Dieta das Princesas

é verdade: a corrida salva

“A frase não é nova, a frase nem sequer é original, mas é exatamente aquilo que sinto: a corrida salvou-me.
Quando, há dois anos, decidi que não podia continuar a usar a comida como compensação dos vazios e das angústias, encontrei na corrida a minha maior aliada.

Em termos físicos, correr dá-me a resistência e uma capacidade cardiovascular que preciso para me sentir bem. Para quem perdeu peso [e tem uma relação pouco resolvida com a comida, com alguma tendência para o exagero em termos de quantidade] a corrida é um equilíbrio porque gastamos aquilo que, em alguns dias, consumimos em excesso. Mas correr é muito mais do que isso.

Enquanto corro sou apenas eu e o meu corpo. Enquanto corro sou obrigada a conversar comigo (e como é complicado sabermos conversar com alguém que conhecemos tão bem). Enquanto corro sou obrigada a reconhecer as dores e o cansaço, a posicionar correctamente o corpo, a controlar respiração, a ultrapassar os instante que me apetece parar, a comemorar cada superação.

“O som da minha passada e da minha respiração têm acompanhado várias arrumações, mais ou menos dolorosas, daquilo que estava perdido e desalinhado na minha cabeça”, escrevi há mais de um ano. “Usei muitos dos quilómetros que corri para fechar assuntos pendentes, carente de momentos existencialista, com muitos porquês e respostas adiadas”.

Correr é a melhor terapia. Numa aparente contradição o cansaço da corrida é aquilo que mais descansa. É uma recarga de energia física. É quilómetros de arrumação desta arca encantadora e complexa que é a nossa cabeça. O meu filho, consumidor atento de um famoso youtuber português, costuma dizer que “bacon é vida”, eu corrijo: “correr é vida”.

foto: Mariana Sabido

Comentários (9)

  • Catarina, obrigada por colocares por escrito tudo o que sinto em relação a correr 🙂
    um beijinho

    Responder
  • Acho que este post me chegou na altura certa, obrigada pela motivação!

    Responder
  • é mesmo isto…nunca tinha pensado muito a fundo do porquê de gostar tanto …mas é isto!!!!!
    bjs

    Responder
  • È preciso é encontrar soluções.
    Mark Margo
    http://www.markmargo.net (site de celebridades e com sessões fotográficas)

    Responder
  • Olá Catarina.
    Gostei do post. Mas isto de colocares hiperligações para a compra de lentes é uma chatice!
    Uma pessoa carrega no link à espera de ser direcionado para outro dos teus posts maravilhosos e dá de caras com as lentes de contacto! Em todas as palavras?!
    A sério, compreendo que é o teu emprego, mas não acho correto!
    Senti-me, de certa forma, enganada!
    Pronto, é a minha opinião…
    Beijinhos

    Responder
  • […] quase dois anos comecei a sentir o joelho esquerdo de uma forma pouco agradável. a corrida tinha-se tornado o meu momento de escape, a minha nova forma de lidar com a ansiedade &#82…, e a minha ajuda para […]

    Responder
  • Quando comecei a correr fi-lo por gosto. Não porque precisava de perder peso. Sou magra. Muitas vezes criticada e incompreendida por adorar isto. Obrigada pela sua partilha ❤️

    Responder
  • […] se tornou um ritual todos os anos. Quem me segue sabe que a corrida me salvou. Poupou-me horas e dinheiro em terapia, porque me ajudou a arrumar tudo o que estava desarrumado na […]

    Responder
  • […] se tornou um ritual todos os anos. Quem me segue sabe que a corrida me salvou. Poupou-me horas e dinheiro em terapia, porque me ajudou a arrumar tudo o que estava desarrumado na […]

    Responder

Escrever um comentário