vontade de chorar
o meu diário viver família

vontade de chorar: quando o cansaço ganha

no sábado, ao final do dia, depois do workshop, doía-me tanto a cabeça que só me apetecia desaparecer. sabemos que quando temos filhos a hipótese de desaparecer não existe. obviamente podemos pedir ajuda. mas foi de um instante para o outro. todos os pequenos barulhos começaram tornar-se insuportáveis. eu continuei a tentar gerir. era final do dia e numa casa nova. ao final do dia o cansaço está acumulado, a Maria Luiza está menos paciente e estávamos numa casa em que não posso larga-la da mesma forma porque não tenho os perímetros de segurança definidos (como aqui em casa) e a miúda detesta estar presa.

no sábado, ao final do dia, dei uma resposta torta ao Pedro, enquanto a minha cabeça rebentava e eu negava que precisava de me esconder durante uns minutos. na verdade até precisava mesmo era de me esconder com o Pedro. pedi-lhe desculpa, abracei-o e pensei, enquanto organizava todas as etapas que faltavam para ir deitar os mais pequenos e ficar deitada, que só me apetecia chorar. só tinha vontade de chorar.

no sábado, ao final do dia, tive a certeza que o cansaço tinha vencido. que sensação desesperante.

se me perguntassem “o que precisas?”, “o que posso fazer por ti” eu responderia apenas “só me apetece chorar”.

não chorei. o Pedro deu banho aos miúdos. deitei-me com eles e adormeci muito cedo.

não chorei mas devia ter chorado porque faz bem ao corpo e ao que chamam alma.

às vezes o canso ganha e não há mal nenhum em deitar a toalha ao chão.

Comentários (9)

  • Poderia ter sido eu a escrever este texto…Há dias assim…até as vozes das pessoas são insuportáveis e o silêncio é o verdadeiro xanax 😙

    Responder
  • […] no sábado, ao final do dia, depois do workshop, doía-me tanto a cabeça que só me apetecia desaparecer. sabemos que quando temos filhos a hipótese de desaparecer não existe. obviamente podemos pedir ajuda. mas foi de um instante para o outro. todos os pequenos barulhos começaram tornar-se insuportáveis. eu continuei a tentar gerir. era final do dia e numa casa nova. ao final do dia o cansaço está acumulado, a Maria Luiza está menos paciente e estávamos numa casa em que não posso larga-la da mesma forma porque não tenho os perímetros de segurança definidos (como aqui em casa) … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Solidária contigo…
    Também sou mãe de três. 6 anos, 2 anos e 14 meses. Três filhos. Não trabalho. Fico em casa com os bebés e com a mais velha a partir do almoço. A bebé está muito dependente, explora pouco e prende me a pequenina liberdade de poder andar pela casa á vontade sem choro. muito colo para evitar lágrimas. Noites duras. A mais pequena não aceita ficar com ninguém. É impensável ir almoçar fora com o marido sem filhos. A pausa não existe. Não existe rede de segurança que sirva á bebé que não eu.
    No fim do dia, apesar do cansaço, quando se instala o silêncio, supera-se o cansaço e fica-se e resiste-se ao sono só para gozar de instantes sem fazer nada e em silêncio sem crianças e bebés. Porque faz falta. E porque nem de dia nem de noite há pausa.
    É uma fase. As noites vão melhorar. E ela ficará mais auto confiante e vai largar-me. Há de chegar o dia em q poderei almoçar ou jantar cy o meu marido. E poderei dormir… Dormir!!!!
    Um abraço de compreensão…

    Responder
  • Aqui foi Domingo…mas chorei 🙄 não aguentei…depois de tanto aguentar 😏

    Responder
  • Tanto.. Que ando a negar que na verdade só me apetece chorar tantos dias… Tal é o cansaço que também por aqui mora. Bj

    Responder
  • Não faz mal. Tenta descansar qdo a miúda dormir à tarde ou qdo for. Depois de dormir nem que seja um bocadinho ficas melhor. Cuidado com uma depressão por tentares ser um “polvo”.🐙 Xi 💖. Eu também sei. 😉

    Responder
  • Chorar faz bem: é o detox da alma 🙂

    Responder
  • Até a mais dura de roer (eu) têm dias assim, à dias não aguentei e chorei muito sozinha até me fartar até acalmar a alma. ❤

    Responder
  • Ontem sentia-me assim, muito cansada. A sentir que estava no precipício. Gritei com a minha filha, perdi muitas vezes a paciência com ela, com o meu marido, respondi torto. Senti-me terrivelmente mal por tê-lo feito, chorei.. Sabia que precisava ficar sozinha, para voltar a encontrar o meu centro. Enfiei-me no quarto, tudo escuro, deitei-me. O meu marido percebeu a deixa e saiu com ela. Foram ao parque. Ao final do dia, sentia-me bem melhor. Ainda hoje não voltei por completo ao meu centro, mas já me aproximei mais 😉 Gostei da ideia de atirar a toalha ao chão 😉

    Responder

Deixe um comentário