Vocês sabem que o melhor de um blog
o meu diário viver família

Vocês sabem que o melhor de um blog está sempre nos comentários?

Ao meu texto desta manhã, que falava no desafio dantesco de ser casal feliz e ter filhos, recebi duas preciosidades. 

A menina é muito moderna para a minha maneira de pensar. Não concordo consigo em 99% das vezes. Não quero mais ser notificada dos seus posts. Como mãe desejo-lhe muitas felicidades para si e para a sua prole. No entanto, deixe-me lembrar-lhe que não fez os seus filhos sozinha, não é justo (na minha opinião) privar os pais das suas crias. Uma moeda tem sempre dois lados. Mas a vida é mesmo assim, cada pessoa tem a sua maneira de ser e de estar e só temos que respeitar.

Por partes: primeiro cara leitora, não sei o que fez para ser notificada dos posts mas pergunte a alguém e resolva isso rapidamente. Não vou contar-lhe que ser mãe solteira não foi uma opção, já falei nisso aqui no blog, mas pasme-se porque a minha modernice chega ao ponto de achar muito bem que um homem ou uma mulher escolham ser pai e mãe sem ser em casal. Sou assim moderna e apologista que o importante é amar os filhos.

Também lhe podia escrever milhares e milhares de carácteres sobre os pais ou mães que têm que ser obrigados a exercer a sua função depois da parte fácil de fazer os filhos. Mas por várias razões vou poupá-la, para já, a isso.

Eu sei que não fiz os meus filhos sozinha e tenho como valor de vida que pai e mãe têm exactamente a mesma importância na vida de um filho. Nunca, nunca mas nunca privaria os meus filhos dos seus pais e respectivas famílias.  Aliás, eu tenho um trabalho diário para que as relações parentais sejam saudáveis. Há alturas em que dá uma trabalheira desgraçada mas pronto conta como punição por ter andado por aí a fazer filhos com pais diferentes. E tenho a certeza que vou para o inferno, não se preocupe.

 

Depois temos os homens ofendidos porque leram apenas o título:

Blá, blá, blá, lá vem a mania da superioridade feminina.

Eu avisei que o texto servia para pais e mães. Existem mães com vidas do caraças, casadas, solteiras, sozinhas e casadas. Existem pais impressionantes, solteiros, casados, viúvos. Existem pais que vivem com os avós, mães que vivem com as tias. Existem casais maravilhosos, apaixonados, equipas fenomenais. Existem casais em que um deles não é o pai ou a mãe, nuns casos funcionam como tal, noutros são apenas uma mais valia. Convenhamos, quase todos os pais e mães (e atenção porque pai e mãe nem sempre são quem fez) são heróis. Eu repito, nisto da parentalidade sou apenas apologista que o importante é amar os filhos.

Mas, convenhamos também, o número de mães solteiras – mães que criam os filhos é muitíssimo superior ao número de homens na mesma situação. É uma questão histórica e cultural com tendência para mudar, o que é excelente. Acredito que os filhos e os próprios pais só têm a ganhar. Tanto o meu filho mais velho como a Maria Luiza tiveram a sorte de passar os primeiros meses com os pais e foram experiências marcantes e maravilhosas para ambos.

Só mais um pormenor, quando há uma mãe que cria e educa sem o pai presente, há um pai que, desejavelmente, cria e educa sem a mãe presente. Não há aqui sexismo! Há apenas a visão deste lado.

 

 

E pronto, vocês sabem que o melhor de um blog está sempre nos comentários. Porque parece que há quem prefira destilar raiva do que ler.

Comentários (21)

  • É por este tipo de comentários que eu não quero nem quereria ter um blog.
    Admiro a coragem de quem o tem… Haja paciência… Muita paciência mesmo Catarina…

    Abraços =)

    Responder
    • Andrria, muita gente nem sabe que tenho um blog ou página no Facebook. Mas os piores comentários que ouço são feitos cara a cara. Há de a ver alguém sempre a criticar.
      E depois existe a mãe solteira que é mãe e pai e 31 a 10. E o pai solteiro Cristiano Ronaldo que dá os filhos à avô para criar. Eu sou casada e muitas vezes por questões profissionais sou mãe e pai. Para o senhor que comentou o feminismo.. não a maior parte dos homens não tem capacidade para assumir dupla função…e está mais que provado, assim como algumas mulheres também não. Agora vendo as coisas com olhos de ver , casais que se divorciam passam a ter mães solteiras e rapazes solteiros. É maltinha sejam felizes.

