o meu diário

entre “não fales mais do assunto” e “isto não pode ficar assim” fica a oração

cada vez que o assunto é amamentação fico impressionada com o nível dos comentários. eu não sou activista do assunto embora seja uma enorme defensora das qualidades do leite materno. admito o acto de coragem e de superação de algumas mães a quem a amamentação corre menos bem e insistem. acho que um bebé a ser amamentado é uma imagem lindíssima mas isso é um gosto pessoal e não espero que seja partilhado. foi esse gosto que há uns anos fez nascer, com o fotógrafo Tiago Figueiredo, o projecto Loove.

Amamentar é muito mais que alimentar. São muitos verbos que aqui cabem. Na verdade, amamentar não devia ser um verbo, nem sequer um nome comum, como mama. Seria um nome colectivo para tudo aquilo que uma mãe transporta: mimo, protecção, cumplicidade, sustento. Amamentar é um sinónimo de amor.

O Loove tem como único objectivo mostrar a beleza deste acto de amor. E dar a conhecer os protagonistas destas histórias de amor. Que, como todas as outras verdadeiras histórias de amor, têm muitos começos, momentos complicados e dias bons, mas sempre um final feliz. Loove é isso.

Amamentar não define uma mãe. Admiro uma mãe que dá de mamar enquanto ela e o filho se sentem bem da mesma forma que admiro uma mãe que escolhe não dar mama. Ser mãe não é dar mama. Admiro a mãe que dá mama em qualquer lugar e aquela que só dá em casa, admiro mãe que expõe o peito como aquela que o tapa. A forma como amamentamos não define nada.

Mas não entendo, juro que não entendo, a raiva com que algumas mulheres falam das outras mulheres. Não entendo que alguém que critiquem as mulheres que dão me mamar dizendo que é exibicionismo, não entendem que digam que “já farta”, ou que comparem dar de mamar a fazer xixi.

Às pessoas que tratam a amamentação sem pudores como algo sujo ou vergonhoso apresento a Senhora do Leite. E acrescento ainda esta oração. Não sou católica mas deixo-vos com os anjos.

Senhora do Leite e Bom Parto, mãe amorosa do Menino Jesus e minha Mãe, escutai a minha humilde oração. Sei que Vosso coração de  Mãe conhece todos os meus desejos, todas as minhas necessidades, só Vós, Virgem Imaculada, e Vosso Divino Filho são capazes de entender os sentimentos que enchem a minha alma. Vós que tivestes o sagrado privilégio de ser a Mãe do Salvador, intercedei junto a Ele agora, minha querida Mãe, para que, segundo a Sua vontade, eu  possa ser uma mãe, ou mãe de outros filhos enviados por Nosso Senhor. Isso eu peço, a Vós, Senhora do Leite, em nome de Vosso Divino Filho, meu Senhor e Redentor. Amém

Comentários (13)

  • Eu adorei amamentar, ele nao gostava muito, so mamava porque tinha fome mas adormecia 5 minutos depois, ate que um dia aos 9 meses de vida desatou num berreiro como quem diz: Basta! Enough! E eu fiz-lhe a vontade 🙂 Continua a fazer um festa ao biberão 🙂 Definitivamente os bebes nao sao todos iguais… sao como nos 🙂
    Excelente post, adorei a oração e as estatuas 🙂
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk/

    Responder
  • […] Amamentar é muito mais que alimentar. São muitos verbos … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Como comentei no seu post abaixo, a questão da amamentação é a lavagem cerebral desnecessária a que se assiste hoje em dia, a série de fotos propositadas a amamentar desnecessárias. Não me lembro de ver pessoas a dar de biberão e a tirar tanta selfie. Acho que a essência está correcta, mas depois cai-se no exagero de mostrar ao mundo algo que deveria ser resguardado, porque não só é o nosso corpo como também ninguém tem interesse em ver fotos de mulheres a dar de mamar. Atenção, não digo que haja pudor, mas sim discrição. A selfie a mamar acaba por ser mais importante para a mãe do que o acto em si que ela quer tanto exibir.

    Responder
    • Resguardado??? Mas porquê que te tem de ser resguardado? Não me diga que vai dizer também que é um “ato íntimo” e que por isso não deve ser feito em público! Só porque mostra parte do corpo da mulher? Então mas se é a forma como o bebé/criança se alimenta, é a coisa mais natural do mundo. Tão natural como dar o biberão. A necessidade das fotos muitas vezes tem a ver com o esforço de mudar mentalidades. Duvido que seja por exibição!!!

      Responder
    • Já viu a quantidade de fotos que se tiram a pratos de comida? Ou a jantar ou almoçar em restaurantes…. já para não falar de photos em frente ao espelho, ao por do sol, à praia, Nos provadores de roupa, a tudo…. pois a amamentar, beijar, mascarar o filho no carnaval, comer um gelado, ir ao ginásio é vida. A vida que se expõe e resguarda como se quer. Amamentar não é um segredo, um resguardo ou algo que se deva guardar para que ninguém veja ou saiba, amamentar é comer, e todos os dias comemos na rua, em casa, no metro, num café com mil pessoas a olhar! O mal como sempre está em quem vê. É triste que sejam as mulheres as mais críticas e ferozes neste tema e tanto se derubem umas às outras!

