Vida Saudável

Recuperação pós-parto. Temos todas as mesmas condições?

recuperação pós-parto

Dizia uma seguidora do instagram perante um filme que partilhei no instagram (quando estava no exercício egocêntrico de tirar umas selfies pós-treino, como a que mostro no post) que eu estava a gozar com as outras mulheres em recuperação pós-parto. Respondi — como tento responder a todas a pessoas que me mandam mensagens — “gozar com quê?”

Assim em jeito de síntese respondeu porque “nem todas as mulheres tinham a sorte que o abdómen responda à dieta”, porque “nem todas tinham as minhas condições”. Ainda tentei perceber a que condições se referia. Mas percebi que a intenção não era conversar mas sim “chatear”.

Se todas as mulheres podem ir ao ginásio? Sei que não. Os ginásios custam dinheiro. E mesmo as versões low-cost podem pesar demasiado no orçamento de uma família. Para além disso, muitos ginásio não permitem levar os bebés o que impossibilita qualquer mulher que esteja em casa a tempo inteiro de ir treinar. Também sou realista e sei que ir muito cedo ou muito tarde (quando, às vezes, há outro adulto em casa) é muito bonito em teoria. Mas quase impossível na prática para quem tem mil coisas para tratar e muito cansaço acumulado. Treinar em casa também é uma hipótese. Mas, sejamos realistas, não é a mesma coisa em termos de motivação. No entanto, admiro muito quem tem disciplina para isso. Tenho imensa sorte porque posso ir ao ginásio. Porque o posso pagar e porque consigo ter tempo.

Tenho outros privilégios como poder usar um bom creme reafirmante [Velastisa reafirmante pós-parto] e fazer massagens, como as que faço com a Carina (só consigo ir de 15 em 15 dias) no Alegria Wellness SPA.

Se é destas condições a que a senhora se referia tem toda a razão. Nem todas as mulheres (e mães em recuperação do parto) têm as mesmas que eu.

Se falamos de “resposta do abdómen à dieta”, assim tipo “é genética”, terei que discordar. Somos todas diferentes, é verdade. Todas diferentes. Eu faço parte das mulheres de anca larga e barriga fofinha. Engordo da mesma forma que todas as mulheres engordam. Quando abuso no pão, quando como demasiadas pizzas ou gelados. Sim, a minha barriga (que também tem gorduras e estrias) desaparece se comer de forma saudável, com muitos vegetais à mistura. A minha barriga “responde” de forma positiva se comer a horas, comida no prato, bem mastigada, e muita água durante o dia.

Qualquer mulher – em pós parto ou nem por isso – tem a opção de fazer uma dieta saudável e observar as repostas positivas do corpo. Ter cuidado com o corpo é uma escolha possível a todos.

Partilho as minhas fotografias como forma de motivação (para os outros e também para mim mesma). Fiz (e faço diariamente) o meu exercício de aceitação e cuidado com o corpo e faço questão de falar sobre isto porque sei como pode ser positivo. Se apenas uma mulher decidir cuidar de si e gostar mais de si porque viu as fotos então a partilha já valeu a pena.

Pormenores relevantes do processo de recuperação pós-parto

Estou com o peso que tinha quando engravidei (cerca de 62 quilos) e tento treinar quando o somo deixa. não caibo na roupa toda mas já recuperei um par de calças (40). tenho saudades de correr e de fazer um treino mais intenso sem me sentir completamente fora de forma. a seu tempo.

(o meu primeiro post sobre a recuperação pós-parto: aqui.)

Comentários (27)

  • Haja paciência para as invejosas!
    Para quem seguiu o teu percurso desde início, sabemos muito bem o que lutaste para ter um abdominal de sonho. Hoje tens o corpo que tens porque fizeste por isso!
    As mal resolvidas e as fracas de mente facilmente atacam aquelas que elas tanto invejam.
    Continua assim Catarina que tens mais fãs a seguirem-te que gentalha dessa.
    Beijinhos e força 🙂 Obrigada pelas tuas partilhas diárias!

    Responder
    • Levo uma alimentação super regrada, porque como tenho imensas intolerâncias não posso fazer asneiras. Recuperei o peso que tinha quando o bebe fez 4 meses… mas perdi tonicidade e sinto que com este terceiro filho o corpo alargou! Se antigamente recuperava só controlando a comida, agora sei que se não fizer exercício que não vou chegar onde quero!! Preciso mesmoooo de arranjar forma de fazer ginástica!

      Responder
  • Parabéns! Muita forte.

