33 lições
o meu diário

33 lições que aprendi em… [vá aqui são 39 anos]

encontrei esta lista de 33 lições do Gustavo Tanaka, no Medium, e adorei. identifiquei-me com a maioria. há coisas que mudam mesmo, quer seja em relação às prioridades, à forma como olhamos para os outros, para o trabalho, para os fracassos,  para o nosso corpo e para tudo aquilo que nos rodeia.

para lerem e pensarem naquelas que forem mais importantes para vocês. e mudarem aquilo que valer a pena. Setembro tem sabor a ano novo, por isso é uma boa altura para fazer resoluções. 

aqui fica:

 

1 —  Abrir mão do controlo
A vida já me mostrou várias vezes que eu não controlo tudo. Não sou eu que escolho como e quando  é que as coisas vão acontecer. Isto fez com que eu aprendesse a confiar na existência de uma inteligência maior que move todas as peças e que sabe quando e como é que as coisas devem acontecer. sabem aquele frase: a vida resolve-se sozinha? é isto: aceitar que às vezes temos mesmo que estar quietos.

 

2- Respeitar os mais velhos
Existe uma ordem na vida. E nessa ordem, temos que honrar quem chegou antes. Até podemos saber muitas coisas, até podemos ter estudado muito, mas a verdade é que vivemos menos do que quem é mais velho. E nenhum conhecimento vale mais do que a vivência. Devemos aprender com os mais velhos e ensinar os mais novos.

 

3- Curar a relação com os pais
Não existe um ser humano no planeta que não tenha questões pendentes na relação com os pais. É importante curar todas as mágoas, trabalhar internamente e incessantemente até se conseguir uma aceitação completa de quem são os nossos pais e de como se comportam connosco. Até conseguirmos sentir gratidão por absolutamente tudo que eles nos proporcionaram. Relações não curadas com os pais atrapalham os relacionamentos e prejudicam sua vida financeira. Eles deram-nos vida. Nunca esquecer.

 

4- Fazer as pazes com o dinheiro
Talvez acreditem que o mundo seria melhor sem o dinheiro. Eu também já pensei muito nisso. Mas ainda vivemos num mundo onde o dinheiro é necessário para viver. Enquanto acharmos que o dinheiro é sujo, que é a raiz do mal e que pessoas ricas são desonestas, vamos ter dificuldades com ele. Devemos fazer as pazes com ele e aceitar que precisamos dele para viver.

 

5- Observar os sinais
A vida é a estrada mais bem sinalizada que existe. O problema é que não sabemos ler as placas. Mas ela da-nos sinais o tempo todo, através de pistas espalhadas em cada interacção que temos com o mundo. É só preciso de ter calma e serenidade para perceber. Levantar os olhos para ver e não fazer barulho para ouvir.

 

6- Conexão com a natureza
Todas as respostas estão na natureza. Ela é a nossa maior escola e a maior fonte de energia disponível. Devemos ligar-nos a ela, por os pés na relva, sair da cidade sempre que possível, mergulhar no mar e entrar as cascatas!

 

7- Não existe um lugar de chegada
Não existe um ponto de chegada. Só existe isto, aqui.  Se estamos sempre a tentar chegar a um sítio imaginário e hipotético, nunca vamos aprender a estar no lugar que é real: aqui!

 

8- Aprender com o corpo
Não adianta aprender com a mente. Não adianta ler centenas de livros e não vivênciar com o corpo. É como ler um livro sobre o sabor do morango e nunca provar um morango na vida. Para aprendermos de verdade, temos que viver com o corpo.

 

9- Tudo são vibrações
Tudo é vibração. Tudo é energia. E tudo vibra o tempo todo. Algumas coisas numa frequência mais alta e outras numa frequência mais baixa. O objetivo é elevarmos a nossa frequência. Comecemos por perceber a forma como vibramos e o que é que muda de pessoa para pessoa.

 

10- Não sou mais do que ninguém e ninguém é melhor do que eu
Estamos todos na mesma. Ninguém é melhor do que ninguém. Sabemos muito sobre um assunto, pouco sobre outro. Vivemos coisas que outros não viveram, e vice-versa. Todas as pessoas têm coisas novas para nos ensinarem. É só abrir a porta e estar disponível para aprender.