      Responder
      • Adriana,
        Mas eu pessoalmente até não tenho problemas com comentários cara a cara. Até são os que me dão mais “prazer” de responder à letra. Por aqui, acho covardia dizer certas coisas.
        E sim, concordo consigo, haverá sempre pessoas com gosto particular pela crítica, ser do contra e direccionar as suas frustrações nos outros… Uma tristeza.

        =)

        Responder
  • Round 3….que pesada la gente!!! Haja paciencia….

    Responder
  • “Há alturas em que dá uma trabalheira desgraçada mas pronto conta como punição por ter andado por aí a fazer filhos com pais diferentes. E tenho a certeza que vou para o inferno, não se preocupe.”

    Adoroooooo

    Responder
  • há pessoas que destilam as raivas e angustias ou seja o que for , nos comentários. concluem sem terem matéria de fato para concluirem dessa forma raivosa. Haja paciência.

    Responder
  • Adorei 😊

    Responder
  • Muito bom, Princesa! Deliciei- me com o texto e com a resposta aos comentários. Mim Felicidades

    Responder
  • Concordo: a parte gira dos blogs está nos comentários porque é lá onde se faz a verdadeira partilha de opiniões. Escrever só porque sim é giro, mas é ainda melhor por haver quem comente, quem dê a sua opinião também, quem faça daquele espaço um espaço de partilha e de interação. É muito giro. Até haver comentadores que são sempre do contra só porque sim, que gostam de distorcer as coisas, que lêem o título e pensam que leram tudo, que acham que conhecem as pessoas por meia dúzia de linhas que escrevem e que fazem inferências que nada têm a ver com a opinião verdadeira ou a vida que leva a pessoa que escreve. E, claro, há estes comentadores que preferem entender as coisas à maneira deles e deixar este tipo de comentários.

    Para si, que partilha a vida real, com fotos, a dar a cara, com tudo o que isso envolve, deve ser ainda mais difícil. É preciso ter coragem para sermos o que somos e nos afirmarmos como tal, numa era em que ninguém pode ser ou dizer nada que seja contra a corrente. Parabéns pela paciência, pela resiliência e por se mostrar tal como é!

    Responder
  • Deixe lá Catarina. Eu tb criei filhos sozinha. O pai deles teve a tristíssima ideia de morrer quando eles tinham 11 e 6 anos. Mas eu quero ir para o inferno, tb, ora… Os meus amigos de certeza que estarão todos por lá! E haja paciência….

    Responder
  • A parte boa a reter é – a menina é muito moderna. Isso é bom não é? A mim soa-me a elogio sempre que me chamam menina (logo menos 10 anos em cima do pelo) e antes moderna que antiquada 🙂

    Responder
  • Desde sempre ouvi dizer que pior que um cego, é aquele que não quer ver. Sou jovem, recente mãe e apaixonada pelo meu marido. Sei a “batalha” da tríade Mãe-Esposa-Mulher/pessoa, para os mais complicados. E embora tenha um marido espetacular e exemplar, consigo perceber na perfeição a facilidade, em certos aspetos, de ser mãe solteira. Todos os campos da Vida tem as duas faces. Não minto que não abdico da minha condição de Mãe apaixonada, pois temos conseguido manter a NOSSA vida relativamente igual ao antes da nossa pimpolha. Mas não é preciso muita aptidão para entender o que escreveste. Mas é sempre deveras interessante que pessoas fartas de receber notificações continuem a seguir-te e ainda mais, a perder tempo a comentar o que discordam totalmente. 😂😂
    A nossa pimpolha tem 4 meses e eu já regressei ao trabalho, e o meu Marido (Tão Pai como Mãe) ajustou o horário dele de modo a que a catraia passasse o mínimo tempo possível sem um de nós os dois. Também ele que é Pai e Mãe, tem uma outra filha a 100km dele, que são religiosamente percorridos todas as semanas para que ele a possa cuidar, amar é educar…sem a mãe. Também ele acorda TOdAS as noites para ver a miúda a mamar, para ajudar com biberões…e quando estou a trabalhar, também ele dá banho, passeia, brinca, educa…e não é isto Set também “Pai solteiro” nas horas em que não estamos em casal? E também ele reconhece a facilidade. Mas que preferimos tudo juntos? Claro, amamo-nos, só assim nos faz sentido. E, mesmo assim, não sai de casa sem um beijo de bom dia, não adormecemos sem um beijo de boa noite…e muitas são as vezes em que entra em casa perto das 22h (área do Fitness) e depois de tantas horas de aulas e PT’s (só de cycle, são 50 aulas por mês) está lá para ouvir a sua mulher, e para cumprir o seu dever de marido.
    E é assim a Vida.

