viver saudável

voltamos a falar sobre o HPV [porque é mesmo importante]

Falar de coisas sérias é mais difícil do que falar de coisas divertidas, mas abordar sem vergonha estes assuntos é urgente.  O cancro associado à actividade sexual ainda é um tabu. Mas falar sobre o HPV é fundamental porque este é um vírus que pode estar na origem de “doenças prolongadas”, como o cancro do útero, do pénis, do anus,  por exemplo. Falar sobre o HPV é o primeiro passo para a prevenção. E é isso mesmo que faço neste vídeo: dou os pontos mais importantes que devemos reter sobre este vírus que tem várias formas [umas mais graves, outras menos], que não escolhe idades, sexo, que é tão comum e afeta mais de 75% da população. Temos todos de saber de que é que se trata e, mais importante, saber como é que nos podemos proteger. Adianto isto: além de evitarmos comportamentos de risco, a melhor forma de prevenção é a vacinação e, claro, o rastreio.

 

Falar sobre o HPV é fundamental. Depois do vídeo, estreitem o site HPV onde está tudo explicado de forma simples e acessível, com toda a informação necessária.

Saiba mais sobre o HPV.

 

Continuamos a falar sobre o HPV: relembrar ainda o testemunho de uma leitora que me deixou a sua história na caixa de comentários.

Comentários (2)

  • […] Falar de coisas sérias é mais difícil do que falar de coisas divertidas, mas abordar sem vergonha estes assuntos é urgente. O cancro associado à actividade sexual ainda é um tabu. Mas falar sobre o HPV é fundamental porque este é um vírus que pode estar na origem de “doenças prolongadas”, como o cancro do útero, do pénis, do anus, por exemplo. Falar sobre o HPV é o primeiro passo para a prevenção. E é isso mesmo que faço neste vídeo: dou os pontos mais importantes que devemos reter sobre este vírus que tem várias formas [umas mais … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Achei que tiveste uma abordagem muito séria e muito simples sobre um assunto que ainda é tabu. acho muito interessante que o teu blog aborde assuntos importantes e que são difíceis de tratar.

    Responder

Deixe um comentário