o meu diário viver família

porque dou de mamar em público e não me incomoda

É estranho pensar que antes de ser mãe aquilo que mais me assustava nisso de ter filhos era amamentar. Fazia-me impressão essa entrega física, isso do corpo que é nosso mas não nos pertence.

Quando fiquei grávida do Gonçalo prometi não pensar mais nisso, logo se via, ninguém me obrigava a dar mama, era o meu corpo, logo se via.

Tenho o parto do Goncalo guardado em memórias envoltas em neblina mas recordo, com enorme clareza, o instante em que, já fora de mim, procurou o meu peito. O conforto que senti foi a resposta para os meus medos. Parte do meu corpo era agora do meu filho, não eram as minhas mamas, eram o seu alimento [alimento do corpo e do mimo].

É exactamente assim que vejo o meu corpo enquanto amamento, poderiam ser as mamas, os braços, os joelhos ou a ponta dos cabelos, é apenas alimento. Foi assim com o Goncalo, foi assim com o Afonso, é assim com a Maria Luiza. Talvez por isso me seja tão fácil amamentar em público.

Sem qualquer glamour e sem qualquer vergonha partilho que o facto do peito estar mole [nada bonito] e pequeno facilita porque torna o momento muito discreto. Há alturas em que as pessoas nem se apercebem que estou a dar de mamar.

É estranho pensar que já tive medo quando hoje dar de mamar é tão natural nisto de ser mãe como ter uma barriga durante quase 40 semanas. Reparem que disse natural e não fácil porque estas experiências em que o nosso corpo parece que não é nosso não são lineares, às vezes é tão simples e outras vezes tão desconfortável. Não escondemos a barriga quando vamos à rua, eu também não escondo o peito quando os meus filhos querem mamar. Porque dou de mamar no lugar exacto em que os meus filhos têm fome, sede, ou apenas mimo. Seja onde for.

Mas esta é a forma como eu sinto, como diz Baby Dove, que me desafiou a lançar este desafio: “não existem formas certas ou erradas, não existem mães perfeitas, apenas Mães Reais”. Dar mama não define a mãe que somos, dar mama escondida, apenas em casa, ou em qualquer lugar é apenas uma escolha de cada mãe.

 

 

Fica o desafio para todas as mães que estão desse lado a partilharem qual é a vossa forma de sentir. Sentem-se confortáveis com a amamentação em público? Para aderirem ao movimento #MaesReais basta partilharem a vossa opinião nas vossas redes sociais acompanhada com uma foto e os #MaesReais #BabyDove.

E já agora coisas boas! As primeiras 10 seguidoras que aceitarem o desafio #MaesReais #BabyDove e publicarema sua história no seu mural de facebook receberão um produto BABY Dove. Peço apenas que usem os hastags #MaesReais #BabyDove #DiasdeumaPrincesa e enviem o link para o e-mail diasdeumaprincesa@gmail.com [peço a morada aos 10 primeiros e-mails].

 

 

todas as fotos são do maravilho projecto Loove com o fotógrafo Tiago Figueiredo.

Comentários (9)

  • Olá! 🙂
    Sou mãe de duas filhas, com 29 e 23 anos. Já faz muito tempo que passei pela experiência da amamentação, mas, quando aconteceu, foi tão natural que não me incomodou nada fazê-lo em público, onde quer que estivesse e elas assim se manifestassem. Para ser sincera, vejo o tema envolto em maior polémica agora, do que há 30 anos. Amamentar era um facto e uma necessidade, algo que tinha que ser feito e ponto! Nunca me senti alvo de descriminação ou faltas de respeito. Fui mais desrespeitava enquanto grávida e utente de transportes públicos, isso sim! Quantas vezes tive que fazer a viagem de pé, no comboio, entre Santarém e Lisboa… mas isso é outra história! 😉