    Responder
  • “Intensão” ? Não quererá dizer “Intenção” ?

    Responder
  • Sei que há a expressão “vergonha alheia”. Mas há a expressão “orgulho alheio”? Se não, acabo de inventar: é isso mesmo que sinto ao ver os seus posts! Muitas felicidades! Continue! E entregue da minha parte os maiores mimos à sua família linda <3 🙂

    Responder
  • Os meus parabéns! Acima de tudo é preciso ter muita vontade para conseguir ficar assim, em tão pouco tempo. Catarina, eu penso da seguinte forma, quando não temos condições, sejam elas quais for, temos 2 alternativas:

    Vamos à vida e lutar para tentar ter condições, para o que queremos ter ou fazer.

    Ou ficamos quietas no nosso canto, e não chateamos as pessoas com estupidez que nem essa senhora.

    https://www.comeragosto.com/

    Responder
  • Parabéns e obrigada Catarina! Adoro a sua motivação e força de vontade. Estou grávida de 4 meses e mantenho uma rotina semanal de exercícios (agora adaptados à gravidez) e felizmente posso frequentar um ginásio pois sozinha sei que não teria força de vontade para “malhar”. Espero no pós parto ter a sua força para seguir um plano e voltar ao meu peso e forma de antes da gravidez…ou se possível melhor 😉 ;). mas também acredito que um bom programa de exercícios e alimentação fazem milagres!! Ninguém engorda de ar e vento 😉

    Responder
  • Ola. Faltou lhe falar num aspeto…as mesmas condicoes em relacao ao comportamento dos retos abdominais. E isso varia de mulher para mulher. Sou magra (45kg), como muito saudavel e fiquei com barriga de 4 meses…ja tentei de tudo….inclusive os tao famosos hipopressivos….por isso nao se trata somente dos aspetos que falou acima. Beijinho

    Responder
  • As pessoas são mesmo muito más, se tem o corpo que tem a si o deve, abdica de coisas “boas” para estar em forma…
    Há pessoas que, acredito, seja mais difícil ter uma silhueta “perfeita” o metabolismo não ajuda, há as outras, tipo eu, que o metabolismo Até ajuda, mas que pouco se importa, o mais importante é sentirmo nos bem connosco.

    Responder
  • A Catarina está muito bem! Estou grávida de 26 semanas e até agora não engordei nada fora do normal. Espero também conseguir voltar ao que era antes rapidamente, embora odeie ginásios 🙂

    Responder
  • PARABÉNS Catarina pelo testemunho, exemplo e força de vontade.
    Não sei os outros, mas quanto mim, sigo o seu blog e instangram, porque acho lindo e motivador a forma como transmite as suas experiências e os seus testemunhos.
    Estou na 36 semana da minha 3a gravidez e busco nas suas palavras a motivação que preciso para me manter ativa, linda e feliz. Sim, porque podemos e devemos ser muito felizes com todas as nossas conquistas.

    Responder
  • Adoro seguir o seu blogue, adoro tudo o que escreve e em relação a este post concordo plenamente… Se houver força de vontade tudo se consegue. Eu não sou fã de ginásios, faço em casa, com muita disciplina, de segunda a sábado… Se é preciso mt motivação, é, mais que ir ao ginásio… perdi cerca de 20 kg em mais ou menos 1 ano e meio, nao fiz massagens, não gasto fortunas em cremes, basta mt esforço e gostarmos acima de tudo de nós, pois o resto vem por acréscimo, agora não façam o favor de não se lamentar por isto ou por aquilo, quando há força de vontade tudo se consegue.
    Um beijinho, tem uma família linda ?

    Responder
  • Muitos parabens!! Excelente a boa energia e motivação que transmite!! 🙂

    Responder
  • Por acaso eu também acho que a genética tem muito ver e também acho que por mais disciplina que se tenha às vezes é impossível do nada conseguir uma barriguinha pós parto perfeita. Digo isto porque da primeira gravidez recuperei facilmente, sem me esforçar muito (fiquei até com uma barriguinha mais bonita do que tinha antes da gravidez porque emagreci bastante) e da segunda fiz uma diástase que me impediu até agora de conseguir recuperar (não posso perder grande peso pois fico exageradamente magra de cara -o que me faz velha- e não posso recorrer a qualquer tipo de exercicios sem acompanhamento, pelo risco de formar uma hérnia)…. Ora só agora já com a pequena quase com 2 anos me vou entregar nas mãos de alguém para que me faça um plano para tentar pelo menos perder um pouco do pneuzinho… Apesar da minha opinião, que vale o que vale, eu seria incapaz de a criticar e percebo perfeitamente que a intenção era mesmo dizer a algumas meninas que se queixam do corpinho pós parto que o esforço é gratificante…. não entendo que alguém perca o seu tempo a criticar alguém que tem orgulho do seu trabalho e esforço, mas enfim…resta-lhe ignorar essas pessoinhas…..

