seis anos
viver família

seis anos do meu Afonso

Estou deitada ao teu lado e vejo-te dormir. Ouço o respirar sereno. Tens seis anos e há seis anos a minha vida mudou. Dizemos isto sempre que um filho nasce, não é? Mas falo a sério, e falo de uma mudança muito profunda.

Sou uma pessoa tão diferente desde que nasceste: mais calma, mais serena, mais racional, mais forte. Sou uma pessoa absolutamente melhor desde que existe.

Ser tua mãe foi um desafio por seres tão parecido comigo, tão diferente do que tinha sido o teu irmão. Agora que nos conhecemos tão bem ser tua mãe é o mais fácil do mundo.

Não vou fazer uma lista dos adjectivos que te descrevem. És único. E basta esse.

E sou infinitamente grata pelo momento em que decidi que não queria ter apenas um filho. Valeu a pena todas as lágrimas, todas as angústias, todos os medos. Não o soube quando fiquei grávida. Duvidei tanto. Soube-o para o resto da vida quando te fiz nascer naquela madrugada, com todas as minhas forças. Quando te pus a mamar e prometi que seria sempre uma pessoa melhor, mais calma, mais serena.

Estou deitada ao teu lado e vejo-te dormir. Dou-te um beijo nos caracóis desalinhados e outra no pele suave das bochechas.

És o meu Afonso. És o nosso bebé. E apetece-me chorar e gritar como quando te vi pela primeira vez: amo-te tanto.

Comentários (1)

Deixe um comentário