sobre fins de semana
o meu diário viver família

sobre fins de semana sem filhos [coragem ou aproveitem…]

falo sobre os filhos que não estão sempre connosco. falo dos filhos dos pais que não vivem juntos. não falo sobre aquelas noites em que agradecemos ao universo porque alguém ficou com eles para irmos ao cinema, sair, dormir, namorar ou fazer nada. falo das semanas ou dos fins de semana em que os filhos estão com o pai. escrevo como mãe.

no início custa. aliás custa muito. são as dores da ausência de um filho conjugadas com a dores de um projecto de falhou. pode ter sido a melhor das decisões, pode significar tudo de bom mas custa sempre e custa muito.
as feridas vão sarando. ao mesmo tempo que aprendemos a gerir tempo só nosso. e os fins de semana sem filhos passam a saber bem. em alturas de muito cansaço sabem até muito bem. demasiado bem dirá a nossa consciência de mãe.

nos fins de semana sem filhos recarregamos as baterias que nos permitem ser mães e – às vezes – as únicas adultas numa casa.  custa sempre um bocadinho mas sabe tão bem que nos esquecemos disso.

foi numa noite sem filhos que me apaixonei. e foi em fins de semana sem filhos que voltei a ser uma adolescente. foi em fins de semana sem filhos que chorei e curei mágoas antigas. foi em fins de semana sem filhos que babei o sofá e vi cinco filmes de seguida.

confesso até que foram os fins de semana sem filhos que, quando me casei, nos fizeram ponderar se devíamos ter um filho nosso.

quando há um filho sempre em casa – obrigada Susana por conseguires passar para palavras aquilo que estava a sentir – ficar sem os outros filhos volta a custar. e às vezes custa mesmo muito. esta manhã tive que dar um abraço rápido aos meus filhos porque mais uns segundos e começaria a chorar.

agora, e desanuviando o peso disto que sinto, resta-me ir arranjando quem fique com a miúda para voltar a ter vantagens e deixar de ser está angústia.

às mães que estão a passar os seus primeiros fins de semana sem filhos, prometo que melhora nas não prometo que passa.

às mães com filhos de primeiras, segundas, terceiras ou “seja que número for” relação – que esperam que seja para sempre inventem os vossos fins de semana sem filhos porque fazem muita falta. bom fim de semana. 

Comentários (4)

  • […] falo sobre os filhos que não estão sempre connosco. falo dos filhos dos pais que não vivem juntos. não falo sobre aquelas noites em que agradecemos ao universo porque alguém ficou com eles para irmos ao cinema, sair, dormir, namorar ou fazer nada. falo das semanas ou dos fins de semana em que os filhos estão com o pai. escrevo como mãe. no início custa. aliás custa muito. são as dores da ausência de um filho conjugadas com a dores de um projecto de falhou. pode ter sido a melhor das decisões, pode significar tudo de bom mas custa sempre e … Ver artigo completo no Blog […]

    Responder
  • Custa mesmo muito
    E continua a custar muito
    Porque mesmo nos momentos em que nós voltamos a apaixonar, nos divertimos ou voltamos a ser adolescentes…só o conseguimos fazer pela metade.
    A outra metade não está lá

    Responder
  • Horrível vê lo ir e as irmãs ficarem a perguntar por ele, sabendo que ele vai para o outro lado contra a sua vontade dói ainda mais

    Responder
  • nem quero pensar…deve ser horrível.
    é o que me faz aguentar…

    Responder

Deixe um comentário