    Beijinhos para as princesas! 🙂

    https://magarosa3.blogspot.pt/

    Responder
  • […] Tenho o parto do Goncalo guardado em memórias envoltas em neblina mas recordo, com enorme clareza, o instante em que, já fora de mim, procurou o meu peito. O conforto que senti foi a resposta para os meus medos. Parte do meu … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • eu confesso q n gosto de dar de mamar em publico, mas como dei de mamar ate tarde geri sempre mt bem esses momentos, arranja-se sempre um cantinho ou um banco de jardim mais escondido. mas atencao n condeno quem o faca em publico, em parte n o faco pq nasci e fui educada numa familia pouco saudavel em q a mulher n passa de um mero objecto sexual. acredito q seja assim em mts casas e dai o medo/receio das maes em amamentar em publico e algumas reaccoes decadentes de outras/os.

    Responder
  • Revejo me completamente nas suas palavras. Do primeiro filho foi tranquila a amamentação fosse onde fosse. O 2 filho tem 8 meses e nasceu e vive em Moçambique, país com muitos muitos muçulmanos que frequentam os mesmos espaços ( óbvio) que os demais. Nunca estive atenta a olhares mais recriminatórios e dou a mama no sitio e hora que tiver de ser esteja eu acompanhada por amigos ou conhecidos. E assim será até a Alice desejar. Um beijinho.

    Responder
  • Eu amamentei os meu primeiro filho e agora estou a amamentar a segunda. Confesso que não me sinto muito à vontade em dar de mamar em público. Não porque alguma vez alguém me tenha dito alguma coisa (ainda bem que não porque não mudaria de sítio), sou mesmo eu que sinto algum pudor em ter a maminha de fora. O problema não são os outros sou eu, porém arranjei agora um avental de amamentação e assim fico mais à vontade. Esta foi a minha solução, e não tenho qualquer problema em estar numa esplanada ou num parque infantil a dar de mamar.

    Responder
  • Sou uma mãe de primeira viagem e não tenhi qualquer problema em amamentar em público. No entanto, tento não me expôr por completo, pois sei que há pessoas que podem ficar incomodadas. Mas não admito que me digam qualquer coisa, como ter de mudar de sítio ou assim. Quem está mal que se mude.

    Responder
  • Antes de ser mãe sempre achei que amamentar era algo realmente estranho e nunca achei que fosse fazê-lo. Confesso que também me incomodava que dessem de mamar à minha frente. Achava estranho, não achava mal de forma nenhuma, era só esquisito. Bom… a minha reação (apenas mental porque de maneira nenhuma me mostrei alguma vez incomodada por alguém amamentar em público) era totalmente desencadeada pela ignorância e pela forma como fui educada (cheia de tabus e assuntos proibidos).

    Depois… aconteceu ter vontade de ser mãe. E… naturalmente a vontade de amamentar.
    Foi muito complicado no primeiro mês, muito mesmo. Feridas que não saravam, dores horríveis (piores que as do parto em vários aspetos), a pressão psicológica… Mas depois passou e foi uma das melhores experiências que tive. Adorei amamentar.

    Com a segunda filha foi muito mais fácil e a experiência foi igualmente boa. Amamentei com mais à vontade e posso dizer que as muitas campanhas a favor da amamentação descomplexada me ajudaram muito.

    Estas iniciativas dão-nos força e mais coragem para contrariar quem insiste em mandar-nos para um sítio “recatado” para amamentar”.

    Falo mais sobre a minha experiência aqui: http://www.vinilepurpurina.com/amamentar-e-uma-coisa-esquisita-67787

    Responder
  • […] não se mexe” e vou trazendo sempre o mesmo para casa. Quando me juntei à Baby Dove, neste movimento tão bonito e libertador que nos diz que “não existem mães perfeitas, apenas mães […]

    Responder
  • Estou a amamentar pela segunda vez e não tenho qualquer problema. Tento não expor muito o peito só para não sentir que há curiosos que olham com maldade. De resto não tenho qualquer problema e adoro ver a minha filhota mamar!
    Beijinhos

    https://blogdiariodeumafamilianormal.blogspot.pt/

    Responder

Deixe um comentário