    Responder
  • Pois então considera que a tua partilha valeu muito a pena. É que o teu primeiro post sobre a recuperação pós-parto motivou-me e muito.

    A Leonor tem sensivelmente mais um mês do que a Maria Luíza e eu estou looooonge de ter essa forma física invejável.

    Mas depois de ver a tua foto decidi que estava na altura de fazer alguma coisa para mudar. E assim, decidi começar a treinar em casa, seguindo o metodo BBG da Kayla Itsines. Vamos ver como corre…

    Responder
  • Parabéns!!! está optima! tem sido uma inspiração…j´agr qto mede?

    Responder
  • Boa tarde,
    Sei bem o que pode ser o “drama” da recuperação pós-parto. Agora, após 6 meses do nascimento do Gabriel já só falta 1 kg para ter o peso que tinha aquando de ter engravidado. Sinceramente não estou muito preocupada com este “+1 kg”. A barriga está quase na normalidade e, à semelhança da primeira gravidez estou a ficar em melhor forma que estava antes da gravidez.
    Nem todos temos as mesmas oportunidades mas todos temos vontade e por mais que o dia-a-dia custe, o sono nos tolde as capacidades, as hormonas nos ponham os nervos em franja e/ou demais condições adversas. A minha realidade financeira não é fácil mas tenho uma pessoa a meu lado que me diz “fazemos mais este esforço para te sentires bem”… Força aí a quem quer lá chegar 🙂

    Responder
  • Olá, começei a segui-la recentemente porque estava tb gravida e em casa..aprecio imenso a clareza com que escreve e como conta as coisas sem floreados..e sim faço as massagens e exercício raramente (o tempo não estica e a falta de sono desmotiva), mas 2 meses depois visto 1 par de calças e algumas camisolas… Mas quando acabar a amamentação fazemos uma dieta mais restritiva um bocadinho e tudo volta ao normal:)!
    Obrigada pela motivação!

    Responder
  • Já a sigo à algum tempo, primeiro que tudo parabéns pela bebécas linda:) Fui mãe pela primeira vez à cinco meses, de uma bolinha de bebé.. O problema é que para além da minha filha ser uma bolinha aqui a mãe da cria também ficou uma bola, tinha 60kg no início e no final estava com 85kg..agora estou nos 69kg e daí não consigo sair sem realmente mudar, mudar a minha mentalidade preguiçosa e mudar os meus maus hábitos alimentares, óbvio que o ginásio e treino são muito importantes, mas penso que o essencial mesmo é mudarmos a nossa alimentação, e penso que para tal, todas nós temos condições.. É só re-aprender a comer.. Isto tudo para dizer que realmente é bom ‘seguir’ pessoas como a Catarina, com força de vontade, mas que não fazem disso um conto de fadas cor-de-rosa, até demonstram as ‘verdades chatas’ do dia a dia.. E por isso um muito obrigada:) um beijinho grande para as princesas.

    Responder
  • Eu fui dos 65 aos 90 desta vez porque na outra gravidez deixei logo 11 na maternidade e perdi os outros em duas semanas. Esta convencida que aconteceria o mesmo, mas não…cheguei a casa com menos 4 só. Passaram 4 meses, ainda não voltei ao ginásio mas já tenho 67. Já agora Catarina, já tem.o seu peso de antes da gravidez mas a roupa não serve?

    Responder
  • Catarina, não é creme reafirmante (reafirmar é afirmar novamente), é “refirmante”. Beijinhos

