Tendências

Mini Mô: “A maternidade mudou a minha vida”

mini mô

Elisabete Vila Viçosa, 33 anos, criou, há dois anos, em conjunto com a filha, Guadalupe, 5,  um mundo de fantasia só delas. Há vários protagonistas mas as fadas são as principais.

“Acho muito importante estimular o imaginário com a fantasia. As fadas são místicas e nunca aparecem”, conta. “A Guadalupe sempre gostou muito desse ambiente. Quando fez três anos instalei-lhe no quarto uma porta de fadas. Quando ela se porta bem, elas deixam um miminho”, acrescenta.

Assumem um papel que vai além da diversão: “Permitem criar situações que transpomos para a realidade e que vão ajudando a entender o que está certo e errado ou a responsabilidade pelo outro.”

Foram as fadas que criaram a Mini Mô

As fadas permitem criar situações que transpomos para a realidade e que vão ajudando a entender o que está certo e errado ou a responsabilidade pelo outro

Foram estas mesmas fadas que estiveram na origem do nascimento de um novo projeto: a Mini Mô. Um dia Elizabete estava com a filha a construir um jardim num vaso para as fadas, com mesas de chá, cadeiras e outros pequenos objetivos. Publicou a fotografia no Facebook e alguém quis comprar: “Percebi que havia uma oportunidade de negócio. Estudei que plantas seriam melhores (as que não precisam de tanta rega) e quais os materiais mais indicados para os objetos, para não se estragarem com a água”.

 

Os jardins da Mini Mô constituem pequenos mundos mágicos, onde pode haver animais, dinossauros, arco-íris, flores, coelhinhos e outros elementos que o compõem – como palitos, pompons ou fitas – conforme aquele que for o pedido do cliente. O negócio funciona via Facebook e as entregas são feitas na Grande Lisboa. Caso haja muitas encomendas para outras zonas do país, pode abrir-se a excepção.

 

A mudança

Isto fez-me criar um grande elo com a Guadalupe. Brincámos muito nos primeiros anos. muita brincadeira nos primeiros anos

A vida de Elisabete deu uma volta no momento em que soube que ia ser mãe: “A maternidade mudou a minha vida, não só pessoal, como profissional.”

Trabalhava na área do marketing e da comunicação, mas o gosto pelos trabalhos manuais sempre esteve presente, tanto que a sua formação base é em animação educativa e sócio-cultural. Sempre gostou da parte cultural infantil associada ao teatro, artes plásticas. E este projeto foi como um retornar às raízes.

Sobre a mudança, Elisabete considera que quando há uma ideia e vontade “vale sempre a pena”, porque, por um lado, “trabalhar por conta própria é muito mais fácil do que antes” e, por outro, o máximo que pode acontecer “é não conseguirmos”. Caso assim seja, “só é preciso voltar atrás e começarmos a partir de onde deixámos.”

“Gostava bastante do que fazia, mas deixei de fazer porque fui mãe”, conta. “Eu estava há menos de um ano a trabalhar na fórum estudante e usufruiu da licença de maternidade. Como não exerci o ano de contrato com a empresa, não renovaram e não tive direito ao subsidio de desemprego”, relata. ”

Ficou “a zeros”, quando mais precisava, mas graças à sua rede sólida, escolheu ficar em casa três anos com a filha. Entretanto, surge a Mini Mô e pode manter-se assim. E ainda bem: “Isto fez-me criar um grande elo com a Guadalupe. Brincámos muito nos primeiros anos. muita brincadeira nos primeiros anos.”

Trabalhar com a Terra

Têm de saber esperar, acalmar e mexer na Terra para verem resultados. Têm de regar de 15 em 15 dias. Têm de cuidar da planta

Elisabete plantou a primeira árvore aos dez anos e sempre valorizou a terra. Hoje, os miúdos não brincam na rua, não têm contacto com a natureza, nem conhecem o seu ritmo. Com estes vasos decorativos, não só está presente um mundo de fantasia, como uma responsabilidade: “Têm de saber esperar, acalmar e mexer na Terra para verem resultados. Têm de regar de 15 em 15 dias. Têm de cuidar da planta.”

 

A maior parte dos vasos são infantis. O Afonso recebeu um Mini Mô com dinossauros e um planta carnívora (não se assustem porque só come insectos). Mas atenção porque já houve pedidos para adultos e pode ser uma prenda inesquecível. O sistema para encomendar é simples: basta ir vendo a página e observar aquilo que está a ser feito. Podem comprar-se os que estão a ser desenvolvidos ou fazer encomendas específicas, onde se decide um conceito e a Elisabete faz uma proposta, com cores e temas, e depois desenvolve um cenário com uma espécie de narrativa. Guadalupe faz uma espécie de consultoria e aconselha a mãe no decorrer do processo.

Acreditem. É uma prenda perfeita.

 

 

 

Relembrem mais histórias de inspiração: da Phancy ou a entrevista com Meik Wiking, o autor do “O Livro do Lykke – Os Segredos das Pessoas Mais Felizes do Mundo“.

Comentários (3)

  • […] Assumem um papel que vai além da diversão: “Permitem criar situações que transpomos para a realidade e que vão ajudando a entender o que está … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • .Ohh que giro!
    Faço muitos desses vasos, alguns aqui em casa outros em casa dos clientes, trabalho com o marido na área da jardinagem, mas nunca me lembrei fazer disto um negócio mais rentável.

    Responder
  • Boa noite,

    Gostaria de pedir uma proposta sem ser através do Facebook.
    Qual a forma, por favor?
    Obrigada

    Responder

Escrever um comentário