora que tenho 36 e estou sem uma relação a muito tempo, sinto me tão mal que nem tenho coragem de dizer à quanto tempo, para verem o quanto é delicado para mim, evitar relações e intimidade é uma resposta de defesa embora que eu sei ridícula à ideia de sofrimento pela rejeição e quem mais se submete a essa rejeição sou eu e só eu. Eu acho que sempre soube disso, mas agora com o pegando é por demais evidente. Acredito que esta será uma das questões que mais vou ter o cérebro a sabotar e a querer minar a minha aprendizagem e crescimento. Mas vou conseguir, sobretudo comigo, vou conseguir. Já estou a conseguir. 

Tal como a D. foi a minha primeira experiência neste género de programas pela vulnerabilidade e fraca auto-estima que sentia em relação ao meu corpo. Entreguei-me de forma livre, pronta para vos acolher sem julgamentos ou críticas de ambas as partes. Não foi só amar o corpo este programa foi muito mais que isso. Foi conhecer mulheres, cada uma com a sua história e com a sua experiência e vulnerabilidade em amar o seu corpo, em ter problemas. Foi abrir uma gaveta dentro da minha cabeça que eu achava que tinha completamente fechada e “tratada” e considero que não está. Nem fechada, nem tratada. Emocionei-me muitas vezes. Fiquei a pensar muitas vezes depois das lives (e que esforço fazia as vezes para estar presente, mas compensava tanto). Consegui pela primeira vez na vida olhar-me ao espelho sem me julgar , aceitar as minhas linhas sozinha. 

Deixo-vos o desafio. Neste 2021 decidam investir em vocês, numa perspetiva de longo prazo. Tenho a certeza que virem nesta aventura será uma das melhores decisões da vossa vida.

Casta clicar para fazer a inscrição no Amar o Corpo segunda edição .

Comentar

O teu endereço de email não será publicado.