 

11- Aprender a dizer “não”
Dizer ‘não’ é importante: estabelecemos limites e passamos mensagens importantes. Quando aceitamos tudo, vamos receber de tudo. Quando dizemos que não, abrimos espaço para outros ‘sim’ e filtramos aquilo que nos é dado.

 

12- Integrar o masculino com o feminino
Todas as pessoas têm energia feminina e masculina. Não importa o género ou orientação sexual. É o yin e yang. Devemos notar que energia é que se manifesta mais na nossa vida e tentar dar espaço à outra para se manifestar. É preciso deste equilíbrio para chegar à integridade, para sermos inteiros, para sermos nós na integra.

 

13- Colocar a mente ao serviço do coração
O coração sabe. A mente acha que sabe. O coração dá sempre a direção correta. A mente mente. A mente deve ser utilizada para criarmos e nos movimentarmos em direcção ao que o coração diz. Usar a razão é importante, mas sempre para manifestar a intuição.

 

14- Respeitar os ciclos da natureza
Na natureza tudo é cíclico. Na nossa vida não pode ser diferente. Começamos a perceber estes ciclos se alinharmos neles. Perceba como sua energia e disposição mudam a cada fase da lua, em cada estação, em cada época do ano, em cada período do dia. Alinhe sua vida a esses ciclos e vai conseguir ter muito mais energia e menos esforço.

 

15- Parar de mentir a mim mesma
Sejamos honestos em tudo: idade, peso, altura. Isto faz-nos ser verdadeiros com o mundo e connosco. Para sermos quem somos de verdade, temos que parar de mentir a nós  mesmos.

16- Não querer convencer ninguém de nada
O sentido da verdade varia de pessoa para pessoa. A minha verdade, a minha convicção, pode ser diferente da de outra pessoa. Isto acontece porque cada pessoa vive uma história única. E é essa história que cria o sentido da realidade e da verdade no momento presente. Devemos ser convictos, mas não podemos convencer e impor a nossa visão da vida.

 

17- “Milagres” existem 
Há coisas que não se explicam. É o invisível a trabalhar – sincronicidades, coinciências, coisas que acontecem de repente, sem sabermos como e porquê. Esta consciência tem a capacidade de fazer-nos viver com a expetativa de que a qualquer momento qualquer coisa incrível pode acontecer. E a vida torna-se melhor assim.

 

18- Aprender a ser vulnerável
Muito mais difícil do que usar máscaras de proteção, é mostrarmos e assumirmos que somos vulneráveis. É na vulnerabilidade que nos ligamos uns aos outros. E quanto mais vulneráveis formos, mas verdadeiros somos e mais empáticos nos tornamos.

 

19- Parar de fugir dos erros
A lógica é simples: não temos total controlo na nossa vida, logo é impossível vivermos sem errar. E se é impossível não errar, para que é que fugimos tanto dos erros? Eles vão aparecer. O que resta é vivê-los [não fugir deles, não vale a pena] e aprender com eles.

 

20- Ter coragem para dizer ‘amo-te’ 
Ter a capacidade para nos expressarmos torna-nos livres. Quer seja o pais, os pais, os amigos, o marido, o namorado. Quando expressamos o amor que sentimos, sem medo ou vergonha, sentimos mais o amor dos outros.

 

21- Ser o primeiro a sorrir
Sorrisos desarmam e sorrisos quebram o gelo. Sorrisos trazem paz e sorrisos inspiram confiança e boas relações. Não vale a pena esperarmos que sejam os outros a sorrir primeiro.

 

22- Não carregar o peso dos outros
Cada pessoa é responsável pela sua própria vida. Cada um tem responsabilidade naquilo que lhe acontece e na forma como reage aos acontecimentos. Temos de ser solidários e temos de estar presentes para os nossos amigos e família, mas tem de haver uma barreira que separe os dois mundos. Todos nós temos os nossos problemas e carregamos os nosso próprios pesos. Quando tentamos salvar e cuidar de outra pessoa, estamos, por um lado, a acumular mais em cima de nós, por outro, a privá-la de crescer e de evoluir. É preciso escutar, dar colo, ouvir. Mas, no final da conversa, o peso deverá ser resolvido por quem o carrega.

