colónia
o meu diário

colónia de férias de média altitude da Serra da Gardunha

depois deste post pus-me a pesquisar no Google, a minha colónia de Lourical do Campo chama-se Colónia de Férias de Media Altitude da Serra da Gardunha. eu lembro-me da enfermeira que fazia os testes de respiração a alguns miúdos asmáticos, e da nascente de água maravilhosa nas traseiras do refeitório. há poucas referências a um dos lugares mais especiais da minha vida, onde cacei gambuzinos, e comi rissóis feitos da carne dos amimais que só os mais velhos conseguiam encontrar, onde dormi ao relento no alpendre, onde fugi pela varanda grande, onde dancei já discoteca. todas as meninas gostavam do mesmo rapaz. tínhamos chapéus de cores diferentes de acordo com o grupo que nos calhava. quando vi estas imagens chorei. chorei de saudades, estão ali as camaratas enormes. lembro-me de tudo. chorei porque custou-me ver o meu lugar abandonado, como se estivessem a maltratar as minhas memórias de infância. fui tão feliz naquele lugar. queria ganhar o Euromilhões e fazer daquele lugar a minha casa de férias. vá, sonhar não custa.

Comentários (7)

  • […] depois deste post pus-me a pesquisar no Google, a minha colónia de Lourical do Campo chama-se Colónia de Férias de Media Altitude da Serra da Gardunha. eu lembro-me da enfermeira que fazia os testes de respiração a alguns miúdos asmáticos, e da nascente de água maravilhosa nas traseiras do refeitório. há poucas referências a um dos lugares mais especiais da minha vida, onde cacei gambuzinos, e comi rissóis feitos da carne dos amimais que só os mais velhos conseguiam encontrar, onde dormi ao relento no alpendre, onde fugi pela varanda grande, onde dancei já discoteca. todas as meninas gostavam … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Catarina, que belas memórias despertaste também em mim. Eu e a minha irmã fomos vários anos para a Serra da Gardunha. Desde os 6 anos (tenho 40) até aos 12, os meus pais mandavam-nos 15 dias para esta ou outras colónias do Sindicato dos Bancários. Era um sítio lindo e cheio de magia. Obrigada por esta lembrança 🙂

    Responder
  • Que saudades ! fui sempre, desde os 6 aos 12 (tenho 41), para a colónia dos SAMS… os melhores tempos de sempre !
    Aprendi a fazer rodas e pinos no alpendre grande, comia as maçãzinhas das àrvores do páteo da entrada (verdes e azedas… ), planeávamos raids às camaratas dos rapazes, aprendi a fazer pompons à hora da sesta e nunca vi um céu com tantas estrelas como aquele…

    Responder
  • Fui escuteira e ali passámos muitos dos bons momentos da infância e pré-adolescência 🙂
    Que maravilha ! E viva a Beira baixa!!!

    Responder
  • Que bom o que li acima. Eu também partilho essa boas recordações de quem esteve com o Sindicato Bancário em colónia de férias
    Fui monitor dois anos e além do que foi dito também recordo os percursos diários até à piscina numa estrada de terra e com frondosas árvores
    às actividades depois do jantar, os fins de tarde cá fora com um calor quase insuportável.
    Os “meus meninos” também caçaram gambozinos e uma noite; aos que pensavam ser mais desmedidos, pregámos-lhes uns sustos com umas abóboras cá fora iluminadas por dentro, numa noite de lua cheia. Foi tão bom recordar…..

    Responder
  • Depois da notícia do incêndio em Louriçal do Campo dei por mim a pesquisar o que seria feito da Colónia de Férias onde passei tão bons momentos da minha juventude.
    Ao ver as fotos, foi como voltar a reviver esses tempos de pré-adolescência. Já lá vão uns bons anos (agora tenho 40), mas lembro-me perfeitamente das camaratas, do refeitório, da sala onde dançávamos à noite, das fugas para as camaratas das meninas, dos trajectos para a piscina do Louriçal, do pavilhão lá perto onde se faziam umas belas futeboladas, da caça aos gambuzinos…
    Bons tempos, só é pena que tudo se tenha desmoronado e abandonado…
    Ficam as memórias…

    Responder
  • Também eu tenho as melhores recordações de lá (com o Sams, justamente). Continua a ser a minha referência para colónia de ferias, e nenhuma atual se lhe chega aos pés. Obrigada por esta partilha.

    Responder

Deixe um comentário