o meu diário viver família

para a minha mãe e avós dos meus filhos…

minha mãe

 

tenho muita sorte, minha mãe. não é novidade, já o sei há muitos anos, sei-o desde que me lembro de ser gente. sempre tive um orgulho desmedido em ter-te como mãe. mesmo quando era uma adolescente parva e implicante. tenho muita sorte. e sou profundamente grata por isso. confirmei-o há quase 15 anos quando me levaste para o hospital para que nascesse o teu primeiro neto – apesar de ter sido obrigada a acordar-te para me levares ao hospital porque dormias profundamente. tive a certeza mais que absoluta quase, há quase seis anos, entraste a correr na sala de partos e me desta mão com muita força para que o Afonso nascesse. agradeço todos os dias em que te vejo ser avó – no amor infinito que tens pelos teus netos. e agradeço outra vez na forma como és avó dos meus filhos, protegendo-me como mãe e enquanto minha mãe.

 

obrigada minha mãe. e obrigada avó. amo-te [no plural: amamos-te].

Comentários (8)

  • Maravilhoso! Gratidão é dos melhores sentimentos. E há quem diga, que os filhos escolhem as mães 😊

    Responder
  • Catarina, é tão boa e protetora a sensação de ver os nossos filhos com as nossas Mães! Sabe a doce de morango num scone com manteiga! Sabe a tardes de Praia no finzinho do dia.É tao bom……..
    Parabéns por este texto.

    Responder
  • Ana María Andrade
    17 Julho, 2017
    Catarina, é tão boa e protetora a sensação de ver os nossos filhos com as nossas Mães! Sabe a doce de morango num scone com manteiga! Sabe a tardes de Praia no finzinho do dia.É tao bom……..

    Responder
  • […] aquilo enervou-me. sendo a minha boa disposição inversamente proporcional ao sono que tenho aquilo enervou-me muito. e lembrei-me quando, aos 24 anos, acabadinhada ser mãe do G. acreditava que toda a gente sabia mais que eu e tinha uma solução milagrosa para tudo. a minha mãe referia-se à sua preocupação com meu cansaço e não a nenhuma atitude em relação à bebé mas eu demorei umas quantas mensagens – ainda zangada – a perceber isso. as zangas com a minha mãe na idade adulta são muito curtas – primeiro porque já nos conhecemos e segundo porque lhe sou muito grata. […]

    Responder
  • Linda imagem sem dúvida, sabe tenho alguns medos é inevitável, mas o maior deles é a a perda,a perda dos meus pais, se não tivesse uma filha, digo-lhe do fundo do coração que preferia partir primeiro, mas tenho a esperança de que ainda os vou ter comigo mais 20 anos, posso sonhar não posso?
    Beijinhos a todas as boas mães

    Responder
  • […] Algarve. consegui descansar muito. voltei nova, como já vos contei, muito graças à maravilhosa ajuda da minha mãe. assim que regressei a Lisboa, em poucos dias, esta sensação foi-se – como expliquei noutro […]

    Responder
  • […] minha mãe – a minha querida e doce mãe sem qual a vida não teria a leveza que tem, não é só pelo que é dir…– era uma fundamentalista na questão da alimentação. o cenário era de tal forma que o meu […]

    Responder
  • […] minha mãe – a minha querida e doce mãe sem qual a vida não teria a leveza que tem, não é só pelo que é dir…– era uma fundamentalista na questão da alimentação. o cenário era de tal forma que o meu pai […]

    Responder

Deixe um comentário