 

23- Não tentar agradar toda a gente
Tudo na vida são dualidades. E há pessoas que gostam de nós e outras que não. Ponto final. Só temos de aceitar. Não vale a pena tentar agradar a toda a gente porque é impossível. A solução passa só por sermos nós próprios, autênticos e genuínos – porque quanto mais o formos, mais pessoas vão gostar de nós pelo que somos. Por outro lado,  quanto mais pessoas gostarem de nós, mais pessoas não vão gostar. É assim. Dualidades. Contrastes.

 

24- Todos os dias são um começo
Não importa quão incrível tenha sido o dia de hoje. Amanhã começa tudo do zero. O êxtase não é cumulativo e todos os dias começam de novo. E se o dia novo for difícil, não faz mal. Basta dormir, acordar e passar para o dia seguinte.

 

25- Aprender a receber
Aprender a receber dos outros: aceitar que nos paguem a conta, aceitar um elogio, aceitar um presente. O que recebemos é nosso por direito [às vezes recebemos porque contribuímos para a vida de outra pessoa]. A vida trata desse equilíbrio. A nós resta-nos aceitar e ter gosto por receber.

 

26- Não é possível mudar o outro
Quer seja o marido, namorado, mãe, amigo. Não vale o esforço: nós não conseguimos mudar ninguém. A mudança tem de vir de dentro e depende de cada um de nós. Se sofremos com o que outra pessoa faz, a mudança tem de partir de nós. E quando nós ficamos bem por dentro, o mundo externo responde.

 

27- Cuidar do corpo
Demorou, mas finalmente consegui meter isto na cabeça: o meu corpo é a minha máquina, é o meu veículo. Tenho de cuidar dele melhor do que tudo na vida. E tenho estar atenta a todos os sinais que ele me envia e conseguir ouvi-lo. Sim, o nosso corpo fala connosco: pede-nos para comermos umas coisas, pede-nos para não comermos outras, diz-nos que devíamos ir treinar, ou diz-nos que devemos dormir e descansar. Ouvir o corpo. Muito importante, mesmo.

 

28- Viver o amor e a dor com a mesma intensidade
Não viemos ao mundo só para viver histórias de amor, de felicidade e de alegria. Viemos para viver. E viver passar por lidar com experiências de dor e de tristeza, que nos ensinam a termos consciência de nós próprios, bem como a dar valor às coisas boas.

 

29- Não podemos achar que alguém nos vai dizer que estamos prontos
Não podemos estar à espera de aprovação dos outros para nos lançarmos em projetos ou decisões importantes. Só nós sabemos quando é que estamos prontos. Enquanto esperarmos pelo consentimento dos outros não saímos do mesmo lugar. A nossa vontade deve mover-se livremente. Somos nós que tomamos as decisões da nossa vida. As ações devem partir de nós. Sempre.

 

30- Não vou morrer de fome
Por mais pessimista que seja, e por mais negro que esteja o cenário, não vou morrer à fome. Há sempre alguém para nos ajudar e estender a mão. Temos o nosso ninho, a nossa rede, para nos acolher sempre que as coisas derem para o torto.

 

31- O fracasso está na nossa cabeça
O que é fracassar? Como é que se mede o fracasso? E o que é que acontece depois do fracasso? Tudo que está relacionado com o fracasso é uma criação nossa. Não existe um ranking, não existem métricas ou sequer uma lista do que é fracasso. Está tudo nas nossas cabeças.

 

32- A relação com o divino 
Não sou religiosa. Mas acredito num mundo invisível que está constantemente a influenciar-nos. Existe um universo inteiro que, apesar de nem percebermos sequer como é que funciona, está sempre a interferir com a nossa vida.

 

33- Agradecer, agradecer, e agradecer
A vida é cheia de armadilhas. E uma das maiores é acharmos que não temos o suficiente. Quanto mais agradecermos, mais conscientes nos tornamos de tudo aquilo que temos. Mais gratos nos tornamos. E quanto mais gratos nos tornamos, mais calmos e serenos vivemos.

Comentários (3)

  • Obrigada por esta partilha. Mesmo. 💙

    Responder
  • Isso tudo. Não seria capaz de ter um pensamento tão estruturado…mas é isto. Obrigada.

    Responder
  • Muito obrigada Catarina. Namaste.

    Responder

Deixe um comentário