viver saudável

Cuidar da nossa saúde e do nosso corpo [sobre o HPV]

Quando fui a Liga Portuguesa contra o Cancro para saber mais sobre o HPV custou-me muito. Custa sempre falar de cancro, custa sempre falar de uma doença que mata. E custa-me ainda mais porque o meu pai morreu de cancro.

O cancro ainda é uma “doença prolongada” e o cancro associado à actividade sexual ainda é um tabu. A informação é fundamental. Falar sem vergonha sobre estes assuntos é urgente. Porque podemos prevenir.

Sabiam que a infecção a HPV é a infecção sexualmente transmissível mais frequente? Sabiam que o HPV é hoje considerado o 2º carcinogéneo mais importante, logo a seguir ao tabaco. Está associado a 5% dos cancros, no geral e a 10% dos cancros na mulher?

Sabiam que 75 a 80% das pessoas sexualmente activas já tiveram contacto com o virus? Mas atenção, ser sexualmente activo não significa ter muitos parceiros porque basta um. E, apesar de fundamental, o preservativo não garante protecção contra esta doença.

Mas afinal o que é o HPV?

O Papilomavírus Humano, conhecido por HPV (human papilomavirus), é, como já referi, muito comum. Homens e mulheres são transmissores da infeção por HPV. Na maior parte dos casos sem o saberem, porque não têm qualquer sintoma. A transmissão pode ocorrer muito facilmente. Basta o contacto genital (pele a pele ou outro). Achamos que só acontece aos outros é um instinto que utilizamos para não nos preocuparmos quando a realidade é diferente: todos estamos suscetíveis.

HPV

É muito fácil não reparar na infecção porque, na maioria das vezes, ela é assintomática, ou seja, não se manifesta sob a forma de nenhum sintoma. O vírus afeta sobretudo os órgãos genitais – tanto de homens como mulheres [as imagens não são bonitas!] – que também são o principal meio de propagação, através de contacto sexual [que tanto pode ser genital como oral].

Que doenças é que pode causar?

Existem mais de 120 tipos de HPV. Dividem-se pelos tipos de alto e baixo risco. Os de alto risco estão na origem de doenças muito graves nos órgãos genitais e reprodutores: representam praticamente 100% dos casos de cancro do colo do útero, 84% dos cancros do ânus, 70% dos cancros da vagina, 47% dos cancros do pénis e 40% dos cancros da vulva.

Os HPVs de baixo risco são responsáveis por 99% dos condilomas ou verrugas genitais, uma infeção sexualmente transmissível muito frequente que afeta, sobretudo, mulheres com mais de 25 anos [mas, atenção, porque pode aparecer em qualquer idade!]. Manifesta-se sob a forma de lesões, estilo verrugas, externas e pequenas que aumentam de tamanho.

Na maioria das vezes, o vírus desaparece sozinho, no prazo de 1 a 2 anos. Mas, se isto não acontecer, pode evoluir para uma doença. Por isso é que é essencial conhecer a doença e atuar no sentido de proteger e prevenir!

Mas podemos prevenir?

As relações sexuais protegidas são fundamentais mas o preservativo não cobre os órgãos sexuais por completo. O rastreio é fundamental para que o HPV seja detectado e tratado antes de evoluir para formas mais perigosas. Ir ao médico regularmente é fundamental.

Mas só a vacinação contra o HPV permite uma proteção eficaz contra os tipos de HPV incluídos na vacina!

Para saberem mais pormenores sobre os diferentes tipos de doenças e formas de prevenção para cada uma e para os vossos filhos consultem o site HPV.pt e falem com o vosso médico.

Comentários (8)

  • Olá Catarina sou tua seguidora há muito tempo já!
    Não sei se me conheces o meu nome é Vanessa Silva sou autora do blogue Prazeres Saudáveis, criei o meu blogue após perder 50 quilos!
    Adorei esta tua rubrica!
    Tenho 28 anos, e nunca tive problema algum de saúde, tive poucos homens na minha vida e os que tive sempre tive cuidado….. no entanto sem vergonha porque acho que este assunto e outros devem ser falados não se deve ter vergonha, pois falando deles e partilhando podemos ajudar outras pessoas.
    Como estava a dizer tenho 28 anos e descobri com 26 anos num exame de rotina pois faço sempre todos os anos, apareceu alterações na parte do útero.
    Foi quando marquei consulta de urgência, mandaram me repetir o exame papanicolau e a analise ao vírus também.
    Foi quando foi me detado o virus HPV 16….. sinceramente com 26 anos com uma relação estável a pensar ser mãe, confesso que foi algo que me deixou muito triste. Pensei na altura porque? Porque eu? Sempre tive tantos cuidados com tudo porque me estaria acontecer aquilo.
    Com tal ansiedade que tive engordei 15 kilos não foram os 50 mas…..
    Desde dos 26 anos que tenho estado a ser seguida na CUF das Descobertas 3 em 3 meses, levei a vacina na altura, apesar de já não fazer nada ajuda a prevenir os outros vírus que existem como HPV 18. e outros.
    3 em 3 meses é me feito uma colposcopia e biopsia e até hoje sempre deu CIN 1 portanto está controlado o que é bom se fosse CIN 2 ou Cin 3 ai sim seria grave mesmo, mas foi descoberto a tempo graças a deus.

    Fiz agora já com 28 anos novamente a análise ao HPV e desapareceu 🙂 Fiquei tão feliz ele não desapareceu na realidade ele adormeceu…. porque pelo que sei muitas mulheres tem este vírus só que em muitas nunca é manifestado porque ele nunca se manifesta.