      Responder
  • A minha filha tem 10 meses e amamento-a com todo o gosto!! não me escondo, não tenho de o fazer!!!
    Fase bonita e feliz da minha vida, puro amor!!

    Responder
  • Serei mãe em breve e espero muito poder e conseguir dar mama pelo bem q lhes faz, pelo tão natural e porque é isso que o meu coração me pede… Se n o conseguir continuarei a apoiar todas as mães a amamentar… O leite artificial é fantástico e salva muitas vidas, mas também é uma publicidade economica tão grande… ☹️

    Responder
    • Publicidade em que sentido? Quando não há leite materno é a única alternativa. Julgo que ninguém deixa de dar mama para dar leite adaptado pela publicidade. É uma necessidade, não existe alternativa quando não se pode dar de mamar.

      Responder
  • Catarina espero que continues a falar no assunto, não o deves encerrar porque é importante para que deixemos de sentir discriminadas quando temos que amamentar os nossos filhos num local público e sentimos os olhares discriminatórios em cima de nós… Ou comentários como “não pode fazer isso na casa de banho ou no muda fraldas?” “Você come na casa de banho? O meu filho tb não” Neste momento pode-se tudo, decotes a mostrar quase tudo, mas meia maminha com um bebé a ser alimentado é chocante. Por amor de Deus e da Sra. Do bom leite e do bom parto…

    Responder
  • Sou mãe e amamento. Não o faço em público porque tenho vergonha e porque a minha filha se distrai e não mama. Admiro e apoio todas as mães que colocam fotografias nas redes sociais. É preciso. Para mudar mentalidades, para passar a ser banal, e abraçarmos a nossa natureza em toda a sua graça. Para que pessoas como eu deixem de ter vergonha. Para que os julgamentos sobre a amamentação acabem. Mamar em público. Mamar à noite. Mamar depois dos 2 anos. Mamar é normal! Somos mamíferos. Obrigada por continuares a falar e fotografar até que passem os enjoos.

    Responder
  • Antes de começar o meu comentário afirmo que sou a favor da amamentação, amamentei e vou amamentar tanto quanto puder e o meu bebe assim o quiser e for feliz com a minha opção! (porque na verdade, em ultima analise, será sempre a minha opção ou possibilidade)
    No entanto gostaria de fazer um apelo.
    Infelizmente os “julgamentos” sobre a amamentação não se esgotam em criticas sobre amamentar em publico, ou demonstra-lo ao publico, pois, uma coisa é certa, independentemente de vozes contra ou a favor da sua publicidade, é consensual que amamentar é, para além da sua importância natural e fisiológica, uma das melhores coisas que acontece na maternidade quer para o bebe quer para a mãe (desde que tudo corra bem)!
    Porém, infelizmente, nesta defesa desenfreada sobre a amamentação, e torna-la publica ou não, chega a cair-se no absurdo antagónico de criticar desmedidamente quem, por razões várias, não amamenta ou não consegue mais amamentar. Estas mães, as que não amamentam, são, não raras vezes, alvos de verdadeiras lavagens cerebrais, atestados de incompetência, desdém, diria mesmo que são alvo de algo semelhante a bullying, que começa desde logo nos centros de saúde, cresces, média e por aí fora…estas mães, mais do que as que mostram o peito a amamentar, são muitas vezes consideradas “mães menores”, censuradas e menorizadas, mas destas criticas não se fala!
    Da mesma forma que devemos esclarecer sobre as inúmeras vantagens que advêm da amamentação, enaltecer e, se for necessário, defender quem quer e consegue amamentar – em publico ou privado, isso são pormenores que cabem na consciência, discernimento e vontade de cada uma pois, na verdade, é uma não questão, quando o que importa é de facto amamentar – seria também muito importante falar e esclarecer, sobretudo as mães que não amamentam, que não amamentar, seja porque razão for, não torna ninguém uma incompetente, ignorante e, muito menos, uma Mãe menor!
    (falo disso porque, amamentei (e vou amamentar futuramente) porque assim o quis, tanto quanto pude, mas sempre com grande dificuldade e muito por teimosia, insistência e persistência minha, mas, ainda assim, sempre que vacilava por causa das dores nas feridas do peito ou porque percebia que os meus bebes não estavam confortáveis e continuavam com fome e socorria-me dos suplementos, não me faltaram olhares de desdém, criticas pesadas, atestados de incompetência e uma enorme pressão social, psicológica e emocional , como se, por esse motivo fosse uma Mãe menor! só que não!)

    Responder
  • Lindas imagens:)
    Linda oração:)

    Responder
  • O mais triste é que quem critica normalmente são outras mulheres. É lamentável precisarmos de validar as nossas escolhas criticando os outros. Mais amor por favor.

    Responder

Deixe um comentário