o meu diário

Prostituta

Prostituta. É um facto. Sou uma inútil.
Não faço rigorosamente nada.
Ser dondoca da classe média
tem um curto prazo de validade.
É preciso dinheiro para poder
não fazer nada.
“Não fazer nada” não dá dinheiro.
Conclusão: tenho que fazer alguma coisa.
Vender a minha capacidade produtiva.
Prostituir-me.

Comentários (1)

  • Comecei a ler o seu blog à conta de uma qualquer página de Facebook, achei interessante e resolvi começar pelo principio, ler a história como deve de ser… Mas desta não estava à espera, de um início com um desabafo tão cru e tão sentido e no entanto tão parecido com o que eu tantas vezes pensei "sou uma inútil"! Mas não por não fazer nada, que a criançada (já adolescentes), a casa e a bicharada dão-me conta de quase todo o meu tempo! Antes por sentir que não contribuo para a carteira da família, por ver os problemas surgirem e eu não ter mais nada para oferecer do que um colo para acalmar quem tem a responsabilidade de pagar as contas… O que vale é que um dia não são dias e nem sempre se pensa assim!
    Vou continuar a ler… 🙂

    Responder

Deixe um comentário