    Espero agora na consulta de Novembro que agora já são 6 em 6 meses a colposcopia me digam que vão fazer e que já poderei engravidar.

    Seria uma noticia que me iria deixar muito feliz.

    Beijinho muito grande e parabéns pela mulher e Mãe que és, admiro muito o que escreves <3

    Beijinho com carinho

    Vanessa Silva|Blogue https://prazeressaudaveis.blogspot.pt/

    Responder
    • Posso usar o comentário? ❤️

      Responder
    • Estou ansiosa que com o meu aconteça o mesmo!
      Não é tipo 16 nem 18 mas é um dos de alto risco (não identificado).
      Tal como tu, colposcopia imediata. Tudo ok. Fui liberada durante 12 meses.
      Este mês repito os exames na esperança de não se conseguir identificar o virus.
      Na altura também entrei em pânico. Porquê eu? Tive pouquíssimos parceiros sobram-me bastantes dedos de uma mão quando os conto.
      A minha medica foi muito light sobre este assunto. Mas eu precisava saber mais… Li muitos artigos científicos, acompanhei conferências internacionais sobre o assunto. Na verdade é um tema que suscuta muitas dúvidas mesmo aos peritos.
      Não se sabe se o vírus chega a desaparecer, se só adormeca, se é transmissivel quando não está “detectável”…
      Acho que é um tema pouco explicado e com uma conotação demasiado negativa.
      Desejem-me sorte 🙂

      Responder
  • […] Sabiam que a infecção a HPV é a infecção sexualmente transmissível mais frequente? Sabiam que o HPV é hoje considerado o 2º carcinogéneo … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Claro que sim querida pode usar sim, não tenho vergonha nenhuma, faço questão de partilhar de forma a partilhar com outras pessoas <3

    Responder
  • Olá a todas!
    Nunca comento blogs, mas esta questão parece-me pertinente e muito pouco estudada. Ou, se calhar, muito delicada, pois não há solução, o que me indigna ainda mais.
    Tenho 25 anos, e também já fui vítima deste vírus. Acho, sem completa certeza ainda, que posso utilizar o passado.
    Foi-me descoberta uma lesão de baixo risco aos 23 anos, dias antes de emigrar. Tendo eu tido que apenas um parceiro, antes do actual – que me transmitiu o virus – também fiquei muito indignada. Principalmente porque tomei a vacina aos 18 anos, quando não tinha tido qualquer tipo de contacto sexual. Estaria, por isso, a meu ver, protegida. Mas não!
    Foi das piores angústias que eu podia ter. Principalmente no momento que foi.
    Infelizmente, e pelo que me foi informado, os homens são os portadores deste vírus. E que demora, neles, cerca de 1 ou 2 anos a desaparecer!! Ou seja, durante todo esse tempo estamos sempre susceptíveis de contrair o vírus. E ele não é identificável de maneira alguma, nos homens!
    Só nós, mulheres, sabemos aquando do papanicolau e de outros exames regulares, se estamos ou não infectadas.
    É horrível, principalmente porque não sabemos quando passa, se passa, nem em quanto tempo… É um vírus silencioso…
    Não sei que efeitos vai ter, nem se vai ter, o que causa ainda mais ansiedade 🙁
    É triste que a medicina esteja tão avançada, mas que falhe em pequeninos problemas como este.

    Responder
  • Olá Catarina,
    O meu nome é Cristina e tenho 42 anos 🙂
    Aos 29 e a poucos meses de me casar, foi detectado no exame papanicolau (que fazia rigorosamente todos os anos), que tinha alterações no colo do útero. Na altura lembro-me do médico me ter encaminhado para o hospital com alguma urgência, mas sinceramente, nem estava a perceber bem o que se passava. Fui para o hospital no Barreiro onde fiz biópsia e o resultado foi o pânico. Tinha uma lesão de alto grau CIN III. O médico não me explicou bem, foi do mais bruto que podes imaginar, dizendo apenas..”então..isto é quase Cancro..” E referiu que tinha que me submeter a uma intervenção cirurgica, e que pelo que sabia iria demorar cerca de 4 a 6 meses até me chamarem. Ainda voltou a referir “Isto é urgente mas não é emergente”. Conclusão, pesquisei na net, falei com algumas pessoas e decidi contactar uma ginecologista no privado. Levei todos os exames que tinha, e logo na consulta me fez colposcopia. Sugeriu-me, por ser nova, e pensar em ser mãe no futuro, um excelente médico (Dr. Francisco Brito Palma) para me fazer a cirurgia a laser, que se chama Conização, e que consiste em retirar um bocadinho do colo do útero em forma de cone, de maneira a extrair toda a lesão. Posso dizer que felizmente tudo correu bem, a cirurgia é com anestesia local e não custa nada! Após isso passei a ser vigiada de 3 em 3 meses, depois de 6 em 6, fiz a vacinação depois e hoje felizmente tudo não passou de um susto e estou bem 🙂
    Para veres, eu tinha um parceiro há bastantes anos (que fez inclusivé peniscopia na altura que descobri o HPV e estava limpo), fazia rastreio anualmente (pelos vistos..mal feito..caso contrário poderia ter sido detectado em CIN I por exemplo.) e mesmo assim apanhei este valente susto. O meu conselho é que todas as mulheres façam a vacinação o quanto antes!! Um beijinho.

    Responder
  • Com que idade devemos ou podemos vacinar os nossos rapazes? Tem que ser prescrito pelo médico? Quantas tomas e quanto custa mais ou menos cada vacina? Obrigada sou mãe de 3 rapazes! 😉

    Responder

Deixe um comentário