o meu diário viver família

mãe de uma menina…

um dia vais achar que eu sou uma chata, que nunca tenho razão, que os calções não são tão curtos como eu digo, nem as pessoas como quem falas na internet são tão perigosas como eu pinto, vais suspirar e revirar os olhos, vais tentar fechar a porta do quarto [desculpa mas cá em casa isso não se faz], vais chamar-me nomes no chat com a tua melhor amiga. um dia vou ensinar-te que “a chata” está sempre aqui, quando refilares, quando me abraçares, sempre que quiseres. sou mãe de uma menina.

[na verdade este texto é para a minha mãe]

Comentários (4)

  • […] post mãe de uma menina… appeared first on dias de uma […]

    Responder
  • Mas no final vai valer a pena! As chatices, as pequenas (e inocentes ) mentiras, os segredos que só contam às amigas e não a nós, as zangas nas lojas de roupa (mas é sempre a nós que nos escolhem para ir com elas), as dietas por causa daquela gordurinha que nós não conseguimos ver, etc, etc. Sim… sou mãe de uma adolescente! E de dois rapazes mais velhos que nunca me deram estas dores de cabeça, mas não trocava nenhuma destas zangas por nada! Todas as fases são giras: quando são pequenos, quando começam a andar, quando vão para a escola, etc. Mas a fase da adolescência, o começarem a tomar consciência do seu lugar no mundo e o que podem fazer para o mudar, o escolher do curso, o simples escolher de uma roupa (mesmo sendo contra a nossa ideia) é de facto uma fase muito bonita! E depois ela vem confidenciar-te que um rapaz lhe pediu namoro e tu esqueces tudo e percebes que afinal, não és a sua melhor amiga, mas foi a ti, a mãe, que ela contou esse pequeno segredo! E aí esqueces tudo!

    Responder
  • Olá Catarina! Neste momento estou grávida de 22 semanas de um menino, antes de saber o sexo do meu bebé pensei muito se, caso fosse uma menina, ia ter um feitio tão apurado na adolescência. Fui criada pela minha avó materna, os meus pais trabalhavam no estrangeiro e eu fiquei com ela, ela foi (e muitas vezes ainda é!) a minha mãe, ela é que gramou com o meu mau feitio, mas eu sempre amei muito a minha avó, quando ela me contrariava com alguma coisa eu chorava tanto de raiva como de medo que ela deixasse de gostar tanto de mim por me estar a portar mal! Hoje a minha avó é o meu pilar e há uns anos tive uma conversa com ela onde lhe pedi desculpa por todos os momentos que a magoei e disse-lhe o quanto a amava (digo muitas vezes) e acho que nesse momento fizemos as pazes com o passado… Se não fosse ela eu hoje não era a mulher que sou, com tanto do feitio dela em mim!
    Beijinhos

    Responder
  • Não estou de acordo com a questao de nao poder fechar a porta do quarto. Toda a gente tem direito a intimidade – os adolescentes nao sao excepcao.

    Responder

Deixe um comentário