    Responder
  • A pessoa que falou de nao termos todas as mesmas condições estava bem certa. Oh Catarina, mas acha mesmo que todas as pessoas que durante mais de 30 anos se desleixaram de repente se lembram de corrigir a vida e fazer exercício e ficam como a Catarina em 6 meses, que até os abdominais já tinha marcados?? Acha mesmo que todos os corpos respndem igual? Já observou a maioria dos corpos das mulheres? Acha que são todas umas desleixadas? Não equacionam sequer que muitas delas fazem o dobro dos sacrifícios e nem assim? Sabia que as peles são distintas, a genética distinta, que há quem perca peso e fique otima, quem perca e fique para sempre com a pele pendurada e flácida, quem com muito menos consigo muito mais resultados, quem consiga queimar gordura e quem por mais que se mate não, que fica com acumulações que só mesmo cirurgicamente saem. Quando vai à praia e olha a esmagadora maioria das mulheres com filhos, maioria mais nova que a Catarina (nao falo de praias como a Comporta, onde 80% das pessoas que vão vivem da imagem e usam um cantê), acha o quê? Que estão todas deformadas porque são todas desleixadas? Acredito que pense que isto é mentira porque bom para si que tem mesmo, tem acredite, sorte genética. Podia ter feito exatamente tudo o que fez e até mais e ter ficado deformada para sempre, com barriga de 5 meses para sempre, sem definição. Talvez eu se tivesse essa sorte também concordaria consigo. Mas não e vejo diariamente outras mulheres que ora fazem parte do seu grupo, dos corpos que respondem, das acumulações de gordura que reagem, da parede abdominal que não rompeu; ora fazem parte do outro grupo. Os exemplos vê-os diariamente à sua volta…há professoras de fitness, que não despertaram só ontem para o exercício e que 6 meses depois de terem os filhos estão piores que a Catarina duas semanas depois. Porque os corpos são diferentes. Há mulheres magras, que ficaram com o corpo e parede abdominal deformada para sempre. Que ficaram com a pele descaída para sempre. As nádegas uma miséria, descaídas para sempre (vi a Catarina a usar cueca cavada no final da gravidez com um rabo mais firme que o meu aos 20 anos, que sempre fui atleta até essa idade). Que podem matar-se e ao fim de 3 anos continuarão com mais barriga que a Catarina duas semanas depois. E não entender que isto não é uma relação direta, que não é faz x e tens resultados y, é patrocinar algo que não é verdade, é frutrar as que não têm a mesma sorte, as que acreditam no que está aqui a dizer, vão à luta e não vêem resultados, as que mesmo que façam dez vezes mais terão dez vezes menos resultados. É louvável o seu esforço, mas está bastante equivocada quanto à relação direta esforço-resultados. Até porque manter o foco quando se tem resultados é muito simples. Mantê-lo quando se vêem meses, anos a passar e se compreende que não há mesmo melhorias, isso é que não é para toda a gente.

    Responder
    • Ana, as mulheres são todas diferentes. Eu tenho celulite e gordura – mesmo que não se veja nas fotos. Se visse o meu rabo ao vivo não lhe parecia tão firme, garanto. Defendo apenas que todas as mulheres podem cuidar do seu corpo.

      Responder
  • Olá! Só p dizer q gosto muito de si e q sinto q a compreendo embora seja tão diferente de si em alguns aspectos. Eu sempre fui gorda.Mesmo gorda. Tenho 3 filhos e engravidei sempre já sendo muuiiito gorda. Nas gravidezes não engordo nada(7,8kg +/-)e quando tenho os bebés fico logo c o peso antigo…90kg!!!!!Ah,ah,ah! Não é p rir? Não…. Mas sou feliz. A Catarina é feliz e isso é o mais importante! O peso, a altura, o tamanho do pé ou do soutien….não nos podem impedir de viver a vida. Gosto de si,gosto de partilhar da sua vida,faz-me sorrir,chorar de emoção… Mesmo c os meus muuuiiiitos kg a mais.

    Responder
  • Parabéns Catarina, estás ótima e continua assim, és uma inspiração!
    “Estas” mulheres que acham que são umas coitadinhas e que “as outras” só estão em forma porque “têm muitas condições” não querem melhorar, querem desculpabilizar-se por não terem a auto-motivação suficiente para porem um plano em prática. Digo isto porque também pensava assim. Neste momento, não ando no ginásio (porque não tenho horário para isso) mas treino 5/6 vezes por semana, sozinha, sem PT (corro sozinha e faço treino funcional, sozinha, em casa). Levanto-me às 5 da manhã para esse efeito porque entro no trabalho, a 45/60 minutos de distância, às 08h00 da manhã. E consegui ficar em melhor forma do que quando andava num dos melhores ginásios de Lisboa – culpa minha e da minha (falta) de motivação na altura. Percebi que a mudança tinha de partir de mim, sem a ajuda e motivação de ninguém. Procurei na net um plano fitness que se adequa às minhas necessidades e ponho-o em prática, sem desculpas. Procurei informação e alterei, moderamente, a minha alimentação. Sem nutricionista, sem gastar dinheiro. Por isso, por favor, não arrangem desculpas para a falta de auto-motivação.

    Beijinhos!

    Responder

Escrever um comentário