    Responder
  • As diferentes interpretações de um mesmo texto…estranhamente eu que sou uma mulher sem filhos entendi perfeitamente a mensagem intrínseca ao mesmo. É pena que algumas pessoas vejam tudo com tanta maldade, sempre com aquela ideia pré-concebida que tudo é dito, feito ou escrito de forma a atingir alguém. Eu gostei imenso do que li, continue assim.

    Responder
  • Olá Catarina!
    Que pérolas! Foi isto que me travou também algum tempo em fazer o meu blog, mas depois de muito pensar e ouvir várias opiniões, cheguei à conclusão de que é uma libertação do caraças fazer o que se gosta! E que se danem os haters! O mundo precisa é de gente que transmite coisas boas, amor, genuinidade! Con essas pedras fizeste aqui mais um post. É assim mesmo. Beijinhos grandes

    Responder
  • Infelizmente, lido muitas vezes com processos de divórcio…e o que mais me incomoda é que se esquecem dos filhos! Mãe, Pai….o importante são os filhos, são as crianças e nós, como Mãe ou Pai só temos de estar bem para eles. Tenho a certeza que se não estivermos bem, felizes, inevitavelmente vamos transmitir esses sentimentos e eles não estarão felizes! Simples, assim!

    Responder
  • Vamos ter sempre os eternos ofendidos… E ainda bem, caso contrário eu não me ria tanto!
    Também sou assim “moderna”. Cá para mim – que ainda não sou mãe – acho que a única regra que deve ser cumprida à risca é amar os filhos incondicionalmente. A partir dai, cada mãe ou pai sabe o que é melhor para si.
    A minha mãe também foi mãe solteira e pasme-se, somos três e nem todos temos o mesmo pai, um horror de vida portanto.
    No entanto, correndo o risco de ir ter ao inferno contigo, fico muito feliz por a mãe ter sido mãe solteira e sei que sou um ser humano muito melhor por isso. É uma mulher coragem, uma guerreira e a minha maior inspiração. Se algum dia for um décimo da mãe que ela é, vou ser uma mãe do caraças!

    Responder
  • Aguenta coração. já dizia a música.

    Responder
  • Em relação ao andar a fazer filhos com homens diferentes, deixei-me dizer que deve haver por aí muito boa gente com inveja.
    Se calhar, ao fim de muitos anos de casadas com o mesmo homem e, se soubessem o que sabem hoje, tinham feito o mesmo… mas sem filhos… invejosas.
    Deixe lá… eu sou mãe solteira com dois filhos. Um loiro de olhos castanhos e a outra é morena de olhos verdes. Logo, não têm nada a ver um com outro. Mas, para cúmulo, também não são parecidos comigo ou com o pai… imagine-se os comentários que também me chegaram aos ouvidos de que eram de pais diferentes. É mesmo de gente que não tem nada que fazer na vida… e torna-se mais interessante especular e inventar sobre os outros.
    Bom fim-de-semana e muitas felicidades 🙂

    Responder
  • Ola,
    Tenho a dizer é que vivemos numa sociedade hipócrita, preferem viver relaçoes falhadas do que ter a coragem de terminhar e lutar pela felicidade!
    Sem falsa modestia sou uma lutadora e vencedora,tive a coragem de lutar pela minha felicidade e consegui.
    Nao é fácil!
    Sim tb tenho 2 filhos de homens diferentes e????
    O importante é ter filhos felizes…do que presenciarem violencia diária.
    Ja nao existe o conceito da família tradicional….sou a favor de famílias homosexuais….qualquer tipo de família desde que haja amor e tranquilidade!
    E nao Catarina nao vamos para o Inferno!
    Vamos para o Paraíso(qd formos velhinhas 🙂 Porque temos um coraçao com os valores que sao mais importantes nesta vida….

    Responder
  • Catarina, adoro a forma como escreve e claro que há coisas em que concordo e outras em que discordo. Mas a forma vinculada com que defende as suas convicções é inspirador. Este blog é mesmo um retrato de uma vida real em que há duvidas e desesperos e não florzinhas e tudo cor de rosa. Se um dia tiver um blog, este será o meu modelo a seguir 😉 quanto à senhora? Que continuem a criticar pela negativa, enquanto houver resposta está tudo bem. Lol agora a sério. Infelizmente é um exemplo de uma mentalidade ainda muito enraizada. Mas o que importa é que há pessoas que são diferentes e primam por isso. Continue assim e pode contar com a minha leitura assídua 😉

    Responder

Deixe um comentário