Relações

“conheceste o teu marido na internet?”

marido

Ontem fui ao programa Grande Tarde falar da minha história de amor. E, sim, conheci o meu marido na Internet. O convite surgiu a propósito de uma grande reportagem da jornalista Raquel Marinho – Tu que buscas companhia – sobre as novas aplicações para encontros. O A. não tinha visto a reportagem mas ontem viu o programa e esta manhã repetia: onde encontraste o Pedro? Como se fosse uma piada.

Eu e o Pedro cruzamos-nos na internet. Digo que nos cruzámos porque falámos muito pouco de forma virtual. Foi uma sorte. É aquilo que repetimos muitas vezes, mas acho que nisso, seja na internet, seja na vida real, num jantar de amigos comuns ou no local de trabalho, é uma questão de oportunidade e momento. E conseguir tudo isso, é uma sorte.

Fica o link de ontem-. Eu tenho alguma dificuldade em aceitar o tamanho das minhas bochechas, mas a declaração do Pedro, do meu marido, valeu todas as caras tontas que fiz para tentar controlar a emoção.

Já casamos duas vezes e tivemos uma filha.

O sentimento pelo meu marido é este. Sempre.

É muito fácil escrever sobre ti. É muito fácil escrever sobre nós. a nossa vida juntos é muito fácil. Mesmo com a tua surdez e o meu mau humor. Mesmo com o teu sono pela manhã e o meu sono à noite. Mesmo quando a Maria Luiza chora muito alto, exatamente quando o A. pede que brinquem com ele, e o G. está a estudar. Mesmo no caos, mesmo nos defeitos, é fácil. Não quero saber do que dizem. isto é o meu diário. e eu quero escrever sobre ti. Quero escrever para ti. e até quero – um dia, muito velhinha, casar de noiva contigo.

E já que falamos em marido e internet, aqui fica a história completa.

Foto: Marta Dreamaker

Comentários (8)

  • Vi agora. Estou a chorar, o que adoro ver o vosso amor em família, amor um pelo o outro, a vossa energia contagia e emociona! ❤
    Quando casaram, disse para mim : queria era ver um filho deste amor. Aconteceu (sou das que ficou mega feliz mesmo sendo o terceiro pai diferente, é o que escolheste e o que te faz feliz, o resto é conversa, e o que interessa é o amor ! ) Agora com a miúda quase cá fora só me resta desejar muito amor! E que sejam felizes ❤ obrigada pela partilha constante
    Beijo enorme,
    Carolina Melo

    Responder
  • Não conheci o meu namorado atual na internet, já nos tinhamos cruzado, mas foi na internet que começámos a falar mais.
    Já conheci um namorado antigo através do mIRC e muitas outras pessoas interessantes através da mesma plataforma. Só tenho experiências positivas desses tempos (embora não necessariamente românticas). Conto uma dessas histórias aqui: http://www.vinilepurpurina.com/2016/06/12/tag-20-musicas-musica-me-lembra-alguem/

    Responder
  • Lindo!

    Responder
  • As caras da Catarina ao longo da entrevista dizem tudo. Muito, muito bonito 🙂

    Responder
  • Olá Catarina! Não tenho memória se já alguma vez comentei o teu blog, mas leio-te desde a altura em que ninguém te lia e em que o blog era muito mais pessoal e de desabafos 🙂
    Todas as tuas dicas de poupança são um must para mim e as tuas inseguranças fazem-me ver como não sou a única (se uma mulher linda – mesmo quando eras mais gorducha – tem inseguranças, então eu também posso ter…)
    Mas este comentário é sobretudo para te mostrar como quem te lê, e que não te conhece de lado nenhum, consegue ficar feliz com as tuas vitórias. Eu namoro há quase 3 anos, ouço mil vezes pressões para casar, mas foi o teu casamento o único que me fez pensar que “epá, assim até casava”. E o teu amor “pouco convencional” fez-me ver que todos os amores são dignos desde que venham do âmago da alma. E a tua barriguinha linda, o teu ar sereno e as tuas bochechas e sorriso radioso de grávida, fazem-me ver que não interessa se são 3 pais diferentes. Interessa que foram 3 gravidezes amadas. Interessa que assim há mais família, mais rede de amparo.
    Espero que sejas sempre muito feliz e que tudo te corra bem.
    E quando estiveres mais em baixo, espero que te lembres deste comentário que foi (quase literalmente) escrito com o coração – e que acho que está um bocado esquizofrénico – e destas palavras: sou mulher e muita da confiança que tenho hoje, ganhei-a ao perceber que até tu – mulher linda – tens inseguranças.
    A rainha do “não cliché” salvou a minha vida do medo de não corresponder às espectativas. Afinal, pode ser-se feliz de outra forma 🙂

    Responder
  • Olá, adorei……eu tb conheci o meu marido na net, vai fazer 8 anos….ambos quarentoes,e eu k dizia k nunca me casaria!!!!!!!!!!! Inseparáveis desde logo,fomos viver juntos…casamos pelo civil ano passado com 49 anos ambos no dia de aniversario dele.somos mto felizes.

    Responder
  • As bochechas ficam-lhe muito bem. Acompanham a rigor o ar apaixonado e de bem com a vida que a Catarina espelha. Parabéns pelo testemunho, que ainda há histórias de amor 🙂

    Responder
  • Adorei Catarina!
    Acho mesmo que onde quer que se encontre alguém é uma sorte, e não deve haver estigma nenhum relacionado com sites de encontros ou aplicações online. Já agora deixo aqui o link do meu blog onde escrevo sobre encontros e relacionamentos online: http://site-encontros.pt

    Responder

Escrever um comentário